23.6 C
Uberlândia
quarta-feira, fevereiro 21, 2024
- Publicidade -
InícioNotíciasDicas para o manejo de irrigação pré-florada

Dicas para o manejo de irrigação pré-florada

A primavera é um dos períodos mais cruciais para os cafeicultores, pois é nela que ocorre a florada que vai definir o potencial produtivo do cafezal. O volume de flores produzidas é decisivo, uma vez que são elas que dão origem ao fruto do cafeeiro e consequentemente ao grão.

Superar esses desafios, no entanto, exige cuidados se iniciam antes mesmo da floração: na pré-florada. Neste período, o produtor rural precisa estar atendo a todas as necessidades que vão garantir o maior o nível de pegamento das flores possível. No caso da irrigação, é preciso considerar alguns pontos fundamentais, como por exemplo, a técnica de irrigação deficitária na pré-florada.

O engenheiro agrônomo da Netafim/Amanco e especialista em café, Iuri Santos, dá algumas dicas para realizar o correto manejo de irrigação pré-florada:

1.      Irrigação deficitária: a técnica consiste em oferecer um volume limitado de água às plantas, que garantirá a uniformização da florada e da produção dos frutos, facilitando a colheita e aumentando a qualidade da bebida.

2.      A planta necessita estar sob déficit hídrico, não estressada: no processo de irrigação deficitária, é fundamental manter o equilíbrio da umidade do solo na camada superficial, entre capacidade de campo (água facilmente disponível) e o ponto de murcha permanente (PMP), que é o teor de umidade no qual a planta não consegue mais retirar água do solo.

3.      Sintomas de mucha: embora o que queiramos seja deixar as plantas em condição de déficit, o produtor precisa estar atendo para não permitir sintomas de murcha, amarelecimento e quedas de folhas.

4.      Também é fundamental monitorar a tensão de água no solo (Tensiometria), para garantir o nível ideal da umidade do solo.

5.      Manter a planta sem estímulos vegetativos, em dormência, para sincronização floral e uniformidade da produção dos grãos.

6.      Não induz floração (antese), pois são necessárias mudanças significativas no clima.

7.      Monitorar a temperatura, umidade relativa do ar, radiação e umidade do solo.

E para ajudar em safras mais produtivas, a Netafim/Amanco, desenvolve os mais modernos e eficientes sistemas de irrigação por gotejamento para o café. A solução atende produtores de todos os portes, e o retorno do capital investido pode ocorrer em até dois anos após a implantação.

Em Ibiraci, interior de Minas Gerais, o cafeicultor Fernando Ribeiro, proprietário do Sítio Santo Antônio, adotou o sistema de irrigação inteligente em 2011. Ele conta que os 22 hectares da fazenda eram praticamente improdutivos, devido ao solo extremamente arenoso. “Durante três anos tentei levar a produção de café arábica no sequeiro, mas a produtividade era muito baixa, por contato do solo extremamente arenoso. Depois que adotei a irrigação por gotejamento passei a produzir uma média de 50 sacas por hectare. Consegui sair de uma condição lavoura ineficaz, para uma realidade de produção economicamente viável e em menos de dois anos paguei o investimento que fiz”, ressalta Ribeiro.

A irrigação inteligente também foi a tecnologia escolhida pelo cafeicultor Ricardo Santos, da Fazenda Bela Vista. Na propriedade a proposta era implantar um cafezal com as melhores soluções disponíveis e garantir uma produção precoce. “A instalação da lavoura de arábica já com o sistema de gotejamento possibilitou antecipar em um ano a colheita da primeira safra”, conta. Além disso, a produtividade de 56 sacas por hectare, já nos primeiros anos, permitiu o pagamento rápido do investimento na irrigação. “Estou a cinco anos produzindo na área e já obtive o retorno total dos investimentos tanto de infraestrutura da fazenda, quanto de implantação do cafezal”, destaca Santos.  

Também em Minas Gerais, a Fazenda São Manoel, no município de Serra do Salitre, adotou a irrigação por gotejamento subterrâneo e nutrirrigação em 2013, conseguindo aumentar em 30% a produtividade, com uma média atual de 55 scs/ha. Mesmo nos períodos de menor preço do grão, os ganhos na produção refletiram em maior rendimento na atividade, como conta o cafeicultor José Antônio Vitral. “Quando o café está em baixa, pensar na produtividade torna-se ainda mais essencial para rentabilidade da atividade. Investir na irrigação inteligente é um passo importante nessa direção. Os ganhos de produtividade e as economias que tive me permitiram pagar o investimento em apenas quatro safras, sendo que terei mais de 15 anos para usufruir da tecnologia”, diz.

ARTIGOS RELACIONADOS

Melancia híbrida – 50% mais produtiva

Eduardo Suguino Roberto Botelho Ferraz Branco Pesquisadores da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA) - Polo Centro Leste Adriana Novais Martins Rosemary Marques de Almeida...

Produtos inovadores reduzem perdas de nitrogênio

João Chrisóstomo Pedroso Neto Engenheiro agrônomo, doutor em Agronomia e pesquisador da Epamig Sul, Lavras (MG) chrisostomo@epamig.br A produção dos fertilizantes nitrogenados, tais como ureia, sulfato de...

Eventos transgênicos – O futuro já começou

  Carla Helena Ribeiro dos Santos carlahelenaribeiro615@gmail.com Thales Lenzi Costa Nascimento Graduandos em Agronomia pela Universidade Federal de Lavras (UFLA) e membros do Grupo de Estudo em...

Consórcio de abacate e café significa mais renda

Estudos esclarecem que o consórcio de café com espécies arbóreas é uma prática que vem trazendo bons resultados e um lucro extra ao produtor, pois otimiza a área utilizada pelo café.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!