22.6 C
Uberlândia
domingo, junho 23, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioDestaquesDo pé à mesa: entenda a cuidadosa logística das frutas

Do pé à mesa: entenda a cuidadosa logística das frutas

Frutas – Créditos: shurtterstock

As frutas são mais perecíveis que as demais categorias nutricionais, justamente por serem frescas. Logo, fatores como temperatura e ventilação são essenciais para prolongar respectivamente sua vida útil e, sobretudo, evitar o desenvolvimento de fungos.

Não à toa, a logística das frutas requer uma série de cuidados e exigências que, inclusive, envolve certificados de origem, registros, nota fiscal e regulamentações. Assegurando o valor adequado da mercadoria, as frutas devem chegar até o consumidor final em ótimo estado de conservação.

Optar por embalagens apropriadas que protejam as frutas de danos mecânicos, impedindo, assim, o esmagamento, é apenas uma das preocupações dos operadores logísticos. Neste sentido, Lucas Canibal, Senior Sales Manager da Drivin Brasil, scale-up e partner tecnológico que otimiza os processos logísticos de transportes líderes no mercado, listou abaixo algumas recomendações para garantir uma logística eficaz das frutas até chegarem à mesa dos consumidores. Confira:

Embalagem: O transporte de frutas se inicia com a escolha da embalagem adequada desde a colheita. Produzidas em material resistente, higienizáveis e com um formato que reduz torções e amassamentos, permitindo, ao mesmo tempo, a circulação do ar em seu interior, elas são essenciais para preservar a qualidade e minimizar a deterioração.

“As regras agrícolas variam de acordo com o país quando se trata do transporte de produtos perecíveis. Neste sentido, há uma diversidade de embalagens, tamanhos e, sobretudo, opções de isolamento, que demandam uma resistência adequada ao empilhamento para resistir ao esmagamento e umidade elevada. É imprescindível que os empreendedores verifiquem os requisitos necessários para cada fruta”, destaca Canibal.

Inspeção: Em resumo, todas as frutas liberam um gás inofensivo chamado etileno após serem colhidas, que favorece o amadurecimento de determinados produtos, fazendo com que outros estraguem rapidamente. A banana, por exemplo, libera este gás em quantidade significativa, exigindo um cuidado especial. 

Canibal explica que a temperatura, umidade e composição do gás ambiente são únicas para cada tipo de fruta. “Os transportadores necessitam de um ambiente ideal para estender o prazo de vida útil das frutas. Logo, distintos polímeros, como o isolamento, podem ser utilizados, com o intuito de preservar a temperatura externa. Além disso, existem revestimentos plásticos especializados que proporcionam um bom equilíbrio de oxigênio e CO2”, pontua o executivo.

Treinamento e capacitação: De fato, o transporte de frutas requer que a equipe esteja capacitada para realizar a movimentação da carga. Isto evita multas e, principalmente, que a mercadoria seja exposta a condições inadequadas, afetando, assim, a qualidade dos produtos e, consequentemente, tornando-o impróprio para consumo. “Produtos que tenham sido danificados por más condições de manuseio e transporte, certamente serão rejeitados pelos clientes. O treinamento dos motoristas e colaboradores, juntamente do mapeamento de rotas, facilitará o controle da operação”, afirma Lucas.

Otimização de rotas: A rota otimizada garante rapidez e qualidade na realização das operações, ao passo que determina o trajeto mais econômico e efetivo para as entregas. “Isto possibilita que as frutas sejam entregues no prazo estipulado e, sobretudo, rastreadas em tempo real de ponta a ponta”, ressalta o Sales Manager.

Inclusive, a Drivin possui uma funcionalidade conhecida como KARDEX. Trata-se do Gestor de Ativos Retornáveis, que viabiliza o acompanhamento da localização de pallets, bandejas ou qualquer outro item que precise retornar para a empresa. Por meio dele, o motorista consegue gerir e informar a quantidade de determinado ativo retornável disponível no cliente e ainda indicar quantos serão deixados no local. Desta forma, é possível agendar uma data para retirada.

Segundo Canibal, ao seguir essas dicas, os responsáveis logísticos garantirão que os produtos sejam entregues aos consumidores de maneira segura e sem comprometer sua qualidade. Vale ressaltar que a conscientização sobre os riscos é essencial para uma abordagem responsável e sustentável no manuseio tanto de frutas como de outros produtos agrícolas.

ARTIGOS RELACIONADOS

Tratamento de sementes de algodoeiro para controle de pragas e doenças iniciais

Alderi Emídio de Araújo Engenheiro agrônomo, doutor em Fitopatologia e pesquisador da Embrapa Algodão Sandra Maria Morais Rodrigues Engenheira agrônoma, doutora em Entomologia e pesquisadora da Embrapa...

Minas chega a 21,4 milhões de sacas, 38,1% a menos que em 2020

Com a colheita prestes a ser concluída em Minas Gerais, a expectativa de redução ...

Qualidade do tomateiro é elevada com programa contra pragas

Pedro Victor V. Quinute Teixeira Técnico Agrícola, graduando em Agronomia pela UFLA,membro do Núcleo de Estudos em Sementes e consultor na Terra Júnior Consultoria Agropecuária pedrovictor@terrajr.com Maria...

Fosfito + fungicida = Defesa e proteção para o pêssego

  Bernardo Ueno Pesquisador da Embrapa Clima Temperado bernardo.ueno@embrapa.br   O fosfito é um agente elicitor, responsável pela defesa das plantas. No caso do pêssego, a recomendação...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!