25.6 C
Uberlândia
segunda-feira, julho 22, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosFlorestasDoenças de viveiros - Alerta para os produtores de mudas

Doenças de viveiros – Alerta para os produtores de mudas

Celso Auer

Álvaro Figueredo dos Santos

Pesquisadores da Embrapa Florestas

Crédito Viveiro Pavão
Crédito Viveiro Pavão

Botrytis e bacterioses lideram a lista de preocupação dos produtores de mudas de eucalipto. A primeira praga pode possibilitar o controle químico, mas a segunda leva, muitas vezes, à eliminação total das plantas, exigindo o replantio. Nesse momento, o ideal é saber exatamente a decisão a ser tomada, e fazê-la de forma consciente e eficaz.

Doenças mais comuns em viveiros de mudas

As doenças em viveiros de eucalipto podem ser subdivididas de acordo com o tipo de sistema de produção de mudas: seminal (por sementes) e clonal (miniestaquia). Em mudas seminais, as doenças encontradas são o tombamento de mudas causado por vários fungos de solo, o mofo cinzento causado por Botrytiscinerea, o oídio causado por Oidiumeucalypti, a ferrugem causada por Pucciniapsidii, as manchas foliares causadas por Cylindrocladium e Kirramyces, as queimas foliares causadas pelo fungo Rhizoctoniasolani e as bactérias Xanthomonasaxonopodis e Erwiniapsidii.

Em mudas clonais, podem ser constatadas as mesmas doenças das mudas seminais,à exceção do tombamento de mudas e da ocorrência de podridão de miniestacas, causada por Botrytiscinerea e Cylindrocladium.

Prejuízos

O prejuízo mais expressivo causado por essas doenças é a mortalidade de mudas. Outro tipo de prejuízo é a perda de qualidade da muda para comercialização e plantio em consequência do ataque dos patógenos causadores de doenças (fungos e bactérias).

Condições propícias para o ataque

A presença de inóculo dos patógenos no viveiro, a existência de espécies de eucalipto suscetíveis às doenças e as condições ambientais favoráveis, especialmente temperaturas elevadas e excesso de umidade, são condições perfeitas para o ataque de doenças aos viveiros.

Prevenção

Como medidas preventivas, são recomendados: substratos esterilizados para a semeadura e a produção de mudas seminais ou clonais; água de irrigação obtida de fonte livre de contaminação de patógenos (como, por exemplo, poços artesianos); tubetes e recipientes para mudas limpos e desinfestados; estufas e telados que estejam sem contaminação de fungos; e o monitoramento da sanidade das mudas e descarte de material doente.

Controle químico

O controle químico deve ser empregado somente em casos em que as medidas preventivas não conseguiram deter o ataque dos patógenos e o surgimento de doenças. Em primeiro lugar, a doença deve ser devidamente identificada para que seja empregado o produto químico correto. Em segundo lugar, deve-se verificar se existem produtos químicos registrados no MAPA para o controle da doença.

Manejo

Para realizar a aplicação de produtos químicos, o operador deve ser treinado e usar os EPI’s recomendados para aquele tipo de operação. O produto químico registrado deve ser aplicado na dosagem e intervalo recomendados pelo fabricante.

A erradicação de mudas doentes é indicada quando não existem medidas de controle eficientes.

Entretanto, a decisão de manejo deve ser tomada com base nos danos causados. O controle deve ser aplicado para que o prejuízo econômico seja o menor possível ao viveirista, incluindo os seus custos (produto, mão de obra, tempo de aplicações, descarte de mudas mortas ou doentes, etc.).

Essa matéria você encontra na edição de setembro /outubro 2016  da revista Campo & Negócios Floresta. Adquira já a sua.

ARTIGOS RELACIONADOS

Bahia Farm Show – 15 anos de muita tecnologia

Contagem regressiva para o início da edição que celebra os 15 anos da maior feira de tecnologia agrícola e negócios do Norte e Nordeste brasileiro. A Bahia Farm Show, a ser realizada entre 28 de maio a 1º de junho, em Luís Eduardo Magalhães (BA), é aguardada com expectativa por todos aqueles que fazem e vivem o agronegócio, com ênfase para produtores rurais instalados na região do Matopiba.

Trigo: Área no Brasil Central deverá atingir novo recorde

A região central do Brasil responde pelas primeiras semeaduras com o cereal no País, iniciadas ainda no mês de fevereiro com o trigo de sequeiro e...

Novas tecnologias revolucionam tratamento de sementes

  A busca por altos rendimentos, em qualquer cultura, começa com a escolha do cultivar de maior potencial de rendimento e adaptado à região de...

Picador de árvores inteiras

AutoresJoão Eduardo Ribeiro da Silva Doutor em Agronomia/Fitotecnia - Universidade Federal de Uberlândia (UFU) johned87@yahoo.com.br Ketherlen Júnia Alves Andrade Cotta Professor do curso...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!