Doenças em HF: Reconhecer os sintomas é fundamental

0
109

Autores

Mônica Bartira da SilvaEngenheira agrônoma, doutora em Agronomia/Horticultura e professora – UNEMAT (MT)monica.bartira@gmail.com  

Luan Fernando Ormond Sobreira RodriguesEngenheiro agrônomo e doutor em Agronomia/Horticultura – FCA/UNESPluanormond@gmail.com  

Luiz Felipe Guedes BaldiniEngenheiro agrônomo e mestre em Agronomia/Horticultura – FCA/UNESP felipebaldini.fb@gmail.com  

Michelly Cruz de SouzaGraduanda em Agronomia – UNEMAT-MT – michellydesouzah1234@gmail.com

Alface – Crédito: UFRGS

Ao falarmos de doenças, é sempre bom reforçar que: para que as medidas de controle possam ser efetivamente tomadas, as doenças devem ser analisadas sob o ponto de vista epidemiológico. Isso implica conhecer a cultivar, o patógeno e as condições ambientais que afetam tanto a planta hospedeira como o patógeno.

Quando falamos em doenças de hortaliças folhosas elas podem ser divididas em:

Ü Doenças de raiz e caule: podem ser causadas por fungos, bactérias e nematoides, com destaque para damping-off (Pythium spp. e Rhizoctonia solani), murcha (Pythium spp.), podridão-de-esclerotinia (Sclerotinia sclerotiorum e S. minor), murcha-de-esclerócio (Sclerotium rolfssi), podridão-negra (Thielaviopsis basicola), queima-da-saia (Rhizoctonia solani), murcha-de-fusário (Fusarium oxysporum f. s. lactuce), podridão mole (Pectobacterium spp. ou Dickeya spp. = Erwinia spp.) e nematoides-das-galhas (Meloidogyne spp.).

Ü Doenças da parte aérea: podem ser causadas por fungos, bactérias e vírus, com destaque para míldio (Bremia Lactucae), septoriose (Septoria lactucae), mancha-de-cercóspora (Cercospora longissima), podridão-de-botritis (Botrytis cinerea), oídio (Oidium spp.), murcha-bacteriana (Xanthomonas axonopodis pv. vitians), murcha- cerosa (Pseudomonas cichorii), queima-lateral-das-folhas (Pseudomonas marginalis pv. marginalis), pinta-preta (Alternaria brassicicola) e as viroses.

Como a lista é grande, separamos apenas algumas para comentar, sendo elas: podridão-de-esclerotinia (Sclerotinia sclerotiorum e S. minor), míldio (Bermia lactucae), pinta-preta (Alternaria brassicicola) e queima-da-saia (Rhizoctonia solani).

Podridão-de-esclerotinia

O fungo S. sclerotiorum é uma espécie altamente polífaga, com registro de ataque a mais de 400 hospedeiras diferentes no mundo. Conhecido também como mofo branco, é uma doença de clima ameno e úmido, que pode ser muito severa quando as temperaturas variam de 15 a 21°C.

O controle químico é uma medida bastante utilizada e seu sucesso está condicionado ao uso de fungicidas adequados na época adequada, de forma a prevenir o aparecimento ou o desenvolvimento da doença no campo.

Uma alternativa de manejo é rotacionar a área com a cultura do milho, utilizar sementes e outros materiais propagativos de boa qualidade e tratados com fungicidas e manejar a irrigação de forma a evitar excesso de umidade. É importante salientar que o tratamento do solo pela solarização, com fumigantes ou biofumigantes, pode ser viável em áreas pequenas ou em cultivo protegido, mas tem pouca aplicação para grandes áreas.

Míldio

Uma das principais doenças da alface, tanto em campo como em cultivo protegido, inclusive em hidroponia, é o míldio. Essa doença é causada pelo oomiceto do reino Stramenopila bremia lactucae Regel, considerado um problema grave, porque aumenta os custos de produção no inverno, época em que os preços são menores devido à maior oferta e ao menor consumo.

Destaca-se por ser limitante em localidades onde a temperatura é amena e as folhas ficam constantemente molhadas por irrigação, chuva ou orvalho. Em regiões mais secas, como no Brasil Central, a intensidade da doença varia consideravelmente em decorrência da época de plantio e do manejo da cultura e em função do método e da frequência da irrigação.

 As manchas provocadas pelo míldio são verde-claras ou amareladas, de diferentes tamanhos, e geralmente delimitadas pelas nervuras, o que as torna facilmente identificáveis. Na parte inferior da folha, em condições de alta umidade, percebe-se a esporulação esbranquiçada pulverulenta do fungo. Sob ataque severo, pode-se observar um escurecimento dos tecidos internos do caule, causado pela invasão sistêmica do fungo.

Para ler o restante deste artigo você tem que estar logado. Se você já tem uma conta, digite seu nome de usuário e senha. Se ainda não tem uma conta, cadastre-se e aguarde a liberação do seu acesso.