28.8 C
Uberlândia
quinta-feira, julho 18, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioNotíciasEficácia superior sobre invasoras de difícil controle

Eficácia superior sobre invasoras de difícil controle

Crédito Divulgação

Desenvolvida na Europa e lançada no mercado brasileiro no ano passado, a nova molécula Terbutilazina, base do herbicida de marca Click®, da Sipcam Nichino Brasil, recebeu avaliações positivas de diferentes órgãos de pesquisas do País. Conforme o engenheiro agrônomo José de Freitas, da área de desenvolvimento de mercado da companhia de origem ítalo-japonesa, a nova solução teve validados diferenciais competitivos importantes, frente a tratamentos-padrão para controle de plantas daninhas.

De acordo com Freitas, menos de um ano depois de lançado, o novo herbicida também conquistou adesão de um grande número de agricultores. “Click® age com eficácia e entrega diferenciais qualitativos no manejo de invasoras consideradas de difícil controle, que desafiam o produtor na safra.”

Segundo o agrônomo, avaliações da Fundação Rio Verde demostraram que a aplicação da Terbutilazina associada ao Glifosato e ao óleo mineral transferiu eficácia de 94% a 100%, na pós-emergência das invasoras capim-pé-de-galinha (Eleusine indica), trapoeraba (Commelina benghalensis), vassourinha-de-botão (Spermacoce verticillata), erva-de-santa-luzia (Euphorbia hirta) e soja-tiguera (Glycine max), entre outras.

“Nesses campos, montados na região de Lucas do Rio Verde (MT), a produtividade média bateu em 134,6 sacas por hectare, índice 13% superior ao obtido nos tratamentos-padrão comparados”, destaca Freitas. “Isso representa ganho médio de 1,2 saca por hectare, altamente satisfatório. Observamos que Click® teve excelente efeito residual, com controle de novos fluxos de capim-pé-de-galinha, fator que entrega ao produtor uma lavoura mais limpa.”

Já no Paraná, acrescenta Freitas, o novo Click® mostrou efetividade no controle da trapoeraba, (Commelina benghalensis), uma erva descrita como problemática nas lavouras de milho do Estado e de outras regiões do País. Segundo ele, pesquisadores da Supra Pesquisas/Universidade Federal do Paraná (UFPR) observaram que o controle da trapoeraba chegou perto de 99%.

Conforme Freitas, no Paraná a Terbutilazina igualmente mostrou efeito residual que auxilia no controle de novos fluxos da daninha. A produtividade, complementa ele, atingiu cerca de 7 mil quilos por hectare ou 117 sacas por hectare nas áreas analisadas: Maripá, Marechal Cândido Rondon e Palotina.

“O herbicida mais aplicado no tratamento-padrão utilizado nessa região igualou as marcas da Terbutilazina, entretanto fora aplicado em doses maiores, e em alguns casos na dose dobrada”, compara Freitas.

Segundo ele, os resultados transferidos pela nova molécula na safra de verão e na safrinha justificam plenamente o sucesso na adesão ao produto logo depois deste chegar ao mercado. “Trata-se de uma tecnologia altamente relevante, capaz de solucionar problemas graves relativos a infestações do milho por ervas de difícil controle e resistentes. A Terbutilazina entrega longo efeito residual, em pré e pós-emergência, além da lavoura mais limpa no final.” Criada em 1979, a Sipcam Nichino resulta da união entre a italiana Sipcam, fundada em 1946, especialista em agroquímicos pós-patentes e a japonesa Nihon Nohyaku (Nichino). A Nichino tornou-se a primeira companhia de agroquímicos do Japão, em 1928, e desde sua chegada ao mercado atua centrada na inovação e no desenvolvimento de novas moléculas para proteção de cultivos.

ARTIGOS RELACIONADOS

Controle fitossanitário ideal para videiras

Em todo o ciclo da cultura, a mesma pode sofrer ataques de pragas e doenças, que podem promover perdas econômicas gigantescas, por se tratar de uma cultura de custo muito elevado.

Como manejar as plantas daninhas?

Por definição, planta daninha é qualquer planta que ocorre onde não é desejada.

Adubar o solo e prevenir plantas invasoras

Cuidar da fertilidade do solo e ao mesmo tempo prevenir possíveis plantas invasoras ...

Plantas daninhas provocam queda de produtividade florestal

Nenhuma planta, cultivada ou não, tem todo o seu potencial produtivo extraído a campo. Invariavelmente ocorrem perdas de produtividade, e estas se devem a inúmeros fatores, os quais o produtor não consegue controlar (precipitação, temperatura, fotoperíodo, radiação incidente, vento, granizo, etc.),

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!