20.6 C
Uberlândia
sábado, maio 25, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosEl Niño, PIB e o Agronegócio Brasileiro

El Niño, PIB e o Agronegócio Brasileiro

Márcio Só e Silva
Engenheiro Agrônomo e Pesquisador na Semevinea Genética Avançada de Sementes

Foto Divulgação

O El Niño, fenômeno climático com marca registrada e nome bíblico, mostra sua força com efeitos colaterais terríveis. A previsão de sua ocorrência para esse ano de 2023, foi anunciada desde o ano passado, embora não se pudesse dimensionar sua magnitude naquele momento. Em novembro, vivenciamos um rastro de destruição provocado por ele em cidades e no campo, impactando as economias da região sul do Brasil, com enchentes e tempestades nunca vistas e sentidas pelas populações.

O El Niño deste ano cela de uma vez por todas que as mudanças climáticas não estão para brincadeiras. O aquecimento do oceano pacífico se alastrou pelo mundo fazendo os continentes arderem de calor, com a ocorrência de temperaturas altíssimas nas regiões centrais, norte e nordeste do Brasil. As chuvas no Sul do país totalizaram mais de 2000 milímetros acumulados nesses quase onze meses do ano, volume de água equivalente a uma caixa d’agua de uma residência de 2 mil litros/m². Ou seja, uma coluna de água de 2 metros de altura em cada metro quadrado de área. Imaginem esses volumes de água circulando pelas cidades, rios e barragens. A grande pergunta que nos aflige, diante do peso dos efeitos climáticos na atividade econômica e social, será o impacto que teremos no PIB, em tudo que se produz no nosso país.

O PIB brasileiro em 2023, transformado em valores, pode chegar próximo a 2 trilhões de dólares, ficando uma fatia de pouco mais de 20% para a conta do Agronegócio. Cidades, estradas, lavouras e indústrias vêm sofrendo prejuízos de toda ordem, destruições, deslocamento de populações, logísticas e transportes interrompidos e produtividade no campo despencando.

A safra de inverno no sul do Brasil projetava uma produção de trigo em torno de 10 milhões de toneladas, o que continuaria o ciclo de redução das importações do cereal pelas indústrias moageiras, segundo dados da Conab e da ABITRIGO, respectivamente. Portanto as perdas da conta trigo pelo impacto do fenômeno climático no sul do Brasil deverá atingir 50% da produção, valor próximo de1% do nosso PIB, sem falar nas perdas das demais culturas de inverno e atividades do Agronegócio regional.

No restante do país as ondas de calor devem provocar impactos negativos nas safras de soja e milho, além de atrasarem o calendário de semeadura das 2ª safras de milho e feijão. Nem as lavouras irrigadas estão aguentando as altas temperaturas, colapsando o sistema de suprimento de água pela altíssima demanda evaporativa da atmosfera provocada pelas condições climáticas. Desta forma, devemos ter comprometido o potencial de produção nas lavouras recentemente implantadas, reduzindo as expectativas da safra de grãos de 2024.

O Agronegócio é uma fábrica funcionando a céu aberto, sem telhado, e que possui um turno de trabalho de domingo a domingo sem interrupção. Trabalho desgastante e cansativo que exige, para a atividade, perfil psicológico resiliente, e respeito às fontes de recursos naturais. A segurança alimentar da população de um país, está alicerçada na cadeia de produção campo/cidade, que necessitam atuar em conjunto para melhorar a renda per capita e o PIB, investindo em tecnologia para mitigar e estabilizar os impactos dos fenômenos meteorológicos nesta cadeia.

Ainda há tempo para que sejam estabelecidas as agendas estruturantes a fim de garantir a segurança alimentar. Alguns setores do Agro brasileiro já largaram na frente propondo redução de emissões de gases poluentes e descarbonização da produção. Assim, uma parcela significativa do produto brasileiro se credencia à emissão de créditos de carbono, conceito surgido do Protocolo de Kyoto, em 1997, para certificar e quantificar os esforços de redução dos agentes poluentes para os países alcançarem a estabilização e diminuição do aquecimento global.

ARTIGOS RELACIONADOS

Mancha-alvo é o terror do agro

O intuito foi averiguar a pressão de Corynespora cassiicola, patógeno causador da mancha alvo

Cultivo de coco

No cenário mundial, segundo dados da Organização das Nações Unidas para a Alimentação ...

Algas marinhas em trigo

As algas marinhas são organismos uni ou pluricelulares que, para sobreviverem em ambiente ...

American Vanguard adquire a Agrinos

A American Vanguard Corporation (NYSE: AVD), anunciou hoje que sua principal subsidiária AMVAC Chemical A Corporation adquiriu o grupo de empresas Agrinos, uma empresa privada líder em tecnologia de insumos biológicos para lavouras.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!