19.6 C
Uberlândia
segunda-feira, junho 17, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiEmbrapa lança cultivar de cenoura para sistema orgânico

Embrapa lança cultivar de cenoura para sistema orgânico

Cenoura_ Crédito: Agnaldo Carvalho

A primeira cultivar de cenoura do mercado nacional desenvolvida e recomendada para o sistema orgânico de produção, a cenoura BRS Paranoá, foi lançada na edição desse ano da AgroBrasília, que aconteceu de 06 a 10 de julho, em uma plataforma digital.

Desenvolvida pelo programa de melhoramento genético da Embrapa Hortaliças (Brasília/DF), a cenoura BRS Paranoá possui alta resistência à queima-das-folhas, principal doença que afeta a cultura nas regiões produtoras do Brasil. Ela é recomendada para plantio no período do verão, época com condições mais adversas para o plantio da raiz e entressafra das cultivares convencionais plantadas no inverno, o que abre uma janela valiosa de mercado.

“A cenoura BRS Paranoá foi validada nas condições ambientais do Distrito Federal, tendo se mostrado muito produtiva e estável”, informa o agrônomo e pesquisador Agnaldo Carvalho. Em um ensaio comparativo com outras três cultivares bastante plantadas por produtores orgânicos, a cenoura BRS Paranoá obteve uma produtividade média de 32,3 toneladas por hectare, mais de 3,0 t/ha à frente da segunda colocada na avaliação.

Segundo Carvalho, o lançamento da cultivar em um evento com o porte da AgroBrasília é uma ótima oportunidade para apresentar ao setor produtivo a nova cultivar, especialmente se considerar a particularidade do Distrito Federal e entorno, uma região que concentra muitos produtores orgânicos de cenoura. “No formato digital, teremos a chance de expandir essa divulgação para agricultores de outras regiões do país que, muito provavelmente, não visitariam presencialmente a feira”, pondera.

Alta resistência e menor custo de produção

[rml_read_more]

A BRS Paranoá destaca-se pela alta resistência ao complexo de bactérias e fungos causadores da queima-das-folhas, doença que está entre os fatores mais limitantes para o cultivo de cenoura no Brasil.

“O índice de desfolha da cultivar BRS Paranoá por doenças foliares fica abaixo de 10%, mesmo sem nenhuma aplicação de produtos para o controle da doença. Ela é uma opção bastante atraente para o produtor de cenoura, com reflexos nos custos de produção e na qualidade das raízes”, argumenta Carvalho.

Mesmo diante de temperatura elevada e excesso de chuvas, condições típicas do verão, as raízes atingem o tamanho comercial desejável no momento da colheita, sem destruição da área foliar. “Mesmo nos cenários mais desfavoráveis, o desfolhamento da cenoura BRS Paranoá permanece inferior a 10%, enquanto outras variedades comerciais próprias para o período do verão podem atingir um índice de desfolha de até 40%”, quantifica.

A cenoura BRS Paranoá atinge os mesmos patamares de produtividade e suporta a queima-das-folhas sem a necessidade de utilizar qualquer defensivo agrícola. “Ela alcança o período da colheita aos 90 dias após a semeadura, com desfolhação mínima e zero fungicida, diferentemente dos híbridos convencionais, cuja produção só é possível com a utilização de pesticidas”, compara o pesquisador.

Ele acrescenta que o setor produtivo vivencia um momento interessante para a rastreabilidade de produtos agrícolas, o que deve ser um impulso importante para toda a cadeia produtiva buscar a redução de agroquímicos e a adoção de cultivares que apresentem bons resultados em sistemas mais sustentáveis.

ARTIGOS RELACIONADOS

Ativos da Embrapa em oferta

Produtores de sementes e viveiristas interessados em parceria com a Embrapa por meio do ...

Inoculante biológico eleva a produtividade

Em parceria com a Embrapa Clima Temperado, a Biotrop é a primeira empresa no Brasil ...

Silício reduz oídio em eucalipto

O eucalipto (Eucalyptus sp) é uma planta originária da Austrália, com mais de 700 espécies reconhecidas botanicamente. Algumas espécies foram introduzidas no Brasil e tiveram uma boa adaptação às condições edafoclimáticas brasileiras e hoje é uma planta de grande importância econômica, visto que pode ter múltiplos usos e finalidades devido às suas características físicas e químicas, que vão desde o uso de sua madeira até mesmo à extração de óleos essenciais.

Algas marinhas: Proteção contra doenças?

AutoresTais Santo Dadazio Engenheira agrônoma, mestra, doutora em Proteção de plantas e professora de Fitopatologia - FIB e Unisalesiano tais.dadazio@hotmail.com Roque de Carvalho Dias...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!