22.8 C
Uberlândia
quarta-feira, julho 17, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiEmbrapa lança grupo de caixas para comercialização de hortaliças

Embrapa lança grupo de caixas para comercialização de hortaliças

 

Embrapa - Crédito Embrapa
Embrapa – Crédito Embrapa

Com o objetivo de reduzir as perdas na fase de pós-colheita, a Embrapa lançou, durante a 22ª edição da Hortitec, um grupo de caixas para facilitar a comercialização de hortaliças. Nessa etapa da cadeia produtiva, as embalagens inadequadas e o manuseio excessivo são os principais responsáveis pelos danos nos produtos e pelo elevado percentual de perdas pós-colheita.

A utilização do Grupo de Caixas Embrapa constitui uma boa prática agrícola, uma vez que favorece o manuseio mínimo e a rastreabilidade na cadeia de produção. “A recomendação é de que sejam evitadas as trocas de embalagens entre os elos da cadeia. Assim, as caixas utilizadas para a colheita na propriedade rural são as mesmas que expõem os produtos no local de comercialização”, explica a pesquisadora Rita Luengo, da Embrapa Hortaliças (Brasília, DF), ao pontuar que se espera evitar o retrabalho na logística de distribuição entre as áreas de produção e de consumo.

Dessa forma, as hortaliças são comercializadas em um intervalo menor de tempo e chegam mais frescas ao consumidor final.

O grupo é composto por quatro caixas de diferentes tamanhos que são paletizáveis e, por isso, facilitam o transporte em empilhadeiras. Elas também permitem diferentes encaixes entre si e a composição de palete misto, o que é uma vantagem para os comerciantes que distribuem uma grande diversidade de espécies de hortaliças.

Manutenção e qualidade final

A manutenção da qualidade das hortaliças é outro benefício do Grupo de Caixas Embrapa, uma vez que as embalagens evitam a ocorrência de danos mecânicos, porque possuem cantos arredondados e superfície interna lisa. “As caixas foram idealizadas para carregar em torno de 20 kg, peso adequado para conciliar a otimização de frete com a redução de danos mecânicos por compressão e impacto”, explica a pesquisadora.

Em relação ao modelo, as caixas possuem abertura lateral para fácil visualização da carga empilhada. As aberturas também são funcionais, pois favorecem a ventilação e o resfriamento das hortaliças, evitando que o calor excessivo acelere a deterioração do produto.

Validada em parceria com a extensão rural e com as Centrais de Abastecimento de São Paulo e do Distrito Federal, o Grupo de Caixas Embrapa foi licenciado para industrialização e comercialização pela empresa JR Agroplásticos (www.jragroplasticos.com.br).

Essa matéria você encontra na edição de julho da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira a sua.

ARTIGOS RELACIONADOS

LMV – Pior virose das folhosas

Marina Guimarães Pacifico Engenheira agrônoma, mestre em Fitopatologia e doutoranda em Proteção de Plantas (UNESP Botucatu) ma_pacifico1@hotmail.com O LMV (Lettucemosaicvirus) está disseminado por todo o mundo. O...

Microverdes – Projeto inédito no Brasil

Microverdes, oumicrogreens, como também são conhecidos, é um projeto especializado na produção e comercialização de microlegumes ou ervas aromáticas e flores comestíveis. No ambiente...

Green-UP, da Floral Atlanta, é sucesso garantido

Essa é a 22ª Hortitec que a Floral Atlanta participa, ou seja, desde a primeira edição da feira. “Sempre consideramos de suma importância estarmos...

Potencial de uso de bioestimulantes na cebola

  Elisamara Caldeira do Nascimento Talita de Santana Matos Doutoras em Agronomia - UFRRJ Glaucio da Cruz Genuncio Professor de Fruticultura - DFF/DAAZ/UFMT glauciogenuncio@gmail.com Bioestimulantes ou biopromotores são termos...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!