13 C
São Paulo
terça-feira, junho 28, 2022
- Publicidade -
-Publicidade-
Inicio Notícias Empresas verdes: o que são e como se tornar uma?

Empresas verdes: o que são e como se tornar uma?

Crédito Shutterstock

O foco em adotar práticas sustentáveis vem atraindo cada vez mais, organizações em todo o mundo. Uma pesquisa global divulgada em dezembro de 2021, destaca que 70% das empresas afirmaram que a sustentabilidade será prioridade nas ações e projetos desenvolvidos em 2022.
 

Um fator determinante para alcançar resultados efetivos nesse setor é a conquista do selo Empresa Verde. Para receber esse título é necessário que a instituição adote princípios e práticas de sustentabilidade nos processos, produtos e serviços.
 

Além disso, as corporações com esse reconhecimento são conhecidas como empreendimentos que possuem modelos de gestão e cultura voltadas à conservação do meio ambiente, diminuindo assim os impactos ambientais da região onde estão localizadas.
 

De acordo com o docente do curso Técnico em Meio Ambiente do Senac EAD, Cristofer Lourenço Coelho, a transformação das práticas corporativas das empresas foi se modificando, a partir do surgimento do conceito de sustentabilidade, implementado na década de 1980.
 

“Desde então, as organizações estão se tornando mais ecológicas, em razão das demandas do mercado, sanções por contaminação e imposição dos consumidores, que valorizam produtos menos agressivos ao meio ambiente”, explica.
 

Como se tornar uma empresa verde?
 

O especialista do Senac EAD destaca que para serem avaliadas e receberem o selo de empresa verde, as organizações precisam ter certificações ambientais que atendam aos requisitos das normas e programas estabelecidos pelos órgãos certificadores.
 

De forma mais ampla, na base das certificações ambientais, os aspectos avaliados são referentes aos produtos, processos ou serviços. Entretanto, na maioria das certificações ambientais são avaliadas a gestão da energia, água, resíduos (sólidos, líquidos e gasosos) e carbono (emissões de gases efeito estufa).
 

“Outros fatores podem ser analisados, mas isso vai depender do tipo de selo que a empresa está certificando. É importante esclarecer que as empresas verdes tendem a criar soluções mais inovadoras, seguindo os três pilares da sustentabilidade: social, econômico e ambiental”, argumenta Cristofer.
 

O movimento global de incentivar o setor econômico na adoção das práticas sustentáveis cresce a cada ano. De acordo com a projeção da Climate Bonds Initiative, a emissão de títulos para financiar projetos sustentáveis (também chamados green bonds) dobrou nos últimos dois anos (2020 a 2022) e deve atingir 1 trilhão de dólares até 2023.
  No Brasil, existem diversas iniciativas empresariais que se destacam nos setores: financeiro, alimentício, aparelhos eletrônicos, beleza e cosméticos, bebidas e confecções.

Quem faz a avaliação das empresas verdes?
 

A análise de certificação do selo empresa verde é realizada por diversas organizações internacionais, no entanto, no Brasil, o processo é gerenciado pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (Procel), Produto Orgânico Brasil, AQUA e Selo Azul da Caixa.
 

Para melhor compreensão da atuação de cada instituição, elencamos uma lista de certificadoras que respaldam os aspectos sustentáveis das empresas, confira:
 

– ISO 14001: Certifica o sistema de gestão ambiental como um todo, é a mais desejada e requisitada pelas organizações de todo mundo.
 

– FSC (Forest Stewardship Council): Selo verde que certifica produtos de origem florestal, como a madeira, móveis e papel.
 

– LEED (Liderança em Energia e Design Ambiental): Para prédios e edificações sustentáveis.

– ECOCERT: Dedicado a alimentos e cosméticos orgânicos ou naturais.
 

– IBD (Instituto Biodinâmico): cosméticos, alimentos e algodão orgânicos.
 

– PROCEL: Selo que certifica equipamentos e eletrodomésticos, voltado ao consumo de energia (aquele instalado em geladeiras e ar-condicionado, classe A, B, C, D e E).

 

O docente do Senac EAD explica que as empresas interessadas na certificação, precisam receber o Sistema de Gestão Ambiental (SGA), demonstrando que cumprem as recomendações da legislação nacional. “Uma sugestão para organizações que desejam melhorar a aplicabilidade das técnicas e tecnologias mais eficazes nos processos internos é contratar consultorias especializadas no selo verde desejado”, pontua.
 

Desse modo, a empresa solicitante consegue se adequar aos requisitos nas normas técnicas e demais exigências legais. Lembrando que são realizados ainda, procedimentos de auditorias internas para averiguar as não conformidades e correções. Após essa etapa é realizada uma auditoria externa com os organismos certificadores do selo, para então receber a certificação, acrescenta Cristofer.
 

Compromisso coletivo com a sustentabilidade
 

O bom desempenho ambiental de uma empresa vai além do público externo. As ações devem ser realizadas e compartilhadas com os stakeholders e funcionários. No caso do primeiro grupo, é importante incluir os fornecedores nas tomadas de decisão, em relação à performance dos processos.
 

No que diz respeito aos funcionários, capacitação e treinamento são prioridades para aumentar o engajamento. Afinal, será visível os efeitos positivos nas relações, salários, saúde, segurança e benefícios.
 

“Os clientes são atraídos para o consumo dos produtos sustentáveis. São beneficiados com bens e serviços de qualidade e que produzem valor ético. Isso não tem preço, e sim princípios e valores, além de remeter para uma condição de respeito do ser humano com a natureza”, avalia o especialista.
 

Por último, o docente reforça que a certificação ainda não é uma exigência, mas as organizações com o selo de empresa verde conquistam maior credibilidade junto a sociedade. Desse modo, se a meta principal é o reconhecimento da marca, é preciso ter claro que os consumidores preferem produtos fabricados com menos agressão ao meio ambiente.
 

“As vantagens são expressivas: aumento de competitividade e eficiência dos processos, melhora a motivação, saúde e segurança dos trabalhadores, diminuição dos impactos ambientais, parcerias e oportunidades de negócios e expansão de parcerias”, conclui Cristofer.
 

Para quem atua no setor ambiental ou deseja ingressar na carreira, o Senac EAD oferece um portfólio completo de cursos. As opções vão de cursos livres, técnicos, graduação, pós-graduação até extensão universitária. Acesse o site e confira os detalhes.
 

Sobre o Senac EAD 

Com 75 anos de atuação em educação profissional, o Senac foi pioneiro no ensino a distância no Brasil. A primeira experiência nesta modalidade se deu em 1947 com a Universidade do Ar, em parceria com o Sesc, que ministrava cursos por meio do rádio.

A partir de 2013, com o lançamento do portal Senac EAD, a instituição ampliou a sua atuação em todo o país. Hoje, oferece um amplo portfólio de cursos livres, técnicos, de graduação, pós-graduação e extensão a distância, atendendo todo o Brasil e apoiados por mais de 350 polos presenciais para avaliações.
  Acesse aqui a programação completa de cursos do Senac EAD. Há também um portfólio diversificado de cursos presenciais que podem ser conferidos no portal da instituição.



Inicio Notícias Empresas verdes: o que são e como se tornar uma?