Erros e soluções no cultivo de hortaliças

0
47

Santino Seabra JuniorEngenheiro agrônomo, PhD  e professor – Universidade do Estado de Mato Grosso – UNEMATsantinoseabra@hotmail.com

Rafael Rosa RochaEngenheiro agrônomo e mestrando em Ambiente e Sistemas de Produção Agrícola –UNEMAT rafaelrochaagro@outlook.com

Franciely da Silva PonceEngenheira agrônoma e doutoranda em Horticultura/Agronomia – UNESPfranciely.ponce@unesp.br  

Daniela Aparecida Lima CostaGraduanda em Engenharia Agronômica – UNEMAT danielalima85@outlook.com

Tela – Fotos: Ginegar do Brasil

A utilização de telados é uma ferramenta essencial para produzir hortaliças folhosas no período de altas temperaturas e alta incidência luminosa, porém, esse benefício se dá principalmente da redução parcial da luz e, consequentemente, da temperatura.

Quanto utilizo um sombreamento maior que o tolerado para a espécie, ocorrem efeitos indesejáveis, como redução da produção, menor tamanho e número de folhas, estiolamento de plantas e, consequentemente, perda da qualidade do produto.

A luz é responsável pelos processos fotossintéticos das plantas e pela produção de biomassa, i.e., quanto maior concentração de luz em condições de temperatura ideal, maior taxa fotossintética, o que proporciona maior acúmulo de biomassa e maior produção.

O bloqueio de luz só é vantajoso quando eu consigo reduzir a temperatura sem reduzir a taxa fotossinteticamente ativa, com isso, não se recomenda percentagem de sombra acima de 50%.

Recomendações

O emprego de sombreamento em todas as épocas de cultivo numa região também deve ser avaliado, pois em períodos favoráveis à produção, como o inverno em regiões tropicais, i.e., épocas em que a temperatura está dentro da variação ótima para o cultivo de determinada espécie, é mais vantajoso não empregar telados.

Em períodos de chuva, quando ocorre limitação de luz por longos períodos em determinadas regiões, apesar do uso da tela poder contribuir para reduzir o impacto da gota nas plantas, e a intensidade luminosa em dias nublados, pode causar estiolamento em plantas. Consequentemente, se o produtor instalar um sistema de tela móvel é vantajoso, pois possibilita manejar a luz, ou seja, recolher a tela nos dias nublados e esticar a tela nos dias chuvosos e com alta intensidade luminosa.

Devemos lembrar que em períodos de chuva o encharcamento do solo e os processos de lixiviação são intensos. Com isso, a utilização de mulching plástico com a face branca aplicada para cima nos canteiros, associado à fertirrigação, também pode contribuir para viabilizar o sistema de cultivo.

Fase a fase

O emprego de telas na fase de produção de mudas também deve ser avaliado, pois podem causar estiolamento e reduzir a rusticidade da planta no campo, devendo verificar a percentagem de sombreamento necessário para a espécie e ainda optar por sistemas que possibilitem recolher as telas médias de temperatura mais amenas e de baixa intensidade luminosa.

Outro fator importante a se atentar é para a altura do telado, para que esta não limite o trânsito de pessoas e tratores na área de cultivo.

No caso de optar pela utilização de túneis baixos, estes devem estar em uma altura que permita a manipulação da cultura sem que o operador entre no ambiente, i.e., coberturas que isolem um canteiro, permitindo realizar os tratos culturais.

Esses sistemas têm a vantagem de possibilitar a rotação de cultura, pois são móveis e os produtores conseguem levar as estruturas de um talhão para outro.

A implantação e o manejo de telados

Independente dos inúmeros efeitos benéficos do uso de telas, é preciso ter cautela em relação à implantação do ambiente protegido e, principalmente, à escolha do material a ser utilizado. No mercado existem diversos tipos, que variam entre telas de sombreamento, termorrefletoras e termoconversoras, além de agrotêxteis, destinados à proteção das plantas contra insetos, que têm apresentado bons resultados tanto na produtividade quanto na proteção.

No entanto, é preciso conhecer os efeitos desejados, como atenuação de temperatura, diminuição do impacto das gotas de chuva, redução da disponibilidade energética, ou mesmo proteção contra insetos ou geadas.

As telas limitam a quantidade de luz que incide sobre as plantas e podem influenciar negativamente no crescimento e produção das folhosas, se forem usadas em períodos com baixa disponibilidade energética.

Opções

O tipo de ambiente protegido deve ser levado em consideração. O telado é um dos tipos mais utilizados, devido à rusticidade e eficiência. O custo é relativamente baixo, podendo ter a opção de recolhimento da tela em dia com pouca luminosidade.

Os túneis baixos apresentam grande vantagem, uma vez que são de fácil instalação e manutenção, além de serem de fácil desmontagem, o que facilita uma possível mudança de local. O custo para a implantação de túneis é baixo, quando comparado com os demais ambientes protegidos.

Desta forma, é importante esclarecer que existem inúmeras tecnologias no mercado, mas nem todas irão se adaptar à sua realidade de produção e seu local. O manejo do microclima ultrapassa simplesmente escolher as cores das telas. Além da escolha das telas, diversos outros fatores devem ser analisados na implantação, como o local, região, temperatura externa e cultura a ser produzida, que irão influenciar na escolha e no manejo das telas no cultivo protegido.

Dicas importantes

Mais do que optar por tecnologias, é necessário saber como manejá-la. Por exemplo, é necessário entender que em algumas épocas do ano ou mesmo do dia, as malhas não poderão ficar fixas e precisarão ser recolhidas para que uma maior radiação chegue até as plantas. Além disso, a estrutura física dos ambientes protegidos não pode ser pensada de forma igual para todas as regiões do País.

As telas mais comuns no mercado são as pretas, brancas, aluminizadas (termorrefletoras) e as coloridas (azul e vermelho), mas já existem telas amarelas, verdes, peroladas e também o uso de TNT, entre outras.

As telas de cor preta são usadas com o intuito de minimizar os problemas causados pela irradiância e temperatura elevada, condições características de regiões tropicais. Estas reduzem a incidência direta do sol nas espécies que necessitam de menor fluxo de energia radiante, consequentemente, reduzem a temperatura e a perda da umidade do solo.

A menor incidência de energia solar pode contribuir para diminuir os efeitos extremos da radiação, principalmente a fotorrespiração. A telas brancas são geralmente utilizadas para a proteção física, como coberturas, proteção contra insetos (o que reduz drasticamente o uso de pesticidas químicos) e possibilita a criação de um microclima com maior controle de fatores ambientais, como temperatura, luz e umidade relativa do ar, e apresentam bons resultados em regiões de baixa luminosidade.

Função de cada uma

As telas reflexivas têm, como o nome já diz, a função de reflexão e refração da luz, provendo luz difusa e reduzindo drasticamente a radiação ultravioleta, que é prejudicial às plantas, auxiliando assim no controle térmico e potencializando a fotossíntese.

Também é possível encontrar no mercado telas coloridas com efeito reflexivo, ou seja, a trama da malha é composta por faixas, tiras ou linhas de material reflexivo que acrescentam esse efeito à tela.

As telas vermelhas transferem mais a luz do espectro nas ondas vermelha e vermelha distante e difundem a luz que passa através da malha, sendo eficiente no desenvolvimento da planta. Já as azuis proporcionam luz do espectro que intensificam o fototropismo e a fotossíntese.

E além das cores, existe a quantidade de porcentagem que essas telas possibilitam de passagem de luz, que varia muito, desde 18 até 95%, em que, para o cultivo de folhosas as melhores porcentagens são de 30 a 50%.

Tramas

Atualmente, existem no mercado dois tipos de tramas agrícolas mais usadas nas hortaliças, que são as monofilamento e a raschel. O que muda nelas são o material de fabricação, para constituição dos fios, e a largura dos orifícios, pois as duas podem ter a mesma porcentagem de sombreamento.

A tela monofilamento também é conhecida por sombrite, e tem característica de ser mais retraída, mais pesada, com fios mais estreitos e cruzados, por isso se torna mais fechada. Já as telas raschel são feitas com fios mais largos e são menos cruzados, por isso se torna mais aberta. Ela tem a característica de ser mais leve e mais fácil de carregar.

Como escolher

O melhor material será sempre aquele que melhor se adequar às necessidades e realidade do produtor, quanto à eficiência e custo-benefício. Além disso, devido à durabilidade das telas, o investimento inicial é diluído no tempo de utilização, e devido aos ganhos de produtividade, além da diminuição na sazonalidade da produção, faz com que a técnica seja uma alternativa viável, tanto para grandes quanto para pequenos produtores.

O suporte de um técnico ou engenheiro agrônomo é necessário para uma avaliação ambiental e escolha do material que melhor se encaixe nas necessidades do produtor.

Além da escolha do material definindo a porcentagem de sombreamento, vem a dúvida de como implantar o sistema. A estrutura de telado, por não proporcionar muito peso sobre a estrutura, é simples, podendo-se utilizar materiais como aço galvanizado em estruturas mais sofisticadas.

Tecnologias envolvidas

O cultivo de hortaliças folhosas é intensivo e requer investimentos em tecnologia que viabilizem a entrega de alimentos durante o ano todo. Com isso, um sistema de produção ideal é aquele que seja planejado em ações que visem potencializar a produtividade e a qualidade dos produtos e reduzir os custos com mão de obra. O produtor atualizado deve conhecer a sua propriedade, os limites e desafios em cada época do ano em sua região, e com isso planejar.

Utilizar telados associados a sistemas de resfriamento por nebulização, ou “fogger”, contribui para a maximização da eficiência da redução de altas temperaturas e, consequentemente, para elevar a umidade relativa do ar, favorecendo o desempenho produtivo das plantas nos meses de seca.

A utilização deste sistema pode ser controlada por sensores de umidade e temperatura, os quais ligam o sistema de nebulização quando a temperatura ultrapassa valores estimados pelo produtor, como por exemplo acima de 30ºC ou umidade relativa do ar abaixo de 60%. Estes sistemas automatizados contribuem para reduzir erros no uso excessivo da umidade.

Temperatura sob controle

A cobertura de canteiros com palhadas é outra maneira de reduzir a temperatura do solo e melhorar o ambiente para o desenvolvimento da planta, seja aplicando resíduos, como casca de arroz ou serragem grossa, ou palhas de milheto produzidos no próprio ambiente, possibilitando a implantação de sistemas de plantio direto.

Estes sistemas de cultivo contribuem muito para o manejo de hortaliças folhosas em período de seca, pois, além de reduzir a temperatura do solo, mantêm a umidade e contribuem no manejo de plantas daninhas, entre outros benefícios.

O emprego de mulching plástico sobre o canteiro com a face branca para cima tem como objetivo isolar e reduzir o encharcamento do solo no período de chuva e é uma tecnologia que, junto com o telado, contribui para o aumento da produção, pois, se bem aplicado, proporciona um bom escoamento de água, ou seja, não deixa que a água da chuva empoce e cause danos às plantas.

Além disso, reduz a incidência de plantas daninhas, facilitando o manejo e diminuindo os custos com mão de obra, assim como a lixiviação de nutrientes do solo. Quando associado a sistemas de irrigação localizada (gotejamento) e adubação via fertirrigação, contribui para a eficiência do sistema.

Em períodos de alta precipitação, o uso de tela também pode ser associado ao cultivo protegido coberto com plástico, denominados “guarda chuvas”, aqueles ambientes cobertos com filme agrícola, porém, com as janelas laterais abertas, permitindo a ventilação e, consequentemente, a redução de bolsões de calor, como ocorre nas estufas.

As telas podem ser aplicadas acima do ambiente protegido, o que reduz a radiação que entra no sistema, contribuindo para a redução de temperaturas dentro do ambiente. Outro sistema bastante empregado, mas menos eficiente para a redução de temperatura dentro de ambientes cobertos com filme plástico, é a aplicação da tela na altura do pé-direito, que reduz parcialmente a temperatura dentro do sistema. A técnica não é tão eficiente como a anterior, mas é a mais comumente aplicada.

Investimento x retorno

Antes de analisar os custos de um telado, é necessário entender que o ponto primordial para ótimos resultados e benefícios do seu uso. Além do controle parcial das condições edafoclimáticas, permite a realização de cultivos em épocas que normalmente não seriam escolhidas para a produção ao ar livre, aumenta a produtividade, possibilita o controle do ambiente, reduz o consumo de água; controle do vento e radiação solar; além de oferecer melhor condição de trabalho para funcionários e possibilidade de produzir e comercializar produtos de melhor qualidade.

Então, em relação tanto ao custo quanto à rentabilidade, variam muito entre as espécies, regiões, climas e estação do ano, além das variações dos valores dos materiais utilizados na instalação dos telados.

Outro ponto importante, além das características de eficiência para o produtor, é o tempo de duração das telas, que pode variar de três a 10 anos, dependendo da qualidade do material, tipo de trama, manutenção, presença de ventos, animais, entre outros fatores. No mercado há uma grande variação de materiais disponíveis, como também de larguras, comprimentos e tamanho de rolos, adequando ao sistema escolhido pelo produtor, podendo dimensionar as estruturas de modo a suprir sua necessidade.