20.2 C
Uberlândia
terça-feira, julho 16, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosErvas daninhas no cultivo de pimentão: sério desafio

Ervas daninhas no cultivo de pimentão: sério desafio

Foto: Shutterstock

Walleska Silva Torsian
Engenheira agrônoma e doutoranda em Fitotecnia – ESALQ/USP
walleskatorsian@usp.br
Paula Rocha Guimarães Canuto
Engenheira agrônoma e consultora técnica em frutas tropicais
paula.rocha.guimaraes@gmail.com

O pimentão (Capsicum annuum L.) pertence à família Solanaceae e está entre as 10 hortaliças mais consumidas no mercado brasileiro e mundial, sendo de grande importância econômica.

Seu cultivo pode ser, na maioria das vezes, em área aberta ou, também, em áreas protegidas. A cultura do pimentão, como qualquer outra, requer cuidados para garantir uma produção de qualidade.

A competição proporcionada pelas plantas daninhas limita a produtividade do pimentão, pois as plantas daninhas estão competindo por água, luz, nutrientes e oxigênio, prejudicando o rendimento da cultura de pimentão.

Em destaque

As principais espécies de ervas daninhas que representam desafios no cultivo de pimentão são: capim-colchão (Digitaria spp.), trapoeraba (Commelina benghalensis), picão-preto (Bidens pilosa) e caruru (Amaranthus spp.).

As ervas daninhas impactam o desenvolvimento e a produtividade das plantas de pimentão, pois competem por nutrientes como nitrogênio, fósforo e potássio, reduzindo a disponibilidade dos mesmos para o pimentão, resultando em deficiências nutricionais, diminuição do crescimento e, consequentemente, afetando a produtividade e a qualidade.

Também ocorre a competição por água, principalmente no período de seca, causando estresse hídrico para as plantas de pimentão, ocasionando a redução da taxa de crescimento e diminuição da produção dos frutos.

É importante destacar que o sombreamento das plantas de pimentão, causado pelo crescimento desordenado das ervas daninhas, resulta na redução da quantidade de luz que as plantas recebem, prejudicando a fotossíntese e afetando a formação dos frutos.

Um problema para o pimentão

Algumas ervas daninhas rasteiras ou trepadeiras, como exemplo a trapoeraba, possuem a capacidade de envolver as plantas de pimentão, prejudicando sua estrutura física, ocasionando danos nas folhas e no caule, comprometendo a produtividade.

Existem ervas daninhas que atuam como hospedeiras de pragas e doenças que afetam as plantas de pimentão. Os produtores devem ter controle sobre as ervas daninhas para não deixar que sejam porta de entrada para a disseminação de patógenos e pragas.

O arranjo e a quantidade de plantas por área são elementos cruciais na dinâmica competitiva, pois afetam o tempo de crescimento e a quantidade de sombra produzida pelo cultivo.

Uma maior densidade de plantio pode dificultar o crescimento das ervas daninhas, já que estas precisam competir de forma mais acirrada com a cultura pelos recursos necessários à produção.

Controle

As estratégias tradicionais de controle de ervas daninhas utilizadas pelos agricultores no cultivo de pimentão são:

Capina manual: estratégia mais comum no controle de qualquer erva daninha. A remoção ocorre de forma manual das ervas daninhas que estão dispostas próximas às plantas de pimentão, usando enxadas. Mesmo necessitando de mão-de-obra frequentemente, a capina ainda continua sendo o controle mais eficaz;

Foto: Shutterstock

Mulching: o uso de coberturas plásticas ou vegetal ajuda a inibir o crescimento das ervas daninhas, impedindo que recebam luz solar diretamente que influenciam no crescimento.  Como benefício também, o mulching ajuda a reter a umidade do solo e controla a temperatura, beneficiando as plantas de pimentão;

Rotação de culturas: é importante realizar a rotação com outras culturas, que não sejam da mesma família do pimentão, para ajudar a “quebrar” o ciclo de vida das ervas daninhas;

Controle mecânico: o uso de implementos agrícolas, como os arados e as grades, controla as ervas daninhas. Ao utilizá-los durante o manejo do solo, eles desempenham um papel de cortar as raízes das ervas e expor à dessecação, diminuindo a população no campo cultivado;

Uso de herbicidas seletivos: desde que tenha indicação de um profissional da área, o agricultor pode e deve utilizar herbicidas seletivos que possuem formulação própria para eliminar as ervas daninhas, sem afetar as plantas de pimentão. Importante destacar que o agricultor deve ter cuidado no momento da aplicação e pós-aplicação, como por exemplo, descartar corretamente a embalagem para evitar impactos ambientais.

Ingredientes ativos

Atualmente, adota-se o controle químico devido à praticidade e à eficiência, porém, vale destacar que até o momento não existem herbicidas registrados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) para a cultura do pimentão, com exceção do único herbicida registrado pelo MAPA, o ingrediente ativo Cletodin.

Porém, os impactos ambientais causados por esses herbicidas incluem a contaminação da água e a degradação do solo. Logo, é essencial que os produtores usem os produtos com cautela, seguindo as recomendações de aplicação de profissionais habilitados, como os engenheiros agrônomos.

O manejo integrado de ervas daninhas visa a integração e a utilização de vários métodos de controle, sejam eles preventivos, culturais, mecânicos ou químicos. Os principais benefícios econômicos e ambientais ao adotar estratégias de manejo integrado de ervas daninhas no cultivo de pimentão são:

Redução de custos: realizando o controle eficaz das ervas daninhas, pode-se reduzir a aplicação de herbicidas e, consequentemente, diminuir os custos de insumos utilizados;

Aumento de produtividade: ao controlar as ervas daninhas, as mesmas não irão competir por água, luz e nutrientes, e com isso as plantas de pimentão terão mais espaço e recursos disponíveis, garantindo os rendimentos da cultura.

Foto: Shutterstock

Sustentabilidade

Ao falar sobre os benefícios ambientais utilizando o manejo integrado, podemos destacar: a conservação do solo, utilizando coberturas no solo para reduzir a erosão e prejudicar o crescimento das ervas daninhas e a menor contaminação ambiental, devido à redução do uso de herbicidas.

O manejo integrado tem a capacidade de oferecer vários benefícios para reduzir os custos de produção, aumentar a produtividade do pimentão e, ao mesmo tempo, impedir o desenvolvimento das ervas daninhas.

Como conclusão, o manejo integrado de ervas daninhas é essencial para garantir a alta produtividade na cultura do pimentão, minimizando o impacto ambiental e, consequentemente, promovendo a sustentabilidade.

ARTIGOS RELACIONADOS

Hazera – Foco na saúde alimentar e desenvolvimento social

  A Hazera teve uma concentração de visitas muito grande durante a Hortitec, com um público bastante seleto e profissionais realmente interessadosno negócio. Este foi...

Controle de ervas daninhas

As ervas daninhas causam prejuízos aos agricultores e seu controle deve ser logo após o aparecimento..

Ácido húmico e fúlvico presente nos fertilizantes organominerais atua no metabolismo da planta

A busca por novas tecnologias que contribuam para o alcance de maiores produtividades de forma equilibrada e sustentável é constante na agricultura atual. Neste contexto, o uso das substâncias húmicas, presentes nos fertilizantes organominerais, tem crescido em sistemas de produção agrícolas, com excelentes resultados para inúmeras culturas.

Algas estimulam o pegamento de frutos no pimentão

As algas são poderosas aliadas no estímulo do pegamento de frutos no pimentão, garantindo uma colheita abundante e de alta qualidade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!