30.2 C
Uberlândia
domingo, fevereiro 25, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosGrãosEscolha: Semente ideal para milho safrinha

Escolha: Semente ideal para milho safrinha

Igor Botega Junqueiraigorbotega@gmail.com

Anna Carolina Abreu Francisco e Silva annacabreufs@gmail.com 

Graduandos em Agronomia – Universidade Federal de Lavras (UFLA)

Letícia Silva Pereira Basílio Doutoranda em Agronomia/Horticultura – UNESP leticia.ufla@hotmail.com

Milho – Fotos: Shutterstock

O milho safrinha, ou de segunda safra, é semeado entre os meses de janeiro a abril, normalmente após a colheita de soja, sendo cultivado nos Estados do Paraná, São Paulo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais. O milho safrinha, geralmente, não é irrigado, sendo conhecido também como cultivo de sequeiro.

No Brasil, na safra de 2020, de acordo com o IBGE, a partir do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola – LSPA, foram destinadas para o cultivo de milho na segunda safra uma área total de 13.238.627 hectares, produzindo 74.374.796 toneladas e com rendimento médio de 5.625 kg de milho por hectare.

No mercado é encontrada uma gama de opções de cultivares de milho disponíveis para o cultivo, entre materiais convencionais, transgênicos e híbridos. No momento da escolha da semente de milho que será utilizada na safrinha, é de extrema importância que o produtor leve em consideração as características que atendam seu objetivo e as características da cultivar de interesse dentro do seu sistema de plantio, como o ciclo, potencial produtivo, resistência a pragas e doenças, resistência a herbicidas, adaptação à região onde será realizado o cultivo, tolerância ao acamamento, sincronismo de florescimento e a qualidade dos grãos produzidos.

Pode-se destacar o potencial produtivo como o fator que caracteriza a adaptação de uma determinada cultivar ao plantio da safrinha. Entre as sementes utilizadas para primeira safra e para a safrinha não são encontradas características específicas que justificam o uso de determinada cultivar para cada plantio.

As cultivares para o cultivo em safrinha também são utilizadas na primeira safra, porém, nem todos os materiais presentes no mercado apresentam adaptação ao cultivo sem irrigação.

Pesquisa

[rml_read_more]

Além de apoiarem a produção da segunda safra, os programas de pesquisa dos setores público e privado também são os responsáveis pelo desenvolvimento de novas cultivares e, aliado aos avanços constantes no melhoramento genético, são esperados novos híbridos que apresentem maior resistência a condições adversas, como déficit hídrico, variações de temperatura, ocorrência de ventos e geadas, sendo estas características desejáveis para as cultivares utilizadas no cultivo na safrinha.

A resistência a doenças e pragas regionais é um fator que também deve ser levado em consideração no momento da escolha da semente, uma vez que a ocorrência de doenças na lavoura afeta diretamente a produção, além de acarretar perdas econômicas.

Decisão de impacto

Para a escolha da semente ideal para o cultivo do milho safrinha, a melhor opção deve estar aliada ao bom desempenho agronômico, atender as características desejáveis e a relação custo-benefício.

Contudo, além de apoiarem a produção da segunda safra, os programas de pesquisa dos setores público e privado também desenvolvem cultivares. Entretanto, é importante seguir as recomendações de manejo da cultura, uma vez que há riscos em função da época de plantio, variando de acordo com a região.

As recomendações também se baseiam de local para local quando o quesito é o monitoramento de pragas, doenças e plantas daninhas e no ajuste de adubação e da densidade de plantio do milho, levando em consideração a grande probabilidade de ocorrência de déficit hídrico. Tudo isso somado possibilita ao produtor escolher as cultivares mais aptas, indicar épocas limites para o plantio e definir a densidade mais adequada para os melhores materiais disponíveis.

É necessário que sejam seguidas as recomendações de manejo da cultura, visto a existência de riscos em função da época de realização do plantio, os quais variam de acordo com a região.

Tais recomendações são baseadas na variação de um local para outro para o monitoramento de pragas e doenças, controle de plantas daninhas, ajuste de adubação e da densidade de plantio do milho, levando ainda em consideração a grande probabilidade de ocorrência de déficit hídrico.

Com base em todas estas informações, possibilita ao produtor escolher a cultivar mais apta e que atenda seus objetivos, indicar a época limite para que ocorra o plantio e definir a densidade mais adequada.

Recomendações

Para se implantar uma lavoura safrinha, há alguns passos que devem ser considerados levando em conta sua importância. Em primeiro lugar podemos citar a análise de solo, que deve sempre ser feita com o objetivo de corrigir a deficiência de nutrientes do solo, uma vez que o milho safrinha também demanda uma necessidade nutricional alta, e se porventura for necessário, realizar também a calagem.

Após realizado esse processo, faz-se importante o preparo do solo (quando o sistema adotado for o convencional) e a adubação de plantio (em sistema de plantio direto, o plantio e adubação são realizados logo após a colheita da soja).

Recomenda-se que o milho segunda safra seja plantado em solos com boa fertilidade e com níveis de nutrientes adequados, e que se realize o tratamento de sementes com o objetivo de evitar danos de pragas e doenças à cultura.

Para o controle de plantas daninhas, recomenda-se a utilização de herbicidas até o estádio V4 da cultura, período em que ocorre a competição desfavorável entre planta invasora e planta de milho, afetando diretamente a produtividade. Entre os herbicidas mais utilizados para o controle,  podemos citar a antrazina, para o controle de plantas daninhas de folhas largas, e o glifosato, utilizado para o milho RR (resistente a roundup).

Entretanto, com o objetivo de evitar o surgimento de plantas resistentes, é de suma importância evitar o uso de doses acima do recomendado no momento da aplicação e sempre que possível, rotacionar diferentes herbicidas, seguindo sempre as recomendações agronômicas.

Detalhes cruciais

Seguindo os passos, realizar a adubação de cobertura é de suma importância, principalmente se realizada nos estádios corretos, entre V6 e V8, momento em que a demanda da planta por nitrogênio é alta devido ao crescimento vegetativo.

Se possível, parcelar as adubações entre plantio e de cobertura, uma vez que a eficiência de absorção pode ser prejudicada, se feita somente em uma dessas vias. Para os micronutrientes, a recomendação de adubação é que seja feita via solo e/ou foliar do nutriente que está em deficiência.

Já o monitoramento de pragas e doenças deve ser realizado durante todo o ciclo da cultura, ou seja, do plantio à colheita. A safrinha leva ligeira vantagem nesse quesito em relação à primeira safra, uma vez que a pressão de pragas é menor devido à diminuição da temperatura e umidade, que são condições favoráveis ao desenvolvimento dos insetos, e consequentemente é realizado um menor controle.

Por fim, é realizada a colheita, geralmente no estádio de R6, dependendo da finalidade do milho, se é para grãos, ensilagem ou cobertura.

Não se engane

Um dos erros mais cometidos pelos produtores é não saber o posicionamento correto da época de plantio. Para isso existe o Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc), que estabelece o período de menor risco para o plantio das culturas por meio de séries históricas e, quando não utilizado, consequentemente implica probabilidades maiores de prejuízos na safrinha para os agricultores.

Outro quesito importante é a utilização de cultivares adaptadas à região, que quando não posicionadas de forma correta acarretarão prejuízos ao produtor.

A densidade populacional e a distribuição das plantas no campo (plantabilidade) também devem ser consideradas pelo produtor, que muitas vezes posiciona de forma errônea as sementes, o que poderá acarretar até 50% de prejuízos futuros. Para evitar esse erro, é importante realizar os cálculos de estande corretamente, levando em conta todas as variáveis do plantio e, para isso, consultar um profissional agronômico.

Atentar-se à adubação também é outro fator que muitas vezes passa despercebido pelos produtores. Fazer uma correta adubação permite que a planta desenvolva todo seu potencial produtivo, levando assim a um melhor aproveitamento do potencial genético inserido nessa planta.

Outro erro comumente realizado pelos produtores é a ineficiência do controle de pragas e doenças, que pode levar a perdas de até 90% das lavouras. Para isso não ocorrer, o produtor deve fazer uso de cultivares que apresentam resistência a determinados insetos-pragas concomitantes com o uso de defensivos químicos, quando detectados os níveis de dano econômico.

Aplicar defensivos sempre analisando o potencial de danos e a quantidade de produto na dose correta, respeitando o receituário agronômico e, consequentemente, o meio ambiente, e sempre que possível, atentar-se para a utilização de controle biológico.

Viabilidade e custos envolvidos

De acordo com a pesquisa realizada pelo analista Alceu Richetti, da Embrapa Agropecuária Oeste, foi analisada a viabilidade econômica da cultura do milho safrinha para o ano de 2020 no Estado do Mato Grosso do Sul.

Foram utilizados para avaliar a viabilidade da cultura e estimar os custos de produção, os preços dos fatores de produção e dos produtos levantados em novembro do ano de 2019. Os valores de produção são referentes ao uso de milho convencional, milho Bt e milho Bt + RR, em que a produtividade média estimada foi de 5.400 kg por hectare para o milho Bt e Bt + RR e de 4.800 kg por hectares para o milho convencional.

Os insumos necessários para o cultivo do milho, as sementes e fertilizantes, são os que representam a maior parte do custo total de produção, correspondendo, em média, a 15,31% e 91%, respectivamente, 11,43% representam as operações agrícolas, envolvendo a manutenção de máquinas e implementos, combustível e mão de obra e 17,06% representam os custos administrativos, como despesas com a gestão da propriedade e custos de comercialização da produção.

Sendo assim, o custo total que era esperado para a safrinha de 2020 ficaria em torno de R$ 2.256,31 por hectare utilizando o milho Bt, R$ 2.329,58 utilizando o milho Bt + RR e R$ 2.140,65 utilizando o milho convencional, podendo variar os custos de acordo com o maior ou menor uso de maquinários na lavoura, principalmente na realização de aplicações de defensivos agrícolas.

Por fim, para obter os resultados desejados, o produtor deve, antes de tudo, realizar o planejamento de forma detalhada de toda sua produção agrícola e buscar resultados a longo prazo, desde que seja viável economicamente.

ARTIGOS RELACIONADOS

Silício no controle da cigarrinha-do-milho

A época correta de aplicação é na fase inicial do crescimento da cultura, antes da infestação da cigarrinha.

Campo Limpo e FMC desenvolvem tampa inovadora

A Campo Limpo Tampas e Resinas Plásticas desenvolveu, em parceria com a FMC - empresa de ciências para agricultura com foco em proteção de cultivos -, uma tampa inovadora para embalagens de agroquímicos.

Cotton Wrap: nova opção no mercado

Neste momento de colheita, aparece a mais recente opção no mercado que é o Cotton Wrap.

Inseticida biológico tem eficiência de até 85% no controle da cigarrinha-do-milho

As condições climáticas e o histórico em temporadas anteriores indicam que a incidência da cigarrinha-do-milho deve ser alta no milho segunda safra 2020/21, que deve começar...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!