19.6 C
Uberlândia
sexta-feira, julho 12, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosEspaçamento de cafezais evolui a passos largos

Espaçamento de cafezais evolui a passos largos

 

José Braz Matiello

Engenheiro agrônomo da Fundação Procafé

jb.matiello@gmail.com

 

Atualmente, é quase inconcebível plantar menos de 5.000 plantas de café por hectare. Mas, para se chegar a esse ponto custou muito. Foram 40 a 50 anos de evolução.

Antes da década de 1970 as maiores áreas de cafezais, concentradas nos estados do Paraná e São Paulo, utilizavam espaçamento do tipo quadrado, na base de 3-4 x 3-4m, com plantio de 3-4 mudas por cova. Nessa época, a manutenção de muita área de terreno livre tinha a ver com o uso de cultivos intercalares. Nesses espaçamentos se usavam menos de 800 covas por hectare.

Com o plano de renovação de cafezais, a partir de 1970, com a ocorrência da ferrugem, os espaçamentos que passaram a ser indicados, à época, procuravam ser no formato mais retangular, mantendo a rua aberta, para facilitar a operação do maquinário de controle da doença e fechando um pouco na linha, ficando, os espaçamentos mais comuns, na base de 4 x 1,5-2,5m, ainda, na maioria, com duas mudas por cova. O mais comum eram 1.600 pl/ha.

A partir da década de 1980 muitos ensaios de espaçamentos foram conduzidos e resultaram na redução do espaçamento entre plantas para 1m e uma só muda por cova, tendo sido observado, na época, que duas mudas (plantas) espaçadas de 1m produziam cerca de 30% mais do que as duas juntas nas covas a cada 2m. Isto resultou num estande básico de cerca de 2.500 pl/ha.

Evolução

A evolução nas décadas de 1990 a 2000 mostrou que ainda se poderia reduzir mais a distância entre plantas na linha, para 0,5 a 0,7 m, com aumentos significativos de produtividade, especialmente nas safras iniciais. Também, nessa época, foram demonstrados muito produtivos espaçamentos adensados, com 1,7 – 2,0 x 0,5m, muito importante para zonas montanhosas.

Assim, chegou-se, até recentemente, a dois sistemas básicos de espaçamentos mais usados na nossa atual cafeicultura, sendo o primeiro em renque aberto, com 3,5 – 4,0m x 0,5m e o renque fechado ou plantio adensado, com 1,75 – 2,0 m x 0,5m.

O primeiro para zonas de mecanização plena e o segundo para áreas sem mecanização, sendo que o adensamento, sendo submúltiplo do renque aberto, pode ser transformado naquele, pela eliminação de uma linha a cada duas. Estes dois sistemas compreendem estandes de 5.000 a 10.000 pl/ha.

Terceira técnica

Como toda tecnologia cafeeira, nos últimos anos, a questão do espaçamento ainda vem evoluindo, com ajustes nestes dois sistemas básicos, partindo-se para um sistema intermediário, que resulta em um maior estande de plantas por hectare e, mesmo assim, permita um bom manejo e facilidade nos tratos e na colheita.

Deste modo, surgiu uma terceira via, que é o plantio semiadensado, com espaçamentos na faixa de 2,5 – 3,2 x 0,5m, combinado com o uso mais frequente de podas, principalmente do tipo esqueletamento. Este sistema compreende estande variável de 6.300 a 8.000 pl/ha.

Sabe-se que no café, como na maioria das outras culturas, a produtividade, dentro de certos limites, guarda relação com o número de plantas por hectare. Além disso, plantas mais próximas produzem menos e se estressam menos com a carga, podendo se recuperar melhor para a safra seguinte, resultando em maiores produtividades por área.

Qual o melhor?

 

Na tabela 1 pode-se ver que, em três períodos distintos de evolução nos espaçamentos, os trabalhos experimentais mostram, com clareza, a importância do estande de plantas por área sobre a produtividade.

Pode-se ver que a evolução no espaçamento dos cafezais mudou até a forma de se falar da lavoura. No passado, até a década de 1990, os técnicos e os produtores se referiam à sua lavoura, sua área e produtividade, em covas de café e produção por mil plantas. De lá para cá, todos os quantitativos, índices e recomendações fazem menção somente por área de café.

 

Tabela 1- Efeito do espaçamento (número de plantas/área) sobre a produtividade dos cafeeiros em três ensaios, em três épocas de evolução.

Locais e espaçamentos

Número de pl/ha/covas

Produtividade (sc/ha)

1 ” Ensaio ” Pindorama (SP) – (média 21 safras/1938-1959)

  Espaçamento 4 x 4m

625

8,7

  Espaçamento 3,5 x 2,5m

1142

13,4

  Espaçamento 3,5 x 1,7m

1680

17,5

2 ” Ensaio Varginha (MG) – (média de sete safras/1978-1985)

  Espaçamento 5 x 2,0m

1000

13,5

  Espaçamento 3,8 x 2,0m

1315

19,6

  Espaçamento 3,8 x 1m

2630

23, 7

  Espaçamento 1,5 x 1m

6666

40,1

3 – Ensaio Martins Soares (MG) – (média de 11 safras/1996-2006)

Espaçamento 4 x 0,5m

5000

42,7

Espaçamento 2 x 0,5m

10.000

56,0

Espaçamento 1 x 0,5m

20.000

78,0

 

Essa matéria você encontra na edição de junho da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira a sua.

ARTIGOS RELACIONADOS

Aegro recebe aporte de 2,5 milhões da SP Ventures e a ABSeed

A Aegro Informática Ltda., startup que possui uma plataforma focada na gestão e na otimização de produção agrícola através de um software que permite...

Ibrafe realiza V Fórum do Feijão, Pulses & Colheitas Especiais

Maior evento relacionado ao cultivo de Feijão do Brasil reúne representantes de toda a cadeia produtiva Após o sucesso de público e de repercussão do...

Quais os erros que podem acontecer na adubação do cafeeiro?

Autor Givago Coutinho Doutor em Fruticultura e professor efetivo do Centro Universitário de Goiatuba (UniCerrado) givago_agro@hotmail.com Um dos principais erros cometidos por produtores...

Gotejo enterrado – Nova técnica traz mais segurança aos tomaticultores

  Mais produtividade e qualidade das plantas estão entre as vantagens do gotejo enterrado   Existem inúmeras influências externas na agricultura, como mercado, volatilização de preços e...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!