27.9 C
Uberlândia
quarta-feira, fevereiro 28, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosHortifrútiEstimativa da safra de laranja 2019/20

Estimativa da safra de laranja 2019/20

Fotos: Shutterstock

A estimativa da safra de laranja 2019/20 do cinturão citrícola de São Paulo e Triângulo/Sudoeste Mineiro, publicada em 10 de maio de 2019 pelo Fundecitrus com cooperação da Markestrat, FEA-RP/USP e FCAV/Unesp, é de 388,89 milhões de caixas (40,8 kg). A produção total de laranjas inclui:

• 76,97 milhões de caixas das variedades Hamlin, Westin e Rubi;

• 19,75 milhões de caixas das variedades Valência Americana, Seleta e Pineapple;

• 116,20 milhões de caixas da variedade Pera Rio;

• 128,30 milhões de caixas das variedades Valência e Valência Folha Murcha;

• 47,67 milhões de caixas da variedade Natal.

Desse total, 27,21 milhões de caixas deverão ser produzidas no Triângulo Mineiro.

O volume projetado é 36% acima da safra anterior, de 285,98 milhões de caixas, e 21% superior em relação à média dos últimos dez anos. A recuperação da produtividade dos pomares foi desencadeada, principalmente, pelo clima favorável para a floração e pegamento dos frutos, ao contrário do observado na safra passada.

A produtividade média por hectare, nesta temporada, é estimada em 1.051 caixas por hectare e 2,24 caixas por árvore, o que representa um aumento em comparação às 756 caixas por hectare e 1,63 caixa por árvore colhida na safra 2018/19.

Entre os setores do cinturão citrícola, o Sudoeste apresenta a maior produtividade, com 1.227 caixas por hectare e 2,42 caixas por árvore, mantendo sua posição com índices acima da média e menor amplitude entre safras, exatos 2,7% no comparativo com o ciclo anterior. Os maiores incrementos da produtividade são observados nos setores Noroeste e Norte com 128% e 78% respectivamente. O Centro apresenta crescimento de 47% e o Sul, 22%.

Árvores produtivas

O total de árvores produtivas é de 173,973 milhões, uma diminuição de 0,74% sobre o inventário anterior. Essa redução decorre da maior proporção da área erradicada em relação à de pomares implementados em 2016 que entram em produção nesta temporada. As variedades contempladas nesta estimativa somam 97% das árvores e também 97% da área de pomares de laranja do cinturão citrícola.

Frutos por árvore

O número médio de frutos por árvore em abril de 2019, sem considerar a queda que ocorrerá ao longo da safra, é mensurado em 783. Nesta temporada foi observada uma alta intensidade de floração nos pomares condicionada pela baixa produção da safra anterior, que provocou um incremento das reservas nutricionais das plantas, e pelo estresse hídrico de longa duração a que as árvores ficaram submetidas na fase de indução floral.

A precipitação média no cinturão citrícola, nos meses de abril a julho de 2018, totalizou apenas 69 milímetros, praticamente um terço da chuva que normalmente ocorre neste período (1981-2010). Após a estiagem prolongada, o florescimento nos pomares de sequeiro se deu com o reestabelecimento das chuvas que ocorreram no início de agosto no Centro, Sul e Sudoeste e, em meados de setembro, no Norte e Noroeste.

Nessas regiões onde as chuvas ocorreram somente em setembro está a maior concentração da área irrigada do cinturão citrícola, com exceção da região de Altinópolis, localizada no Norte. Para promover a antecipação do florescimento, a irrigação foi iniciada, principalmente, em julho de 2018.

No período pós-florescimento, as temperaturas foram amenas e mesmo em alguns municípios onde as máximas atingiram valores superiores a 35ºC, foram poucos dias consecutivos nesta faixa de temperatura. Além das temperaturas mais amenas, as chuvas da primavera e verão mantiveram a disponibilidade hídrica, favorecendo o bom pegamento de flores e fixação de frutos jovens, o que culminou em uma maior homogeneização da produção.

A primeira florada, que ocorreu de julho a setembro de 2018, concentra 84,1% do total. A segunda florada, originada em outubro e novembro de 2018, é estimada em 10,2%. Somadas, essas floradas correspondem a 94,3% da produção e deverão ser colhidas ao mesmo tempo. A terceira florada, que aconteceu em dezembro de 2018 e janeiro de 2019, corresponde a 3,2% e a quarta florada, que se deu a partir de fevereiro de 2019, 2,5%.

Para o cálculo da estimativa, foram considerados integralmente os frutos de primeira, segunda e terceira floradas. Para os frutos da quarta foi aplicada uma taxa de pegamento de 33%. Na separação dos frutos por florada foram também identificados frutos temporões, resultantes de flores tardias e esporádicas da safra anterior, que não foram contabilizados na estimativa da safra atual.

Frutos por caixa

A projeção do tamanho final dos frutos é de 260 frutos por caixa de 40,8 kg, sendo 296 frutos por caixa para o grupo das variedades precoces Hamlin, Westin e Rubi; 270 frutos por caixa para o grupo das outras variedades precoces, 266 frutos por caixa para variedade de meia-estação Pera Rio; e 235 frutos por caixa para as variedades tardias Valência e Valência Folha Murcha, 242 frutos por caixa para variedade tardia Natal.

O tamanho médio de 260 frutos por caixa equivale a laranjas com peso de 157 gramas na colheita. O número elevado de frutos por árvore é um dos fatores que deverão limitar o desenvolvimento dos frutos nesta temporada devido à maior competição entre eles pelas reservas da planta, pois o número de frutos e o tamanho na colheita são inversamente proporcionais.

O tamanho final dos frutos foi projetado por meio de um modelo de regressão, que considerou como variável dependente o tamanho final dos frutos (frutos por caixa na colheita) e como variáveis independentes o número de frutos por árvore apurados na derriça, o tamanho inicial dos frutos (frutos por caixa na derriça), as proporções somadas das produções de primeira e segunda floradas em relação ao total e a precipitação acumulada de maio a julho.

Dados das 11 últimas safras, 2008/09 a 2018/19, foram utilizados na regressão. O resultado obtido mostra um R2 ajustado de 0,92. Isso significa que as quatros variáveis independentes juntas explicam 92% da variação do tamanho final do fruto (frutos por caixa na colheita), num coeficiente que pode variar de 0 a 100%, o que demonstra a importância dessas variáveis para o tamanho final dos frutos.

Os dados sobre tamanho final dos frutos (frutos por caixa na colheita), o número de frutos por árvore apurados na derriça, o tamanho inicial dos frutos (frutos por caixa na derriça) e as proporções somadas das produções de primeira e segunda floradas em relação ao total relativos à série de 2008/09 a 2014/15 foram fornecidos pelas empresas de suco de laranja associadas ao Fundecitrus – Citrosuco, Cutrale e Louis Dreyfus, as quais, de forma isolada, fizeram estimativas de produção do parque citrícola desde 1988 com aplicação de metodologia objetiva.

O fornecimento foi feito, individualmente e sob contrato formal de confidencialidade, à empresa de consultoria independente para apuração da média, permanecendo confidenciais os dados individuais fornecidos por cada empresa. Os dados relativos às safras 2015/16 a 2018/19 são provenientes dos resultados das estimativas realizadas pelo Fundecitrus. Os dados de precipitação acumulada de maio a julho foram informados pela Somar Meteorologia.

Para a projeção do tamanho final dos frutos desta safra foram aplicados, no modelo, os dados provenientes da derriça de 2019 e a precipitação prevista de maio a julho de 2019 em volume equivalente à média climatológica (1981 – 2010), calculada com dados obtidos em consulta ao site da Climatempo.

O tamanho final dos frutos projetado pela regressão é de 263 para a safra 2018/19. Esse tamanho foi corrigido pela regressão que utilizou como variável dependente o tamanho observado e como variável independente o tamanho projetado. O tamanho projetado a partir dessa outra regressão é de 260 frutos por caixa para a safra 2019/20.

ARTIGOS RELACIONADOS

Telados – Economia no custo final de produção

Intempéries climáticas podem prejudicar tanto a qualidade quanto o rendimento da produção de hortaliças, reduzindo drasticamente a rentabilidade do negócio para o produtor. Para fazer frente a esses riscos, o cultivo em ambiente protegido, também denominado plasticultura, tem demonstrado ser uma alternativa bastante promissora.

É tempo de irrigar com consciência

Fenicafé 2018 chama a atenção para o uso consciente da água A Fenicafé " Feira Nacional de Irrigação em Cafeicultura, tradicional evento da cafeicultura e...

Brássicas: Manejo de doenças é urgente

Autores Carlos Antônio dos Santos Engenheiro agrônomo e doutorando em Fitotecnia – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) carlosantoniods@ufrrj.br Margarida Goréte Ferreira...

Chuvas afetam plantações de cana-de-açúcar no interior do estado de São Paulo

Segundo especialista, a produção teve queda de aproximadamente 15% em relação ao ano anterior As lavouras de cana-de-açúcar de algumas cidades do interior de São...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!