28 C
Uberlândia
terça-feira, junho 25, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosEstresses abióticos - O que fazer para não ter prejuízos

Estresses abióticos – O que fazer para não ter prejuízos

Douglas José Marques

Professor de Olericultura e Melhoramento Vegetal da Universidade José do Rosário Vellano (Unifenas)

douglas.marques@unifenas.br

Hudson Carvalho Bianchini

Professor de Fertilidade do Solo da Unifenas

Fotos Shutterstock
Fotos Shutterstock

Danos causados por estresses abióticos são, normalmente, ocasionados por seca, salinidade, elementos tóxicos (como metais pesados) e reduzem a produtividade das culturas. Os estresses abióticos ocorrem, com maior intensidade, em praticamente todas as áreas agrícolas do Brasil, sendo que, em algumas áreas, os estresses por seca e calor podem não estar presentes em determinado ano, mas em anos subsequentes. As regiões de clima tropical têm sido bastante afetadas pelas mudanças climáticas, o que intensifica o estresse abiótico das plantas cultivadas nestas regiões.

As mudanças climáticas estão interagindo com a agricultura em duas frentes principais: a demanda crescente por alimentos e o cenário de aquecimento global e alteração dos padrões de precipitação pluviométrica.

Muitas tecnologias de manejo têm sido desenvolvidas para atenuar os estresses, principalmente o estresse hídrico. No Brasil, por exemplo, nas últimas décadas intensificou-se o plantio direto, que favorece a retenção de água no solo, ajuda na formação de agregados e diminui a erosão.

Atualmente, as empresas de fertilizantes têm criado produtos para reduzir os efeitos adversos dos estresses nas plantas, como por exemplo, fosfitos, produtos à base de silício e extrato de algas marinhas.

Os fosfitos

O silício reduz brusone na lavoura de arroz - Fotos Shutterstock
O silício reduz brusone na lavoura de arroz – Fotos Shutterstock

O fosfito é rapidamente absorvido pelas raízes, folhas e caule, sendo assimilado na sua totalidade, o que não acontece com os fosfatos. Para ser absorvido, ele exige menos energia da planta, favorecendo a absorção de cálcio, boro, zinco, molibdênio, potássio e outros elementos. Sua ação na planta é sistêmica, sendo translocado pelo xilema e pelo floema.

Dependendo da cultura, a translocação das folhas para as raízes pode ocorrer num prazo de até 24 horas, permanecendo ativo por até 160 dias, já que os fosfitos não são metabolizados pelas plantas.

A utilização do fosfito também amplia a chance de recuperação da lavoura quando algum tipo de estresse abiótico está afetando o desenvolvimento. Além disso, ele proporciona vários efeitos positivos às culturas:

â–º Aumenta o teor de clorofila na planta;

â–º Estimula a fotossíntese;

â–º Favorece o desenvolvimento radicular.

O silício

As algas estimulam as respostas das plantas às doenças e estresses - Fotos Shutterstock
As algas estimulam as respostas das plantas às doenças e estresses – Fotos Shutterstock

Apesar de o silício ser um dos elementos químicos mais abundantes na crosta terrestre, os teores solúveis e disponíveis no solo são baixos. Por isso, a aplicação de produtos à base de Si ameniza os efeitos de estresses de natureza abiótica e biótica, como o aumento da resistência das plantas a pragas e doenças.

O Si é depositado, com maior frequência, nas regiões da epiderme foliar junto às células-guarda dos estômatos e outras células epidérmicas. O acúmulo de sílica nos órgãos de transpiração leva à formação de uma dupla camada de sílica, logo abaixo da epiderme, agindo como barreira mecânica contra a invasão de fungos e insetos.

Na redução dos efeitos de estresse abiótico, os mecanismos envolvidos ainda são pouco compreendidos e variam nas diferentes culturas e solos, porém, resultados positivos de vários trabalhos comprovam esta eficiência.

Fertilizantes e corretivos à base de silício estão entre os produtos citados na literatura como indutores desta resistência. A indução de resistência nas plantas é uma estratégia de manejo que pode provocar mudanças tanto na qualidade como na quantidade de compostos que atuam no metabolismo secundário, tais como as proteínas de defesa, acúmulo de oxigênio reativo, além de favorecer a qualidade nutricional do alimento e reforçar as barreiras estruturais da planta.

A indução de resistência envolve a ativação de mecanismos de defesa latentes existentes nas plantas em resposta ao efeito de agentes bióticos ou abióticos.

Na prática

Em plantas de arroz, o Si estimula a produção de compostos que dificultam a colonização das plantas por fungos, além de formar uma camada de sílica na epiderme, o que reduz a incidência de brusone, entre outros trabalhos. Portanto, a absorção de Si proporciona vários benefícios para as plantas.

Algas marinhas

Outro produto que tem propiciado benefícios para as plantas é o extrato de alga da espécie Ascophyllumnodosum (L.), popularmente conhecida como alga parda ou marrom, devido à coloração marrom amarelada que apresenta quando viva. A alga é colhidas nas águas do Atlântico Norte, na costa do Canadá, sendo uma fonte natural de macro e micronutrientes (N, P, K, Ca, Mg, S, B, Fe, Mn, Cu e Zn), aminoácidos (alanina, ácido aspártico e glutâmico, glicina, isoleucina, leucina, lisina, metionina, fenilalanina, prolina, tirosina, triptofano e valina), citocininas, auxinas, e ácido abscísico, que são substâncias que afetam o metabolismo celular das plantas e conduzem ao aumento do crescimento, bem como ao incremento da produtividade.

Essa matéria completa você encontra na edição de setembro 2017 da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira já a sua para leitura integral.

ARTIGOS RELACIONADOS

Aminoácidos protegem lavoura do estresse

Hugo Reis Vidal Engenheiro agrônomo da HVIDAL " Consultório Agronômico Fruticultura " Olericultura " Paisagismo hugovidal.agro@gmail.com Marli de Jesus dos Santos Engenheira agrônoma da Boava& Delta Seg Consultoria...

Nova UPL vai focar em inovação

Inovação, tanto de produtos quanto de processos, será um dos principais focos da nova empresa resultante da compra da Arysta pela UPL, destacou nesta...

Novas oportunidades no cultivo de passifloráceas

José Rafael da Silva Engenheiro agrônomo, MSc. j.rafael.silva@hotmail.com O maracujazeiro (P. edulis f flavicarpa " maracujá amarelo ou azedo) é uma planta bastante cultivada em vários países,...

Produtores reclamam de antecipação do vazio sanitário da soja

Não agradou em nada aos produtores de soja de Mato Grosso a antecipação do período do vazio sanitário da oleaginosa, que passará do dia...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!