20.2 C
Uberlândia
terça-feira, julho 16, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioMercadoEstudo indica redução de até 18% no custo de produção do trigo

Estudo indica redução de até 18% no custo de produção do trigo

Projeto da FecoAgro/RS com parceria da Embrapa Trigo visa criar de alternativas para a produção do cereal

 

A produção de trigo no Brasil não supre a demanda interna - Crédito Shutterstock
A produção de trigo no Brasil não supre a demanda interna – Crédito Shutterstock

A Federação das Cooperativas do Estado do Rio Grande do Sul (FecoAgro/RS) juntamente com a Embrapa Trigo, de Passo Fundo (RS), divulgaram nota técnica apresentando os resultados da pesquisa de alternativas para o trigo. O projeto foi realizado em campos experimentais da Coopibi, em Ibiraiaras, da Coopatrigo, em São Luiz Gonzaga e da Cotricampo, em Campo Novo, além de uma área da Embrapa em Coxilha. A variação da redução de custos verificada na pesquisa e divulgada no documento ficou entre 8,98% a 18,7%.

A ideia é estimular a diversificação da produção, considerando que, em um ano normal, é produzido um excedente de mais de um milhão de toneladas, o que avilta o preço do trigo no Rio Grande do Sul, causando prejuízos a todos os produtores do cereal. De acordo com o presidente da FecoAgro/RS, Paulo Pires, os resultados do primeiro ano da pesquisa são promissores e a ideia é dar continuidade à proposta. O objetivo é no mês de fevereiro retomar o plano com os pesquisadores da Embrapa em conjunto com os técnicos das cooperativas e discutir a implementação dos próximos passos desta iniciativa. “Depois vamos debater a viabilidade com as áreas comerciais das cooperativas e buscar a participação de agentes do mercado, sempre olhando a rentabilidade do produtor e a liquidez do produto colhido”, informa.

O dirigente destaca a experiência da Embrapa Trigo e seus pesquisadores no domínio da pesquisa e da difusão e transferência de tecnologias. Pires afirma que os dois eixos básicos da proposta são a assistência técnica para a manutenção de altas produtividades e a racionalização de despesas focada em mercados que tenham liquidez e aporte para o volume de produção que o Rio Grande do Sul produz. “Neste ponto respeitamos as práticas regionais e o contexto da produção do trigo pão. Mas quem sabe daqui há alguns anos possamos começar uma especialização de trigo pão para a indústria e também para atender o mercado de exportação, com isso aumentando a área desta importante cultura para o sistema produtivo gaúcho”, observa

O presidente da FecoAgro/RS lembra que, além do estímulo para a cultura do trigo no Estado, a alternativa pode auxiliar o produtor em momentos de problemas na hora da comercialização, como os vividos nesta temporada. Pires enfatiza que a redução de despesas não quer dizer que a tecnologia será menor para a produção do cereal. “Podemos sim fazer uma agricultura com uso mais racional de insumos e isso não significa redução do uso de tecnologia. Podemos usar menos insumos e manter a alta tecnologia e através do conhecimento técnico”, reforça.

A expectativa para a segunda fase do projeto, nesta próxima safra, é de ao menos repetir as condições do período que passou e, com isso, desenvolver cultivares com perfil para exportação, aumentar a área do projeto piloto e projetar a organização da produção em termos de armazenamento e comercialização, entre outros pontos. Desde o início de 2016 a FecoAgro/RS vem defendendo a diversificação da produção como forma de dar alternativas ao produtor. Em eventos e reuniões, tanto os pesquisadores quanto o mercado avaliam como interessante a proposta.

Texto: Nestor Tipa Júnior/AgroEffective

Mais informações sobre a FecoAgro/RS

ARTIGOS RELACIONADOS

O uso de mulchings biodegradáveis na agricultura moderna

  Alessandro Lavandeira Mangetti Engenheiro Agrônomo com graduação na ESALQ/USP   O desenvolvimento do polietileno-PE (polímero derivado de uma fonte não renovável, que é o Petróleo) na forma...

Plataforma de gerenciamento facilita trabalho no campo

  A AgFinit é uma ferramenta gratuita e está à disposição dos agricultores e clientes da Piccin Tecnologia Agrícola de todo o Brasil   Cultivar não é...

Adubação verde – A natureza a serviço da natureza

Elaine Bahia Wutke ebwutke@iac.sp.gov.br José Antônio de Fátima Esteves jafesteves@iac.sp.gov.br Engenheiros agrônomos, pesquisadores científicos do Instituto Agronômico (IAC), Centro de Grãos e Fibras " Leguminosas Edmilson José Ambrosano ambrosano@apta.sp.gov.br Engenheiro...

Produção de mamão no Brasil

No Brasil, esta fruta é consumida preferencialmente fresca, mas sua industrialização, por meio do aproveitamento integral do fruto, oferece extensa gama de produtos e...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!