20.6 C
Uberlândia
sábado, abril 20, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosEstufas plásticas e a produção de cogumelos no Brasil

Estufas plásticas e a produção de cogumelos no Brasil

Mesmo em meio a desafios tecnológicos, a produção de cogumelos é uma atividade em expansão no Brasil.

Daniel Gomes
Engenheiro agrônomo e pesquisador científico – APTA Regional – Secretaria de Agricultura e abastecimento do Estado de São Paulo
dg@sp.gov.br

Crédito: Ana Maria Diniz

A produção de cogumelos é uma atividade em expansão no Brasil. Atualmente, já encontramos cerca de 20 espécies de cogumelos no mercado brasileiro, sendo que três deles predominam na produção e consumo nacional – o champignon de paris, shiitake e o shimeji (Pleurotus spp).

Desafios tecnológicos

A maioria dos cogumelos produzidos e consumidos no Brasil é exótica, provenientes de países de clima frio e temperado, diferentes das nossas condições tropicais. Neste contexto, as casas de produção de cogumelos sempre foram um desafio tecnológico.

Fora do Brasil, estufas plásticas são amplamente utilizadas na produção de cogumelos, com um detalhe importante – na Europa e Ásia estas estufas plásticas são geralmente aquecidas, processo esse muito mais simples e barato do que refrigerar o interior de tais estruturas.

Em um passado recente, a produção de cogumelos no Brasil era realizada de maneira precária em barracões improvisados feitos com escoras de eucalipto recobertos de folhas de tetra pak, mesmo material das caixas de leite. Esses barracões, apesar de baratos, não ofereciam condições para uma boa produção de cogumelos.

Hoje em dia, a maioria dos fungicultores bem-sucedidos utiliza barracões de placas isotérmicas, de alvenaria e, em casos específicos, estufas plásticas.

Possibilidades

A produção de cogumelos em “estufas plásticas” no Brasil é possível, porém, limitada a algumas regiões e localidades de clima mais ameno, e a espécies e linhagens de cogumelos que tolerem temperaturas mais altas, como é o caso do shimeji (Pleurotus spp), que pode ser produzido em uma larga faixa de temperatura, que vai de 10 a 28ºC.

As tecnologias empregadas em estufas plásticas são bem diversificadas, mas algumas orientações básicas devem ser consideradas ao se utilizar tal tecnologia:

• A estufa deve ser ergonômica e bem planejada para produção de cogumelos;

• A estufa deve ter sistema de ventilação eficiente para trocas gasosas em seu interior;

• A estufa não deve permitir a ocorrência de poeira em seu interior;

• A estufa deve, na medida do possível, ter “pressão positiva” em seu interior, minimizando assim a entrada de poeira e contaminações externas;

• Possiblidade de controle de umidade na estufa;

• Telas reflexivas e/ou de sombreamento para proteger os cogumelos, afinal, a maioria não tolera pleno sol;

• Que a estufa seja muito bem fechada para impossibilitar a entrada pragas e doenças.

Sucesso do fungicultor

Ademais, cada tipo de cogumelo requer condições muito especificas para seu desenvolvimento. O sucesso do fungicultor estará condicionado a manejar e conhecer a necessidade do fungo cultivado em associação às tecnologias aplicadas na produção.

ARTIGOS RELACIONADOS

Novo sistema de cultivo de erva-mate pode produzir mais

A Cevad-estufa permite alocar mais de 300.000 pés de erva-mate em um hectare, enquanto o sistema tradicional de produção no campo coloca em torno de 2.200 pés/ha. Estudos mostram que seu rendimento pode chegar a 90 toneladas por hectare em um ano.

Cresce produção brasileira de alho

A produção brasileira de alho registra crescimento significativo nos últimos anos.

Produção de cana-de-açúcar sofre com estresses hídrico

A cana-de-açúcar enfrenta desafios sérios com estresse hídrico e redução na biomassa devido às condições climáticas adversas.

Produção de mamão no Brasil

A cultura do mamão possui grande importância na fruticultura nacional, e o Brasil se destaca como segundo produtor mundial da fruta

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!