15.5 C
Uberlândia
sábado, julho 13, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiExtratos vegetais e o controle biológico

Extratos vegetais e o controle biológico

Joara Secchi Candian

Natália de Brito Lima Lanna

Bacharel em Agroecologia e doutorandas em Agronomia (Horticultura)

Antonio Ismael Inácio Cardoso

Professor da UNESP/FCA ” Departamento de Horticultura, Botucatu (SP)

ismaeldh@fca.unesp.br

 

 Crédito Luciana Zago
Crédito Luciana Zago

As plantas vêm sendo largamente utilizadas para o combate de todos os tipos de pragas e doenças, uma vez que produzem metabólitos secundários que atuam na defesa das plantas, atração ou repulsão de insetos e adaptação a diferentes ambientes.

A facilidade da elaboração de preparados faz com que a cada dia surjam novas receitas e aplicabilidade. Entretanto, algumas plantas que se destacaram passaram a ser comercializadas e mais comumente utilizadas, como é o caso do extrato de neem (muito utilizado para diversas pragas, tais como bicho-mineiro, mosca-branca, ácaros), manipueira (extrato de mandioca) (nematoides, ácaros, insetos), cravo-de-defunto (insetos e nematoides), extrato de alho e cavalinha (míldio, pulgão, lagarta, mosca-do-chifre e pulga), extrato de pimenta e extrato de primavera.

É importante ressaltar que a utilização do neem deve ser feita de maneira controlada, uma vez que seu espectro de atuação é muito grande, podendo também afetar a população de inimigos naturais.

Composição

Os principais compostos presentes nestes extratos, responsáveis pela eficiência no controle de pragas, são os compostos fenólicos, terpenos e compostos nitrogenados. Estas substâncias são antimicrobianas, inseticidas, repelentes ou anti-helmínticas, podendo estar em formas de óleos essenciais, resinas, alcaloides, flavonoides e taninos.

Além dos feromônios, também são utilizadas armadilhas com luz e com superfícies coloridas - Crédito Jorge Anderson
Além dos feromônios, também são utilizadas armadilhas com luz e com superfícies coloridas – Crédito Jorge Anderson

Preparados homeopáticos e biodinâmicos

Assim como na medicina humana, também no manejo de doenças e pragas em plantas existem estudos e práticas com preparados homeopáticos e biodinâmicos. Os preparados homeopáticos são obtidos pelo processo de dinamização, ou seja, diluição mais sucessão (“agitação forte“), sucessivas vezes de alguma matéria-prima.

Os preparados biodinâmicos podem ser pulverizados no solo e nas plantas, ou então inoculados nos compostos orgânicos ou outros adubos e substratos orgânicos.

Corte transversal do rizoma para avaliação dos danos causados pela broca-da-bananeira - Crédito Zilton Cordeiro
Corte transversal do rizoma para avaliação dos danos causados pela broca-da-bananeira – Crédito Zilton Cordeiro

Controle biológico

O controle biológico baseia-se na utilização de produtos formulados a partir de parasitas de insetos ou de microrganismos (fungos, bactérias, vírus, protozoários e nematoides), que lhes causam doenças, ou de parasitoides, que em geral depositam ovos diretamente nos insetos-praga, assim inviabilizando sua ação contra as plantas.

Um dos principais agentes biológicos utilizados e conhecidos no Brasil por sua eficiência é o Thichoderma, que tem a capacidade de colonizar o solo e proteger as mudas após o transplantio. Encontram-se no mercado várias formulações desse agente biológico, como em pó-molhável, grânulos dispersíveis, suspensão concentrada, óleo, grãos colonizados e esporos secos.

Os principais patógenos que o Thichoderma controla são, principalmente, fungos dos gêneros Fusarium, Pythium, Rhizoctonia, Macrophomina, Sclerotiniasclerotium, Botrytis e Crinipellis. Além disso, alguns produtos são recomendados para tratamentos de sementes.

Conheça cada um

ðBacillusthurigiensis (Bt) e Bacillussphaericus (Bs): estas duas bactérias de solo se destacam por possuírem toxinas (cristais de proteínas inativas que são produzidas quando esporulam) específicas aos insetos sensíveis. Tais bactérias colonizam o hospedeiro desenvolvendo hifas que irão perfurar e atingir a cavidade interna, causando incapacitação ou até mesmo a morte. Elas não poluem o ambiente, não causam prejuízos à saúde de mamíferos, além de não causarem toxidez à planta. Sua ação na agricultura é mais efetiva em insetos das ordens lepidóptera e coleópteros.

ðFungos entomopatogênicos (Beauveriabassiana, Metarhiziumanisopliae, Lecanicillium, Nomuraearileyi, Sporothrixinsectorum, Isariafumosorosea, Entomophthora virulenta): a utilização destes fungos vem aumentando a cada dia devido à grande leva de hospedeiros, à alta capacidade de disseminação entre as pragas, persistem mais tempo no ambiente devido aos mecanismos de sobrevivência, produção massal facilitada e capacidade de infecção de todos os estágios de desenvolvimento de alguns insetos. Sua atuação se dá, principalmente, pela produção de toxinas que quebram as barreiras de defesa do inseto hospedeiro.

A atuação destes fungos entomopatogênicos se dá sobre insetos de diferentes ordens, destacando-se os coleópteros, cochonilhas, cigarrinhas, moscas-brancas, pulgões, ácaros, percevejos, broca-do-rizoma e algumas lagartas. Vale lembrar que a maioria deles necessita de determinada porcentagem de umidade, que muitas vezes é alcançada com o microclima ao redor da folha ou do inseto. Entretanto, a temperatura pode ser um fator limitante para o desenvolvimento da doença no hospedeiro.

ðÁcaros predadores: a utilização de ácaros no manejo de pragas vem sendo estudada e utilizada por agricultores devido à praticidade de liberação dos insetos, ausência de carência da sua utilização e eficiência no controle de pragas. Algumas linhagens destes predadores são resistentes a agrotóxicos, maximizando sua eficiência quando utilizados no sistema convencional.

Essa matéria completa você encontra na edição de janeiro 2018  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua para leitura integral.

ARTIGOS RELACIONADOS

Manejo Ecofriendly – Monitoramento e soluções para o controle de insetos agrícolas

O manejo e controle adequado das pragas agrícolas que afetam o processo produtivo é sempre uma grande preocupação no agronegócio. Os agroquímicos são ainda muito utilizados na agricultura no Brasil, mas é preciso ter cuidado - esses produtos químicos podem contaminar e desequilibrar o meio ambiente se forem aplicados de forma inadequada e muitas vezes sem necessidade.

Adjuvantes otimizam a eficiência da pulverização

Gilberto Moderno Costa M.Sc. e consultor em Tecnologia de Aplicação e Segurança no uso de defensivos agrícolas " Alvo Consultoria moderno@alvoconsultoria.agr.br A agricultura brasileira cresce anualmente, em...

Fósforo proporciona rendimento e crescimento da beterraba

Cristina Maria de Castro Pesquisadora científica IV " APTA Polo Vale do Paraíba (SP) cristinacastro@apta.sp.gov.br Hortaliças geralmente possuem ciclo curto, demandando que os nutrientes estejam prontamente...

Raiz rosada em cebola – Proteja sua lavoura desse mal

Igor Souza Pereira Engenheiro agrônomo e doutor em Fitopatologia - IFTM - Campus Uberlândia igor@iftm.edu.br Márcia Toyota Pereira Fitopatologista da Faculdade de Agronomia da Unipac " Uberlândia O...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!