23.6 C
Uberlândia
quarta-feira, fevereiro 21, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesFalta de chuvas

Falta de chuvas

Trigo – Crédito: Shutterstock

Segundo a FecoAgro/RS, mesmo com este problema, expectativa é ainda de uma safra acima de 3 milhões de toneladas do cereal

O fim do período de plantio das lavouras de trigo no Rio Grande do Sul é marcado pela falta de chuvas nas últimas semanas. A expectativa de que as precipitações viriam na última semana não se confirmou. A avaliação é da Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado do Rio Grande do Sul (FecoAgro/RS).

Conforme o presidente da entidade, Paulo Pires, o plantio atrasou nas zonas mais quentes e isso traz uma amplitude muito grande este ano. “Temos trigo que já foi passado na uréia, trigo com desenvolvimento bem adiantado e trigo que recém está germinando. Mas, de forma geral, a falta de chuva, especialmente em regiões como Santa Rosa e Missões, tem atrasado o desenvolvimento”, destaca.

Sobre o mercado, o presidente da FecoAgro/RS salienta que ele se mantém ajudando e trazendo uma perspectiva para o produtor na venda para produção moageira e também na venda para a produção animal. “Os preços estão muito bons e o produtor aproveita isso e puxa a questão da comercialização. Houve um aumento de área muito significativo no Rio Grande do Sul. Acreditamos que este crescimento esteja ao redor de 20%”, observa.

A FecoAgro/RS estima desde o início uma área de 1,1 milhão de hectares, o que deve, se o tempo colaborar, contribuir para maior recebimento de trigo nas cooperativas com a previsão de uma safra passando de 3 milhões de toneladas, podendo chegar até 3,3 milhões de toneladas.

Sobre os grãos de verão, Pires informa que começam a existir movimentos no Rio Grande do Sul de dessecagem de áreas para plantio de milho. Já sobre a soja, entende que haverá um aumento de área porque existem campos na fronteira agrícola gaúcha que estão se transformando em campos da oleaginosa.

Texto: Nestor Tipa Júnior/AgroEffective

ARTIGOS RELACIONADOS

Plataforma ajuda na desburocratização jurídica do agronegócio

A transformação digital vem proporcionando às empresas novidades em soluções que diminuem a burocracia jurídica. A busca por elas se intensificou em 2020, devido ao isolamento social causado pelo coronavírus, revelando a necessidade de maior rapidez nas operações.

Os benefícios diretos dos aminoácidos para as plantas

  Leonardo Serpa Maciel Graduando em Agronomia - Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro) lmaciel96@gmail.com Fabiano Pacentchuk Engenheiro agrônomo, mestre em Produção Vegetal e doutorando em Agronomia " Unicentro fabianopacentchuk@gmail.com Criz Renê...

Extratos naturais – As pragas que se cuidem

A produção orgânica de alimentos vem crescendo em nosso País, assim como em todo o planeta. Em 2016, de acordo com o Ministério de Agricultura e Abastecimento (MAPA), o número de unidades produtivas no Brasil aumentou cerca de 30%, relativo a 2015. Os registros de cadastro do Mapa mostram (ao final de dezembro de 2017) 17.251 produtores orgânicos certificados em nosso País.

Balcão do Agro COPLACANA acontece em cinco estados

Tradicional balcão de negócios irá oferecer aos clientes e cooperados boas oportunidades de negócios. Evento começa na segunda-feira (25).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!