23.5 C
Uberlândia
quinta-feira, fevereiro 29, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesAlerta para a ferrugem do eucalipto

Alerta para a ferrugem do eucalipto

Pollyane da Silva HermenegildoEngenheira agrônoma e pós-doutoranda em Fitopatologia – Universidade Federal de Viçosa (UFV)hermenegildo.pollyane@ufv.br

Rosiane Fátima de AlmeidaEngenheira florestal e mestranda em Fitopatologia – UFVrosiane.almeida@ufv.br

Ferrugem – Crédito: Carlos Labate

A cultura do eucalipto está amplamente estabelecida em diversos países do mundo. No Brasil, dos 9,0 milhões de hectares de área florestal plantada, 6,97 milhões de hectares correspondem a cultivos de eucalipto, o que equivale a 77% do total.

Estes plantios estão concentrados principalmente nos Estados de Minas Gerais (28%), São Paulo (17%) e Mato Grosso do Sul (16%). A evolução e expansão dos plantios nos últimos anos tem suprido a demanda de matéria-prima do mercado interno e externo, visando a produção de celulose e papel, carvão vegetal, madeira sólida para serraria, postes, mourões e material para construção civil, além de óleos essenciais e outros produtos florestais não-madeireiros.

Contudo, problemas recorrentes, como as doenças que acometem a cultura, ainda persistem em diferentes cenários no Brasil e no mundo. Dentre as principais doenças bióticas que incidem sobre o eucalipto está a ferrugem.

A temida ferrugem

A ferrugem do eucalipto, ou ferrugem das mirtáceas, é causada pelo fungo Austropuccinia psidii (G.Winter) Beenken, e é facilmente reconhecida pela típica pulverulência urediniospórica de cor amarela-gema, produzida pelo fungo sobre os tecidos jovens de mudas em viveiros, em plantas de até dois anos idade no campo e na rebrota no sistema de talhadia.

[rml_read_more]

Além da preferência por tecidos mais novos, a ferrugem do eucalipto é favorecida por temperaturas mais amenas, na faixa de 18 – 25ºC (ótimo em 23 ºC) e períodos prolongados de alta umidade e molhamento foliar (orvalho noturno ou garoas por períodos superiores a seis horas por 5 – 7 dias consecutivos), que são condições que influenciam positivamente os processos de germinação, penetração e infecção pelo fungo.

Danos

A combinação de condições ambientais favoráveis, a disponibilidade de material genético suscetível e a presença do patógeno nos estágios fenológicos iniciais da planta podem contribuir para a ocorrência da doença de forma mais severa, com sintomas que incluem deformações foliares, necroses, superbrotamento, minicancros e morte das porções apicais.

Desta maneira, a doença pode causar redução do crescimento da planta, perda de dominância apical, morte de brotações após o corte raso, bem como morte e refugo de mudas para o plantio.

O primeiro surto grave da ferrugem no eucalipto ocorreu em 1973 no Estado do Espírito Santo, onde ocorreram perdas em larga escala em viveiros e plantações jovens de Eucalyptus grandis estabelecidas a partir de fontes de sementes da África do Sul. Desde então, vários outros surtos esporádicos, porém graves, vêm sendo registrados no Brasil, sendo que a região sudeste até os dias de hoje é a mais afetada pela doença.

Em termos de perdas econômicas, há relatos de que a ferrugem pode causar uma redução de 23 a 35% no volume de madeira. No entanto, estas perdas podem ser minimizadas com a adoção de medidas de controle, como o plantio de material genético resistente à A. psidii, o escape à doença pela precocidade e a utilização de fungicidas registrados para a cultura.

Controle

A resistência genética é considerada a principal medida de controle da ferrugem do eucalipto. E é por meio dos programas de melhoramento que são selecionados os clones, progênies ou espécies resistentes à doença.

A resistência genética para a ferrugem do eucalipto (A. psidii, raça 1) possui grande durabilidade no Brasil, em torno de 15 – 19 anos, quando a partir de então, já foi constatado mais de um caso de suplantação da resistência pelo surgimento de novas raças do patógeno.

Raças

A raça de A. psidii que prevalece no Brasil e que é a amplamente empregada nos programas de melhoramento genético para o desenvolvimento de materiais de eucalipto resistentes à ferrugem, é a raça 1.

Contudo, além desta raça, outras quatro já foram descritas. As raças 2 e 3 são aparentemente raras e capazes de superar a resistência dos clones 1205 (E. grandis) e 847 (E. urophylla), respectivamente. As raças 4 e 5 de A. psidii não foram detectadas em plantações de eucalipto desde que foram descritas pela primeira vez, em 2011 (São Paulo) e em 2021 (Minas Gerais), respectivamente.

Mas são as raças da ferrugem que são mais agressivas e capazes de infectar uma grande variedade de genótipos de eucalipto, incluindo os clones BA6021 (E. grandis x E. urophylla) e GG100 (E. grandis x E. urophylla), respectivamente.

Desta forma, visando o maior sucesso na obtenção e plantio de genótipos de eucaliptos resistentes à ferrugem por A. psidii, é muito importante que se tenha conhecimento da variabilidade genética e fisiológica das populações do patógenos que ocorrem nas áreas de plantio.

Ademais, evidências sobre a reprodução sexuada de A. psidii e investigações acerca do papel dos teliósporos e basidiósporos no ciclo de vida do patógeno veem alarmando e abrindo caminhos para o melhor entendimento das possíveis fontes de variabilidade e mecanismos de adaptação deste fungo.

Alternativas

Além da seleção de genótipos de eucalipto resistentes à ferrugem, outra alternativa para controle preventivo da doença é a seleção de materiais de rápido crescimento, que alcancem alturas de 3,0 a 5,0 metros (em torno de dois anos de idade) o mais rápido possível (escape pela precocidade), uma vez que quando a planta atinge maiores alturas, o patógeno geralmente não encontra microambiente favorável à infecção.

Quando se dispõe de material genético suscetível, mas de alto valor comercial, pode-se buscar a minimização das potenciais perdas por ferrugem pela aplicação de fungicidas sistêmicos e/ou de contato, como forma de controle preventivo e/ou curativo no campo ou viveiro, a depender das recomendações técnicas atreladas às características de cada produto.

Atualmente, encontram-se registrados no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), sete fungicidas para controle de A. psidii em eucalipto, cujos ingrediente ativos (grupos químicos) incluem: azoxistrobina (estrobilurina) + difenoconazol (triazol), difenoconazol (triazol), tebuconazol (triazol) + trifloxistrobina (estrobilurina), metconazol (triazol) + piraclostrobina (estrobilurina), azoxistrobina (estrobilurina) + ciproconazol (triazol) e azoxistrobina (estrobilurina) + mancozebe (alquilenobis (ditiocarbamato)).

No entanto, antes de utilizar o controle químico, recomenda-se realizar o estudo de viabilidade econômica dentro do contexto do manejo integrado da ferrugem, visando juntar a eficiência dos produtos e o custo de operação, pois em alguns casos o uso de fungicidas se apresenta com uma medida inviável economicamente.

Além dessas medidas de manejo, é importante, também, que a presença de outras plantas da família Mirtaceae próximo ao plantio de eucalipto sejam evitadas.

ARTIGOS RELACIONADOS

Mulching reduz doenças na melancia

Na década de 70, praticamente não semeávamos sementes de melancia. Quando chegava a época certa ...

Acácia-negra

A Acacia mearnsii De Wild., pertencente à família Fabaceae, é natural de regiões temperadas ...

Fertilizante de liberação controlada reduz perdas nas mudas

O que são fertilizantes de liberação controlada? Para que servem? Quando usar? Iniciar com estas ..

Novidades em mecanização para o preparo do solo

Vinicius Evangelista Silva Engenheiro florestal. Msc. e especialista em Nutrição e Manejo " Eldorado Brasil - Três Lagoas (MS) José Geraldo Mageste Doutor e professor da...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!