23.6 C
Uberlândia
terça-feira, junho 18, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosFerrugem surpreende produtores no Sul de Minas com evolução atípica e mais...

Ferrugem surpreende produtores no Sul de Minas com evolução atípica e mais agressiva

 

Créditos Cristiano Soares de Oliveira
Créditos Cristiano Soares de Oliveira

Na região Sul de Minas Gerais, produtores estão surpreendidos pela evolução atípica da ferrugem. Nesse ano, o fungo que parecia controlado até o mês de maio, atingiu mais de 95% de algumas lavouras em Varginha.

 Para Rodrigo Naves Paiva, engenheiro agrônomo da Fundação Procafé, até o produtor que fez a aplicação de fungicidas no tempo certo deverá aplicá-la mais uma vez até o final da colheita.

“O que ocasionou essa pressão foi a evolução da ferrugem de anos anteriores no final dos ciclos. As precipitações em março, juntamente com a temperatura na faixa de 20 a 24ºC, acompanhada de períodos de chuvas e orvalhos, provocou esse índice alarmante“, justifica.

Novas medidas

Contrariamente a outras safras, quando o habitual é que se façam três aplicações – dependendo da variação do clima – neste ano, segundo o agrônomo, a aplicação poderá ocorrer novamente em plena colheita, nos casos em que o fungo atingiu até 65% da lavoura. “Nos casos em que passou deste percentual, não tem mais solução. O produtor deverá colher o café e fazer a triagem após a colheita“, pontua Rodrigo Naves.

O que ocasionou a pressão foi a evolução da ferrugem de anos anteriores no final dos ciclos - Créditos Cristiano Soares de Oliveira
O que ocasionou a pressão foi a evolução da ferrugem de anos anteriores no final dos ciclos – Créditos Cristiano Soares de Oliveira

Alerta

Diante desse cenário, a ferrugem é considerada a doença mais relevante na cafeicultura. Segundo Rodrigo Naves, os fungos causam lesões nas folhas que reduzem a área fotossintética, provocando a desfolha. “Quando há redução nas folhas isso interfere diretamente na produtividade do ano seguinte, porque essas folhas que estão caindo é que ajudam na produção da próxima safra. A folha remanescente ajuda tanto na manutenção como no crescimento do próximo ciclo“, explica.

Com isso, o período atual é de índices elevados de ferrugem, porém, a tendência é que isso diminua nas próximas semanas. “O pico já foi atingido em abril e maio, portanto, essas grandes quantidades de folhas infectadas que caíram, bem como a temperatura amena, com menos chuvas e com a chegada do inverno, reduziram a incidência da praga. Em Boa Esperança (MG), por exemplo, o índice já diminuiu para o produtor“.

 Entretanto, para o agrônomo, o ideal é que o cafeicultor da região fique atento ao relatório mensal desenvolvido para eles, com o aviso fitossanitário de acompanhamento da evolução da ferrugem e de outras pragas.

Essa matéria você encontra na edição de julho da Revista Campo & Negócios Grãos. Adquira o seu exemplar.

ARTIGOS RELACIONADOS

Nematoides devastam lavouras de soja

  Andressa Cristina Zamboni Machado Nematologista e pesquisadora do Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR) na Área de Proteção de Plantas andressa_machado@iapar.br   Nos últimos anos, os fitonematoides tornaram-se...

Qualidade do café da próxima safra começa com planejamento

Para garantir a qualidade do café da próxima safra, alguns cuidados precisam ser planejados já nesta fase da expansão dos frutos. Há alguns anos, a Satis acompanha de...

Mangas adensadas rendem mais

  O adensamento, não há dúvida, é o novo fator de competitividade da cultura   A área plantada com mangas no Brasil se encontra em torno de...

Evolução da silvicultura no Brasil

Daniel da Silva Souza Engenheiro florestal, mestrando em Manejo Florestal (Universidade de Brasília), geógrafo e consultor ambiental geocentrosul@gmail.com   As últimas projeções demográficas do País deixam claro que...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!