Fertilizante de liberação lenta em abacateiro funciona?

0
236
Crédito: Abacitrus

Fábio Oseias dos Reis Silva

fabio.silva@epamig.br

Ramon Ivo Soares Avelar

ramon.avelar@epamig.br

Ana Flávia Freitas

ana.freitas@epamig.br

Doutores, professores e pesquisadores – Itac/Epamig de Pitangui (MG)

Tecnologias promissoras na eficiência nutricional estão sendo produzidas dentro do conceito dos “fertilizantes inteligentes” permitindo uma liberação lenta e/ou controlada dos nutrientes para as plantas (Figura 1).

Figura 1: Funcionamento geral dos fertilizantes de liberação controlada.

O uso dos adubos de liberação controlada para abacateiro requer a adequação de doses nos diferentes sistemas de produção, visando otimizar os insumos e garantir a viabilidade econômica na cadeia produtiva da cultura.

Trabalhos com fertilizantes de liberação controlada têm sido realizados na cultura do abacateiro mostrando excelentes resultados. Adicionado a isso, testemunhos de produtores corroboram com os resultados encontrados nas pesquisas realizadas com diversas frutíferas.

Entenda

O abacateiro é uma planta perene, ou seja, cultivada por vários anos em campo. Em função da sua longevidade, é necessário ser muito criterioso em relação a um dos principais pilares no cultivo dessa frutífera, que é a obtenção de mudas de qualidade.

As mudas devem possuir excelentes qualidades nutricionais e fitossanitárias para que haja um bom desenvolvimento após o seu plantio. Assim, as chances de obtenção de excelentes resultados aumentam de maneira significativa.

Na produção de mudas, observa-se em muitas situações que o uso de fertilizantes tradicionais/convencionais vem incorrendo em erros na nutrição das plantas, visto que as frequentes irrigações exigidas pelas mudas de abacateiro em conjunto com substratos com pouca retenção água e nutrientes têm favorecido a lixiviação dos elementos essenciais, com consequentes deficiências nutricionais.

Para suprir as necessidades nutricionais na produção de mudas de abacateiros, os parcelamentos na adubação aumentam consideravelmente, elevando, em contrapartida, o custo com mão de obra e fertilizantes.

De maneira geral, o uso desses fertilizantes tem aumentado ao longo dos anos não só em frutíferas, mas também em outras culturas perenes. De acordo com pesquisas, o uso dessa tecnologia tem sido uma alternativa na adubação de mudas frutíferas permitindo a disponibilização contínua e lenta dos fertilizantes para a planta e reduzindo as perdas por lixiviação.

No entanto, em seus trabalhos, os mesmos pesquisadores alertam que se deve usar a dosagem correta no momento correto para não ocorrer a salinização do solo ou substrato.

Técnica

Para a utilização dos fertilizantes de liberação controlada no abacateiro, deve-se adotar as práticas de implantação da cultura, como preparo das covas ou sulcos de plantio, uso de corretivos de solo, como a calagem e gessagem quando necessário, para garantir a disponibilidade dos nutrientes presentes nos fertilizantes para as plantas durante todo o período de liberação.

Antes de realizar a adubação, com número de parcelas reduzidas em relação à adubação convencional, deve-se realizar um estudo detalhado com os resultados encontrados na análise do solo para que não haja erros na aplicação ou redução no aproveitamento dos nutrientes.

Outro fator importante é adequar as dosagens de acordo com a exigência da cultivar, principalmente com a utilização de mudas enxertadas.

Detalhes

Na produção de mudas de abacateiro, os fertilizantes de liberação lenta são aplicados junto ao substrato na dosagem recomendada pelo fabricante e de acordo com a análise do solo. É recomendado misturar o fertilizante com o substrato comercial para que se obtenha um substrato final bastante homogêneo e enriquecido com os nutrientes essenciais ao desenvolvimento da planta.

O abacateiro pode ser cultivado em diferentes tipos de solo, entretanto, é importante dar preferência a solos bem drenados, profundos, com ausência de camadas compactadas e com bastante matéria orgânica.

Nesse último caso, a matéria orgânica, além de disponibilizar macro e micronutrientes vai manter umidade, que favorece consideravelmente a disponibilização de nutrientes dos fertilizantes de liberação lenta.

O plantio do abacateiro geralmente é realizado em covas com profundidade de aproximadamente 40 a 50 cm. Após a implantação do pomar, torna-se difícil fornecer nutrientes nas camadas subsuperficiais, principalmente de micronutrientes de baixa mobilidade no solo.

Dessa forma, os fertilizantes de liberação lenta misturados junto à terra na cova de plantio poderão favorecer a nutrição do abacateiro, com disponibilidade ao longo do desenvolvimento das plantas.

Mais eficiência

O plantio das mudas de abacateiro é realizado no início do período chuvoso. Entretanto, a implantação com o uso de hidrogel pode manter a umidade do solo por um período mais prolongado, o que facilita o pegamento das mudas e pode aumentar a eficiência dos fertilizantes inteligentes, sobretudo nos períodos mais secos do ano.

Para a adubação de plantio são utilizadas doses de fósforo e potássio por cova de acordo com as necessidades encontradas no solo. Nas lavouras adultas, aplica-se somente uma dose no início do período da chuva, tendo em vista que não é necessário aumentar as parcelas de aplicação de N e K, pois nesse método as perdas por lixiviação são reduzidas.

Investimento x retorno

O uso de nutrição inteligente tem proporcionado um ótimo custo-benefício. Quando comparado com fertilizantes convencionais, o investimento inicial em fertilizantes de liberação lenta é maior, contudo, quando se leva em consideração o melhor aproveitamento pela cultura, redução do uso de maquinários, redução em custos com transporte e armazenamento, tem-se um produto de utilização viável.

Em culturas perenes, o uso de fertilizantes de liberação lenta é ainda mais rentável e vantajoso, quando comparado com culturas anuais. Fazendo-se um paralelo com a cultura do cafeeiro, de acordo com um estudo, constatou-se que o maior lucro bruto por hectare foi obtido quando utilizados fertilizantes de liberação lenta, o que torna a utilização da nutrição inteligente extremamente rentável ao produtor.

Há economia de 20 a 30% quando comparado a um fertilizante convencional, mantendo o mesmo rendimento do cultivo usando menos produto. Por meio da sincronização de liberação, os fertilizantes de liberação controlada melhoram a absorção de nutrientes pelas plantas, reduzem perdas por lixiviação, volatilização, entre outros benefícios.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!