25.9 C
Uberlândia
sábado, fevereiro 24, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosHortifrútiFertilizantes de liberação controlada otimizam nutrição da lavoura

Fertilizantes de liberação controlada otimizam nutrição da lavoura

Camila Aparecida Nunes de Souza

Graduanda do Curso de Engenharia Agronômica da UNESP ” Campus de Registro e bolsista FAPESP

Leandro José Grava de Godoy

Professor assistente doutor da área de Fertilidade do Solo, Nutrição e Adubação de Plantas do Curso de Engenharia Agronômica da UNESP ” Campus de Registro

legodoy@registro.unesp.br

 Crédito Shutterstock
Crédito Shutterstock

Os fertilizantes de liberação controlada fazem parte de um novo grupo de adubos chamados de inteligentes ou de eficiência aumentada. Há certa confusão entre os termos liberação lenta e liberação controlada.

Os adubos de liberação lenta possuem uma estrutura química que faz com que sua liberação seja gradual e dependem da ação dos microrganismos, sem nenhum controle, pois todas as condições que influenciarem os microrganismos (temperatura, umidade, pH, teor de matéria orgânica, aeração do solo, etc.) vão influenciar a liberação dos nutrientes. Existem poucos fertilizantes de liberação lenta disponíveis no mercado.

Os fertilizantes de liberação controlada são caraterizados por possuírem uma camada de recobrimento em volta do grânulo de fertilizante convencional (barreira física), diminuindo assim as perdas por adsorção, lixiviação e volatilização, possibilitando a redução das doses aplicadas e a disponibilidade contínua dos nutrientes às plantas, sincronizando com a demanda da planta.

Liberação gradual

O tempo de liberação dos nutrientes é influenciado por fatores determinados pela indústria de fertilizantes, como a tecnologia empregada no recobrimento do grânulo do adubo. A maior espessura da camada, menor permeabilidade do material que compõe o recobrimento (p.ex. cera, enxofre e polímeros) e maior tamanho dos grânulos são exemplos de características intrínsecas ao fertilizante que aumentam o tempo de liberação.

Fatores externos, como a umidade e, principalmente, a temperatura, também afetarão a velocidade de liberação dos nutrientes. Quanto maior a temperatura, menor o tempo de liberação dos nutrientes.

Devido à maior possibilidade de perdas, o nitrogênio é o nutriente que engloba a maioria das tecnologias de eficiência aumentada disponíveis no mercado, mas há formulações em que o recobrimento está presente não apenas no nitrogênio, mas no fósforo e potássio também.

Crédito Shutterstock
Crédito Shutterstock

Custo

Embora apresente custo superior aos fertilizantes convencionais, a hipótese é de que o uso destes fertilizantes diminua gastos com mão de obra e adubação, pois possibilitará menos entradas na área de cultivo, reduzirá as doses aplicadas, bem como a compactação do solo, fazendo, então, que o custo/benefício compense a utilização destes produtos.

Para algumas culturas, como a do café, por exemplo, já se tem comprovado que o uso de fertilizantes de liberação controlada proporciona ganhos significativos à cultura.

Experimentos

 

Para a banana, estudos estão sendo realizados no Vale do Ribeira (SP) pela UNESP – Campus Experimental de Registro (SP), sobre a eficiência e viabilidade do uso de fertilizantes de liberação controlada. Nesta área experimental tem se avaliado perdas por volatilização, a fertilidade do solo, condutividade elétrica do solo, no local da aplicação, e a produtividade do bananal.

O valor da condutividade elétrica da solução do solo representa a quantidade de íons dissolvidos ali, que podem ter derivado dos fertilizantes, por exemplo. Locais do solo onde se encontram fertilizantes solúveis proporcionarão maior número de íons presentes e, consequentemente, maior valor de condutividade elétrica.

O uso dos fertilizantes de liberação controlada proporcionou maior condutividade elétrica da solução do solo que os fertilizantes convencionais (FC) aplicados de forma parcelada, mesmo após três meses da aplicação do adubo de liberação controlada, usando 75% da dose total do adubo convencional (tratamento FLC 75%).

Outro fato interessante do uso dos fertilizantes de liberação controlada é que são aplicadas, geralmente, as doses que a cultura irá precisar em todo o ciclo, o que resulta numa maior quantidade de adubo, que possibilita melhor espalhamento do adubo nas proximidades da planta.

Cuidados

Alguns recobrimentos, por serem pouco permeáveis à água, podem fazer os grânulos do adubo boiarem, quando se formam lâminas de água sobre a superfície do solo, podendo carregar estes fertilizantes. Assim, deve-se tomar cuidado com aplicações em áreas com maior declive.

Sem título-1

Essa matéria completa você encontra na edição de outubro 2016  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua para leitura integral.

ARTIGOS RELACIONADOS

Casos de morte súbita são relatados em pomares de citrus

Citricultores das regiões norte e noroeste do Estado de São Paulo relataram nos meses de julho e agosto o aparecimento de novos casos de...

Limpeza de Pulverizadores: Além de um desafio, uma necessidade

Embora os avanços tecnológicos na agricultura tenham contribuído com a produção do setor, eles também trouxeram novas preocupações aos produtores.

Guanandi é alternativa múltipla de renda

Primeira madeira de lei do Brasil, o guanandi possui características específicas que o tornam um ótimo empreendimento comercial nas áreas de reflorestamento e de...

Chegou a hora do controle da vespa-da-galha

  De setembro a fevereiro é o período de maior produção de mudas de eucaliptos e, com isso, deve-se intensificar o monitoramento de ocorrência e...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!