24.6 C
Uberlândia
segunda-feira, junho 17, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioNotíciasFomento à irrigação é destaque

Fomento à irrigação é destaque

Painel Irrigação – Foto: Fagner Almeida/Divulgação

O uso de novas tecnologias ajudam produtores a manter as lavouras em tempos de seca, além de otimizar a utilização de recursos hídricos

Um dos temas mais discutidos no último ano no setor agropecuário gaúcho, a irrigação foi destaque nesta terça-feira, 9 de fevereiro, na 31ª Abertura Oficial da Colheita do Arroz e Grãos em Terras Baixas. O painel “A Irrigação como Seguro da Diversificação” trouxe novidades em tecnologia para otimização do uso de água, o que aumentaria a eficiência dos insumos e permitiria maior liberdade para o revezamento de culturas entre arroz, soja e milho, além da integração com a pecuária.

Participaram do debate (realizado presencial e virtualmente – e transmitido pela internet) o presidente da Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado do Rio Grande do Sul (FecoAgro/RS), Paulo Pires, o engenheiro agrônomo e produtor de arroz e soja em Camaquã (RS), Alvaro Huber Ribeiro, e o engenheiro agrônomo e gerente técnico do Grupo Ceolin, de Uruguaiana (RS), Joel Michelotti.

Pires reforçou o papel das cooperativas gaúchas na produção de alimentos, trazendo como exemplo o ocorrido na região das Missões, especificamente em São Luiz Gonzaga, onde 80% da produção de milho é irrigada, produzindo mais de 100 mil toneladas do grão. Como comparação, apenas 10,07% da área de plantio de milho no Estado é irrigada, de acordo com o IBGE. Para ele, o produtor não pode conviver com a incerteza do clima no Rio Grande do Sul. “As chuvas são mal distribuídas, a irrigação traz mais segurança e garantia ao produtor”, observou.

Ribeiro falou sobre a experiência obtida com o projeto Sulco, liderado pela Embrapa com a participação de diversas empresas. De acordo com ele, a estiagem do ano passado foi amenizada pelo sistema de camalhões na cultura de soja, o que garantiu uma estabilidade produtiva. “As áreas planas, como as do arroz, são ideais para drenagem”, explicou.

Por fim, Michelotti mostrou o trabalho desenvolvido na Fronteira Oeste, onde são cultivados 11 mil hectares de arroz. Para ele, a irrigação traz oportunidades no desenvolvimento de pessoal e também no uso de tecnologias como satélites, automação e controle de recursos hídricos. “Viemos da integração lavoura-pecuária e buscamos melhorar o sistema como um todo”, ponderou.

A 31ª Abertura da Colheita do Arroz e Grãos em Terras Baixas tem como tema “Os Novos Rumos do Sistema de Produção”. A realização da Federarroz, correalização da Embrapa e o patrocínio premium do Instituto Riograndense do Arroz (Irga) e do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Informações e inscrições podem ser obtidas no site www.colheitadoarroz.com.br.

Texto: Andréia Odriozola/AgroEffective

ARTIGOS RELACIONADOS

Mais que uma alternativa

  José Luiz Petri Pesquisador da Epagri/Estação Experimental de Caçador petri@epagri.sc.gov.br   Os danos causados por geadas durante o período de floração e desenvolvimento inicial dos frutos vão depender...

Agricultura de Precisão exige planejamento e exatidão no uso de insumos

O solo apresenta macro, meso e microvariações em sua composição física e, sobretudo, química. A variabilidade espacial dos atributos do solo, constatada em estudos...

Safra 2022/23 de milho: quais os novos híbridos?

Observando o mercado de sementes de híbridos de milho, muitas serão as opções disponíveis aos produtores brasileiros.

Berinjela Niobe: sabor redondo

  A berinjela é uma hortaliça muito versátil na culinária que conquista cada vez mais apreciadores no Brasil. A Isla está lançando uma novidade que...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!