Formigas Prevenção ainda é o melhor remédio

0
128

Autor


Katia Regina Pichelli
Analista da Embrapa Florestas
katia.pichelli@embrapa.br

As saúvas (Atta spp.) e as quenquéns (Acromyrmex spp.) são espécies que consomem mais vegetação do que qualquer outro grupo animal, incluindo os mamíferos. Elas atacam quase todas as espécies de plantas cultivadas, podendo causar a desfolha total e até a morte, tanto de mudas quanto de árvores adultas.

Em plantios florestais, os maiores prejuízos ocorrem nos dois primeiros anos de implantação, podendo causar a mortalidade das plantas.

Identificação

A identificação das formigas é baseada na forma das operárias:

Operárias da saúva:

4  Apresentam três pares de espinhos no dorso;

4  Seus ninhos podem atingir profundidades de mais de 5 m;

4  Os ninhos são caracterizados, externamente, pelo monte de terra solta.

Operárias da quenquém:

4  Apresentam cinco pares de espinhos no tórax;

4  Seus ninhos, geralmente, não apresentam terra solta aparente.

Estratégia de controle

Para o combate às formigas são utilizados principalmente produtos químicos na forma de iscas granuladas. No entanto, o manejo adequado dos plantios juntamente com o monitoramento é fundamental para o sucesso deste controle.

Neste contexto, o conhecimento da espécie de formiga que ocorre na área e das características do solo, vegetação, clima, entre outras, são estratégias que poderão contribuir para minimizar os danos causados pelas formigas cortadeiras em plantações florestais.

Procedimentos mais eficazes para o controle:

º Inspeção prévia de toda a área onde o plantio será implantado, abrangendo também uma faixa de pelo menos 50 metros de largura no entorno de toda a área;

º Definição do método e do tipo de produto químico (formicida) que será utilizado. O método a ser utilizado depende da disponibilidade física e material do produtor.

Controle sistematizado

O controle sistematizado é feito com iscas granuladas, devendo a aplicação ser feita no período de tempo seco, na área onde será realizado o plantio e também na área do entorno. Esse procedimento deve ser realizado 15 dias antes do preparo do solo para facilitar a localização de formigueiros e para que as formigas carreguem as iscas para o interior dos formigueiros.

Recomenda-se a utilização de 2,0 kg/ha de isca formicida granulada distribuídos de maneira homogênea em toda a área do plantio e do entorno na forma de pacotinhos de 05 gramas do produto, conhecidos como micro-porta-isca.

Controle localizado

É realizado diretamente nos formigueiros mediante aplicação de isca formicida granulada, de formicidas em pó ou dos produtos termonebulizáveis.

Deve ser realizado 15 dias antes do preparo do solo para facilitar a localização de formigueiros e carregamento da isca pelas formigas. Recomenda-se a utilização das iscas formicidas granuladas na dose de 05 gramas por ninho de quenquéns. No caso de saúvas, a aplicação deve ser de 10 g/m2 de terra solta nos formigueiros, colocando-se as iscas ao lado de todas as trilhas.

Depois do plantio, o controle de formigas deve ser de forma localizada e realizado em até 30 dias. Posteriormente, é necessário realizar a manutenção do controle. Para isso, deve-se observar a presença de formigas cortadeiras e/ou de plantas cortadas, mediante a realização de inspeções semestrais durante todo o ciclo do plantio.