Fosfito previne requeima e doenças bacterianas no tomateiro

0
136

 

Adriana Rizzo

Engenheira agrônoma, doutora em Produção Vegetal e proprietária da Cheiro do Verde

dririzzo@hotmail.com

 

Sintoma de requeima no tomateiro - Crédito Jesus Tofoli
Sintoma de requeima no tomateiro – Crédito Jesus Tofoli

Na cultura do tomate é utilizado o fosfito de potássio para o manejo preventivo da requeima. Já para a prevenção de doenças bacterianas, aplica-se o fosfito de cobre.

A requeima

A requeima, causada pelo fungo oomiceto Phytophthora infestans, é uma das mais agressivas e destrutivas doenças do tomateiro em condições de alta umidade e temperaturas amenas.

Os prejuízos causados pelas doenças bacterianas ao tomateiro são mais acentuados no período chuvoso, sendo comum o relato de perdas de até 100%. A incidência de doenças bacterianas é maior em períodos quentes e chuvosos porque estes patógenos são dependentes de água livre durante os processos de penetração, colonização, infecção e disseminação.

A penetração de bactérias nos tecidos vegetais ocorre por meio de aberturas naturais (estômatos e hidatódios) e/ou ferimentos. No entanto, para que isso ocorra é necessário que haja um filme d’água entre o ambiente externo e o interno que funcione como um carreador de células bacterianas.

Após a colonização e infecção, processos geralmente favorecidos por temperaturas mais elevadas (>28ºC), células bacterianas produzidas nos espaços intercelulares alcançam a superfície por meio destas aberturas naturais dos tecidos vegetais e são disseminadas via respingos d´água e aerossóis (partículas de água carreadas pelo vento).

Esta dispersão ocorre de maneira mais eficiente em períodos chuvosos.

 

Condições para o ataque

A penetração de bactérias nos tecidos vegetais ocorre por meio de aberturas naturais (estômatos e hidatódios) e/ou ferimentos - Crédito Jesus Tofoli
A penetração de bactérias nos tecidos vegetais ocorre por meio de aberturas naturais (estômatos e hidatódios) e/ou ferimentos – Crédito Jesus Tofoli

Entre as condições propícias para o ataque desses males estão: alta umidade e temperaturas amenas para requeima, e ferimentos em partes da planta com água livre em sua superfície, pois as bactérias se movimentam pela água para dentro da planta.

Manejo preventivo

Para não se deparar com prejuízos, o produtor deve investir na aplicação via foliar ou via adubação em solo de produtos à base de fosfito regularmente, seguindo orientações técnicas e recomendações do fabricante.

O fosfito age inibindo o crescimento micelial de Phytophthora e pode incentivar a produção de substâncias de defesa em plantas, ou seja, pode ser usado preventiva ou curativamente. Isso porque ele diminui o desenvolvimento do fungo nas plantas, reduzindo a severidade da doença quando ela ocorre. Sua ação reduz até 60% a severidade e sintomas das doenças citadas.

Custo

O custo da aplicação é baixo, pois pode ser utilizado juntamente com outro produto, ‘barateando’ e não interferindo na ação de outros compostos.