23.6 C
Uberlândia
terça-feira, abril 16, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesFundação MT avalia danos de lagartas em algodão

Fundação MT avalia danos de lagartas em algodão

Biotecnologias do algodoeiro: atuação nas populações de lagartas

As lavouras de algodão têm sofrido com a ocorrência das lagartas falsa-medideira (Chrysodeixis includens), do complexo Spodoptera, com Spodoptera eridania e Spodoptera frugiperda, além de Helicoverpa armigera.
A incidência se dá, principalmente, em lavouras plantadas com cultivares que não possuem ferramentas de controle dessas pragas, como a tecnologia Bt. Pesquisas realizadas pela Fundação de Apoio à Pesquisa Agropecuária de Mato Grosso (Fundação MT) e apresentadas neste mês em Sapezal (MT) mostram a redução ou inexistência de danos em plantas transgênicas de algodão.
Os materiais capazes de expressar toxinas Bt (de Bacillus thurigiensis), por exemplo, apresentam controle das espécies de lagartas curuquê-do-algodoeiro (Alabama argillacea), falsa-medideira (C. includens), Helicoverpa armigera, lagarta-das-maçãs (Chloridea virescens) e Spodoptera spp., todas ocorrentes na cultura do algodão.

Créditos: Fundação MT

O que se viu

Nas pesquisas da Fundação MT desta safra, até o momento não se observou população de lagartas e, consequentemente danos, em cultivares Bt3, WS3 e GLTP. De acordo com Lucia Vivan, entomologista e pesquisadora da instituição, as avaliações seguirão até o final do ciclo a fim de verificar se haverá presença dessas pragas.
Já em cultivares não-Bt, nos mesmos experimentos, os danos iniciaram com a desfolha das plantas e também ocorreram nas estruturas vegetativas. A presença de lagartas S. eridania começou a partir do estádio F1, com maiores danos nas folhas e consumo de brácteas, e menores danos em botões florais.
A partir dos estádios com botão floral e maçãs, as infestações de lagartas S. frugiperda e H. armigera se intensificaram e provocaram danos nas estruturas vegetativas.
A especialista explica que foi observada a presença de lagartas S. frugiperda mesmo em cultivar Bt2, com danos nas estruturas como flores, botões e maçãs do algodoeiro, no entanto, em índices inferiores a cultivar não-Bt. “Essa é uma demonstração de que já existe um problema em relação à evolução de resistência para as proteínas Bt”, destaca.

Refúgio

A principal forma de evitar a redução da eficácia da tecnologia é a adoção de áreas de refúgio nas lavouras Bt. “A não adoção pode levar a um risco potencial de longo prazo. As pragas podem evoluir na resistência às proteínas Bt, levando à redução de sua eficácia, ou seja, perderemos essa ferramenta”, alerta Lucia.
Para prolongar a efetividade das proteínas Bt expressas em plantas transgênicas, é necessário a adoção de práticas conhecidas como programas de Manejo de Resistência de Insetos (MRI).
Esses programas são indispensáveis para as plantas transgênicas e demandam o plantio de algodão convencional na distância máxima de 800 metros entre as plantas, sendo 20% da área com material não-Bt.
O local é denominado “área de refúgio” e seu objetivo é permitir o cruzamento de insetos resistentes às proteínas Bt com insetos suscetíveis a essas proteínas, resultando em descendentes suscetíveis, restaurando com isso a suscetibilidade da população às proteínas do algodão Bt.

Manejo completo

Além do uso de cultivares Bt, WS3 ou GLTP, as pragas no algodão requerem um bom controle químico e biológico, além de práticas de manejo integrado, como monitoramento, manutenção e preservação de inimigos naturais, tratamento de sementes e estabelecimento de período específico de semeadura para cultivo em cada região.
A pesquisadora ressalta também que os controles químico e biológico devem ser utilizados para as pragas que não são alvos da tecnologia Bt.

ARTIGOS RELACIONADOS

Alerta geral – Novas pragas são um risco para a safra 2015/16

Duas novas pragas agrícolas foram detectadas no Brasil e têm causado grande preocupação aos agricultores, trata-se da mosca-da-haste da soja e Helicoverpapunctigera.Além das pragas,...

Organominerais – Mais nutrientes para o solo

Elaine Maria Silva Guedes Lobato Doutora e professora da Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA) " campus Paragominas elaine.guedes@ufra.edu.br Elizeu Monteiro Pereira Junior Graduando em Agronomia -...

Construindo a história do algodão com toda a cadeia produtiva

A FMC, já tradicional e consolidada no segmento de algodão, atua há 45 anos no Brasil, e há 40 anos em Minas Gerais. Além de...

Nufarm aposta no mercado de defensivos biológicos

Durante o evento, a Nufarm Brasil anunciou que pretende ampliar seus investimentos nesse setor. A companhia de origem australiana lançou recentemente no País dois...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!