20.2 C
Uberlândia
terça-feira, julho 16, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiFungicidas para requeima da batata

Fungicidas para requeima da batata

Jesus G. Töfoli

tofoli@biologico.sp.gov.br

Ricardo J. Domingues

Josiane T. Ferrari

Pesquisadores APTA ” Instituto Biológico

 

Fungicidas para requeima na batata - Crédito Jesus Töfoli
Fungicidas para requeima na batata – Crédito Jesus Töfoli

Rápido desenvolvimento e alto potencial destrutivo caracterizam a requeima como uma das mais importantes e agressivas doenças da cultura da batata. Causada pelo oomicetoPhytophthorainfestans, a doença afeta drasticamente folhas, hastes, pecíolos e tubérculos, podendo causar grandes perdas quando interagem com fatores como: cultivar suscetível, condições favoráveis e equívocos na adoção de medidas de controle.

Os fungicidas desempenham um papel decisivo no controle da requeima, uma vez que a maioria das cultivares comerciais é suscetível à doença. As estratégias de controle envolvendo esses produtos têm o objetivo de prevenir ou reduzir a doença no campo. Para isso, é necessário que se conheça detalhadamente o potencial de controle desses produtos para que possam alcançar os melhores níveis de controle em programas de aplicação ou sistemas de previsão de doenças.

Variáveis como modo e mecanismo de ação, suscetibilidade das cultivares, condições meteorológicas, escolha do produto, estádio fenológico da cultura, momento e tecnologia de aplicação influenciam diretamente na eficiência de controle de um fungicida, bem como podem definir o sucesso ou o fracasso do tratamento.

Os programas de produção integrada de batata têm recomendado o uso preventivo de fungicidas associado a medidas como: uso de sementes certificadas; plantio de cultivares com algum nível de resistência; evitar o plantio em áreas úmidas e sujeitas a neblina; irrigações controladas; adubação equilibrada; rotação de culturas; eliminação de restos culturais; controle de plantas daninhas e eliminação de hospedeiros intermediários e plantas voluntárias.

Programa de controle

Para o controle da requeima da batata, recomenda-se convencionalmente o uso inicial e sequenciado de fungicidas de contato a partir da emergência, com posterior aplicação de produtos sistêmicos, alternados com produtos de contato, nos estádios 3 (tuberização) e 4 (crescimento dos tubérculos).

Quando as cultivares são mais suscetíveis e as condições meteorológicas muito favoráveis, pode-se antecipar as aplicações com fungicidas mesostêmicos, translaminares e sistêmicos na planta para o estádio 2 (pleno crescimento vegetativo) visando uma maior proteção das plantas (Figura 1).

Alerta

A tecnologia de aplicação de fungicidas é fundamental para que haja sucesso no controle da requeima da batata. Má qualidade na aplicação dos produtos pode comprometer e limitar seriamente a eficácia dos fungicidas. Fatores como: tipo de bicos, volume de aplicação, pressão, altura de barra e velocidade do trator devem ser sempre considerados com o objetivo de proporcionar a melhor cobertura e penetração da calda na folhagem.

O uso de fungicidas deve ser realizado dentro de programas de controle integrado e deve seguir todas as recomendações do fabricante quanto à dose, momento oportuno para o tratamento, volume, intervalos, número de aplicações, uso de equipamento de proteção individual (EPI), intervalo de segurança, armazenamento de produtos e descarte de embalagens.

Para evitar a ocorrência de linhagens de P. infestans resistentes recomenda-se que os fungicidas específicos (sistêmicos) sejam utilizados de forma alternada ou formulados com produtos inespecíficos (contato); que se evite o uso repetitivo do mesmo mecanismo de ação; e que não se façam aplicações curativas em situações de alta pressão de doença.

Figura 1. Uso de fungicidas no controle da requeima em função da mobilidade na planta e estádios fenológicos da cultura da batata.

 Nova Imagem

Nova Imagem (1)

Fungicidas mesostêmicos – possuem alta afinidade com a camada cerosa das folhas, podendo ser absorvidos pelo tecido.

  Fungicidas translaminares – caracterizam-se por penetrar no tecido e se redistribuir a curtas distâncias.

Fungicidas sistêmicos – são absorvidosetranslocados na planta.

Fungicidas de contato – formam uma película protetora na superfície da planta.

Essa matéria você encontra na edição de agosto da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira a sua.

ARTIGOS RELACIONADOS

Cenoura: Oferta limita marca o ano

Não foram esperadas grandes mudanças no mercado de cenoura em 2021, uma vez que a ...

Brasil à frente – Sementes de alho livres de vírus

  A Embrapa desenvolveu uma tecnologia que permite ao produtor de alho manter bancos de multiplicação de sementes de alta qualidade em sua propriedade e,...

Genética e manejo no controle de viroses do tomateiro

    Leysimar Ribeiro Pitzr Guimarães Engenheira agrônoma e doutora em Proteção de Plantas - UNESP leysimarpitzr@yahoo.com.br Carlos Antonio dos Santos Engenheiro agrônomo e doutorando em Fitotecnia - UFRRJ carlosantoniods@ufrrj.br Margarida Goréte...

BASF destaca o manejo integrado de pragas e doenças em hortifrúti durante a Hortitec

A BASF apresenta soluções inovadoras para a proteção de hortifrúti durante 25ª edição da Hortitec, considerada a maior feira técnica de horticultura da América...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!