Fungicidas protetores movimenta R$ 2,1 bilhões

0
13
Soja – Créditos: shurtterstock

O estudo BIP – Business Inteligence Panel Soja, da Spark Inteligência Estratégica, recém-concluído, apurou que o segmento de fungicidas protetores para a oleaginosa cresceu pela sexta vez consecutiva na safra 2020-21. Utilizados principalmente no manejo de resistência do fungo causador da ferrugem asiática, esses insumos movimentaram R$ 2,1 bilhões, desempenho 23% acima do período 2019-20. Segundo a Spark, entre as safras 18-19 e 19-20 os protetores já haviam avançado 46¨% em vendas, para R$ 1,75 bilhão.

O levantamento da Spark constatou que as vendas totais de agroquímicos para aplicação na soja brasileira foram de R$ 31,3 bilhões no ciclo 2020-21, um resultado 17% superior ao da safra anterior (R$ 26,7 bilhões). Na análise por categoria, adianta consultoria, os fungicidas foliares, que abrangem os fungicidas protetores, corresponderam a 41% do mercado total ou R$ 12,7 bilhões, com elevação de 13% na comercialização.

Conforme a Spark, o índice de adoção dos fungicidas protetores pelo agricultor saltou para 71%, contra 68% da safra 2019-20, enquanto o número médio de aplicações atingiu 2,1, alta de 5,6%. Já a área potencial tratada ou PAT chegou a 58,9 milhões de hectares, com crescimento de 18% frente ao período anterior (49,8 milhões de hectares).

Coordenadora de projetos da Spark Inteligência Estratégica, a engenheira agrônoma Natalia Piai salienta que a preocupação com o controle da ferrugem asiática deverá voltar a impulsionar o desempenho dos protetores no ciclo 2021-22.

“Essa tendência se justifica pelo aumento no uso do chamado manejo de resistência. Trata-se de uma prática que, entre outras medidas, prevê a aplicação conjunta ou alternada de fungicidas com diferentes modos de ação. Além de usados preventivamente, antes do estabelecimento de infecções, os protetores auxiliam a preservar a eficácia de outras moléculas de fungicidas, diante do potencial desenvolvimento de resistência pelo fungo causador da doença a ingredientes ativos”, explica Natalia Piai.

A agrônoma acrescenta ainda que ao longo da fronteira agrícola da oleaginosa, os Estados de maior importância em área cultivada, como Mato Grosso e Rio Grande do Sul, registraram aumento nos índices de adoção dos protetores, para 72% e 80% das lavouras, respectivamente. Também tiveram alta no emprego dos produtos o eixo-Goiás-Distrito Federal (64%) e o Mato Grosso do Sul (78%), na terceira e quarta posições do levantamento da Spark.

Câmbio – Na moeda americana, o levantamento BIP Spark Soja registrou queda de 13% no faturamento do mercado de agroquímicos para a cultura, de US$ 6,778 bilhões, na safra 2019-20, para US$ 5,928 bilhões. Conforme a consultoria, esse resultado veio atrelado ao impacto cambial negativo, de 26%, nas cotações médias do dólar no período de compra dos produtos: R$ 3,94, no ciclo 2019-20 e R$ 5,29 no 2020-2021.

Sobre a Spark Inteligência Estratégica

A credibilidade e os diferenciais competitivos conquistados pela Spark Inteligência Estratégica resultam de um intenso trabalho em nível de campo, realizado nas últimas cinco safras, envolvendo milhares de produtores-chave dos principais cultivos do País. A Spark reúne um amplo e diversificado acervo de informações quantitativas e qualitativas sobre os mercados de defensivos agrícolas e sementes. Em seis anos de atividades, a Spark concluiu mais de 160 estudos especiais e 300 cotas de estudos painel. Nesse período, os profissionais da empresa aplicaram mais de 130 mil entrevistas e percorreram em torno de 4,5 milhões de quilômetros no território nacional.

Mais informações: http://spark-ie.com.br/