17.7 C
Uberlândia
sexta-feira, julho 12, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosGenética e novos patamares de produtividade do milho

Genética e novos patamares de produtividade do milho

 

 

Paulo de Oliveira Guimarães

Pesquisador e gestor do Núcleo de Recursos Genéticos e Desenvolvimento de Cultivares da Embrapa Milho e Sorgo

FotosShutterstock
FotosShutterstock

Os primeiros plantios comerciais de milho Bt foram conduzidos na safra-verão 2008/09, enquanto os com tolerância ao herbicida glifosato, na safra 2009/10. Até a década de 70, os investimentos em desenvolvimento de cultivares de milho no Brasil eram baixos, resultando em materiais de baixo potencial de produção, ciclo tardio, porte muito alto, baixa tolerância ao acamamento, quebramento e pouca adaptação à colheita mecânica.

Atualmente, o Brasil é o país onde há maiores investimentos no melhoramento de milho tropical. É um mercado altamente competitivo, com a participação de empresas multinacionais, nacionais e institutos de pesquisa.

Para a safra e safrinha das principais regiões produtoras, investimentos maciços são realizados no desenvolvimento de cultivares considerando produtividade, sistema de produção, diversidade de ciclo, tolerância ao acamamento e quebramento, resistência às principais pragas e doenças foliares, de colmo e de grãos, tolerância à seca e eficiência no uso de nutrientes.

Evolução

Em comparação com as cultivares antigas, as atuais apresentam produtividades muito maiores, porte mais baixo, diversidade de ciclo (do hiperprecoce ao tardio), eventos transgênicos de resistência às pragas e tolerância aos herbicidas e melhor adaptação à maior densidade de plantio.

As cultivares atuais possibilitaram maior produtividade em áreas favoráveis e o cultivo em ambientes (como o Cerrado) e épocas marginais (“do cedo“, no Sul, e safrinha) e a geração de produtos com valor agregado (milhos doce, verde, ceroso, pipoca, com alto óleo e alto valor nutricional).

Os híbridos que são lançados podem ser considerados verdadeiros campeões, pois suplantaram milhares de outros em exaustivos testes realizados em centenas de ambientes no País. Toda essa capacidade de teste também propicia agilidade na seleção de materiais que atendam novas demandas, como menor incidência de micotoxinas nos grãos e maior resistência a doenças, enfezamentos e nematoides.

Essa matéria você encontra na edição de outubro 2017 da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira já a sua.

ARTIGOS RELACIONADOS

Aminoácidos aumentam a absorção dos nutrientes

  Welington Adolfo de Brito Engenheiro agrônomo, pós-graduado em Manejo da Fertilidade do Solo em Cerrado e professor do Centro Universitário do Cerrado de Patrocínio...

A forma certa de aplicar fósforo no feijoeiro

Nilton Gomes Jaime Engenheiro agrônomo, mestre e consultor-proprietário da Cerrado Consultoria Agronômica ngjconsultor@yahoo.com.br   O Brasil é o maior produtor mundial de feijão (Phaeseolusvulgaris L.), com produção média...

Trigo – Avanço do cultivo no calor do Cerrado

No Brasil, o cultivo do trigo sempre foi uma atividade dos Estados de climas mais frios do País, mas aos poucos esse cenário vem sendo modificado, com o avanço dos trigais pelo Cerrado brasileiro. Hoje já tem trigo sendo produzido até no Nordeste.

Floema traz soluções nutricionais para seu cultivo

É com grande satisfação que a Floema é parceira do Seminário do Café, um evento que, com sua seriedade, busca o envolvimento de todos...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!