15.2 C
Uberlândia
domingo, julho 14, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosGesso corrige o solo em profundidade

Gesso corrige o solo em profundidade

O gesso apresenta solubilidade em água 150 vezes maior que a do calcário. Devido a esse alto í­ndice, não é necessária a sua incorporação ao solo. “Com uma chuva de 100 mm é possível dissolver duas toneladas de gesso“, esclarece Djalma Martinhão Gomes de Sousa, doutor em Química e Fertilidade de Solos e pesquisador da Embrapa Cerrados.

Importância da aplicação do gesso

O gesso, quando aplicado em solos com restrições químicas para o desenvolvimento radicular das plantas, promove o crescimento das raízes, além de ser fonte de dois importantes nutrientes: cálcio (Ca) e enxofre (S).

“Além de suprir as culturas com Ca e S, ele promove maior desenvolvimento radicular em profundidade, levando ao aumento da absorção de nutrientes e água. O elevado desenvolvimento das raízes em profundidade aumenta a tolerância das culturas a veranicos, muito comuns na região do cerrado“, detalha o especialista.

Culturas beneficiadas

Na região dos cerrados, as culturas anuais (soja, milho, feijão, trigo e algodão) apresentam respostas significativas e econômicas à aplicação do gesso. Outras culturas, como cana-de-açúcar, café, eucalipto, pastagens, manga, entre outras, também são beneficiadas com o uso desse produto.

Manejo

O gesso, quando necessário, deve ser aplicado a lanço, distribuído da forma mais homogênea possível, não sendo necessária a incorporação ao solo, o que, segundo Djalma Martinhão, gera economia ao produtor em relação ao custo da incorporação. “O gesso pode ser aplicado em qualquer época do ano, mas o ideal é antes do início da estação chuvosa, para que o produtor já tenha o benefí­cio no ano de aplicação“, ensina.

Detalhes importantes

Para verificar se o terreno apresenta impedimento químico no que diz respeito ao desenvolvimento das raízes, é importante realizar a amostragem do solo em profundidade (até 60 cm) e encaminhá-la para a análise química. Quando a saturação de alumínio do solo for maior que 20% ou o teor de cálcio menor que 0,5 cmolc/dm3 nas camadas de solo abaixo dos 20 primeiros centímetros, o gesso deve ser aplicado.

A dose é quantificada em função do teor de argila das camadas inferiores do solo, por meio da fórmula:

Culturas anuais ” DG (kg/ha) = 50 x argila (%)

Culturas perenes e cana-de-açúcar ” DG (kg/ha) = 75 x argila (%)

DG = Dose de Gesso agrícola com 15% de S.

Custo

O preço do gesso é baixo, variando de R$ 40,00 a R$ 60,00 a tonelada. “O maior custo, dependendo da distância da propriedade ao local de compra do gesso, pode ser com o frete. Quanto ao retorno econômico, devido ao uso do gesso, ele é certo, podendo, na maioria das vezes, ser pago no ano de aplicação do produto. Como o efeito residual é grande, a tecnologia apresenta alta relação custo-benefício. Considerando um período de cinco anos, essa relação é de 15 a 25, o que significa dizer que, para cada R$ 1,00 aplicado em gesso, haverá um retorno de R$ 15,00 a R$ 25,00 em grãos, em razão do aumento da produtividade das culturas“, afirma Djalma Martinhão.

ARTIGOS RELACIONADOS

A semente da vida está em nosso solo

  Antonio Roque Dechen Presidente do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS), professor Titular do Departamento de Ciência do Solo da ESALQ/USP, presidente da Fundação Agrisus...

Como preparar uma solução nutritiva?

  Pedro Roberto Furlani Doutor em Agronomia e professor colaborador do Instituto Agronômico e da Universidade Estadual de Campinas pfurlani@conplant.com.br   Solução nutritiva, por definição, é a solução aquosa...

Recipientes de papel biodegradável na produção de mudas florestais

David Pessanha Siqueira Engenheiro agrônomo e mestre em Produção Vegetal pessanhasdavid@hotmail.com Em um viveiro de produção de mudas florestais, muitos fatores influenciam a qualidade final, dentre eles:...

Energia – O novo produto agrícola da propriedade rural

  Carlos Reisser Júnior Doutor e pesquisador Embrapa Clima Temperado carlos.reisser@embrapa.br Rodrigo Motta Azevedo Engenheiro agrônomo e professor do IFSul Eduardo Teixeira da Silva Mestre, pós-graduando UFB Clênio R. K. Böhmer Doutor e...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!