22.6 C
Uberlândia
domingo, maio 19, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesGirassol é opção de rotação e sucessão de culturas

Girassol é opção de rotação e sucessão de culturas

Girassol – Crédito Shutterstock

O girassol é uma cultura de ampla capacidade de adaptação às diversas condições de latitude, longitude e fotoperíodo. Nos últimos anos, vem se apresentando como opção de rotação e sucessão de culturas nas regiões produtoras de grãos, principalmente após a soja na região centro-oeste.

A maior tolerância à seca, a menor incidência de pragas e de doenças, além da ciclagem de nutrientes, principalmente potássio, são alguns dos fatores que têm possibilitado sua expansão e consolidação como cultura técnica e economicamente viável nos sistemas de produção.

A maior tolerância do girassol à seca é, principalmente, devido ao sistema radicular profundo que explora grande volume de solo e, consequentemente, absorve maior quantidade de água e nutrientes. Entretanto, o cultivo de girassol deve ser destinado às áreas que, preferencialmente, adotem práticas de manejo melhoradoras das características físicas do solo, pois o girassol é fisicamente sensível à compactação de solo e quimicamente à acidez.

Regiões de cultivo

O girassol é uma cultura que se desenvolve bem na maioria dos solos agricultáveis, podendo ser cultivado em praticamente todo o território nacional, desde o Rio Grande do Sul até o hemisfério norte, no Estado de Roraima.

Atualmente, ele é cultivado comercialmente principalmente nos Estados de Mato Grosso, Minas Gerais, Goiás, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Paraná, Bahia e Ceará, principalmente na safrinha, em semeadura direta, especialmente após a cultura da soja.

O principal destino desta produção é atender a indústria de óleo comestível ou da agroindústria, o mercado de pássaros, o de silagem e até a produção de biodiesel. Além disso, existem estudos de empresas oficiais de pesquisa, e mesmo experiência de agricultores, mostrando que é uma cultura com expectativa de sucesso também em Roraima, onde o ciclo pode ser de 75 a 80 dias, enquanto nas demais regiões é de aproximadamente 110 dias.

O Nordeste brasileiro é outra região que vem testando o girassol, com grandes possibilidades de sucesso. Nessa região, consiste numa cultura de interesse para a pequena propriedade, já que, pelo alto teor de óleo no grão, permite a extração mecânica do óleo, que pode ser centralizada nas comunidades e associações rurais, utilizando prensas simples.

Esse aspecto proporciona a agregação de valor ao produto, contribuindo para a sustentabilidade da agricultura familiar, que além de fornecer óleo comestível de excelente qualidade, fornece como coproduto, torta de girassol para o arraçoamento da pecuária local.

Diferentes usos

O girassol é principalmente cultivado no mundo como fonte de óleo comestível, sendo a terceira cultura anual com maior produção de óleo no mundo. Entre as culturas anuais, o girassol é responsável por 16% da produção mundial de óleo, enquanto a soja atende por 46% da produção.

Por outro lado, considerando as principais culturas produtoras de óleo (culturas anuais e perenes), o girassol responde por 9%, logo após a palma de óleo (dendê) com 35%, a soja com 26% e a canola com 15%.

O óleo de girassol destaca-se por suas excelentes características nutricionais e funcionais à dieta humana. Possui alta relação de ácidos graxos poli-insaturados/saturados (65%/11%), em média, sendo que o teor de poli-insaturados é constituído, em sua quase totalidade, pelo ácido graxo linoleico.

Chamamos de ácidos graxos essenciais aqueles que, contrariamente a todos os outros, não podem ser sintetizados pelo organismo humano, por meio de vias metabólicas próprias. Estes ácidos graxos, não produzidos pelo organismo, devem ser ingeridos por meio dos alimentos, e o girassol produz em abundância.

Recentemente, tem sido introduzido no mercado o girassol rico em ácido graxo oleico (girassol alto oleico). A presença deste ácido graxo, além de trazer os benefícios à saúde, confere ao óleo alto grau de estabilidade oxidativa, sendo bastante procurado pela indústria de alimentos.

O girassol também pode ser fonte de proteínas para alimentação animal na forma de farelo e até como silagem. Os farelos constituem importante fonte de proteína para a alimentação animal, formados por aproximadamente 44% de proteína bruta, rico em ferro e cálcio, vitaminas A e do complexo B com valor biológico elevado (60%), alto teor de metionina e sulfurados, mas com menor conteúdo de lisina, comparado com a soja.

Estudos realizados no Brasil e demais países produtores de girassol têm demonstrado a eficiência nutricional da torta de girassol na formulação de rações para nutrição animal. Não podemos esquecer também do mercado de grãos para alimentação de pássaros – para essa finalidade, o mercado prefere os grãos rajados de preto e branco – e o mercado de grãos para confeitaria, para confecção de pães, bolos, biscoitos, etc. ou para ser consumido torrado.

Além dessas vantagens diretas, existe a possibilidade de produção integrada de mel de excelente qualidade, uma vez que a flor de girassol é bastante atrativa para abelhas. A lavoura também é beneficiada pela melhor polinização realizada pelas abelhas, favorecendo maior produção de grãos.

Outro mercado que vem despertando grande interesse entre a população é o de girassol ornamental, que pode ser utilizado em jardins ou como flor de corte, com grande aceitação no mercado de floricultura.

Girassol na safrinha

O girassol pode ser cultivado antecipando-se à cultura principal, em algumas condições e, em outras, pode ser semeado na safrinha, substituindo, parcialmente, o milho ou o sorgo. Devido à maior tolerância ao estresse hídrico, o girassol apresenta-se como opção de safrinha para o Centro-Oeste brasileiro, abrindo nova perspectiva de cultivo e renda ao agricultor.

Outra característica importante do girassol é seu sistema radicular, que explora grande volume de solo, o que possibilita absorver quantidade de água e nutrientes. Além disso, é conveniente salientar que um hectare de girassol pode produzir em torno de 4,0 a 6,0 toneladas de restos culturais, dependendo do manejo e do genótipo utilizado.

Esses restos são ricos em nutrientes e, com sua decomposição, beneficia as culturas em sucessão, pela grande ciclagem de nutrientes. Nesse processo de ciclagem, destacam-se o potássio, o cálcio e o boro, que apresentam taxas de exportação reduzidas, ou seja, pouco é retirado da área pelos grãos, ficando os nutrientes da parte aérea à disposição para as culturas semeadas em sucessão.

A rentabilidade, fator também determinante na escolha de cultivo, será função não só dos preços praticados no mercado, mas também do manejo da cultura/custo de produção e da produtividade alcançada. Além do lucro financeiro, os benefícios resultantes da ciclagem de nutrientes devem ser também computados na rentabilidade da cultura, colaborando para a sustentabilidade do agronegócio do girassol no Brasil.

Fonte: Embrapa Soja

ARTIGOS RELACIONADOS

Os principais obstáculos enfrentados pelo produtor em 2022

Informações foram levantadas pela agtech SIMA junto aos parceiros e clientes e apontam doenças e pragas, guerra, adversidades climáticas e mercado como os maiores vilões do setor na safra passada

Dia Mundial dos Pulses

Os pulses representam um conjunto de leguminosas de grãos secos, que possuem grande importância na alimentação humana ao redor do planeta.

Mistura em tanque: Qual a realidade?

Pesquisas mostram que 97% dos agricultores praticam a mistura A mistura de produtos para pulverização é utilizada pela maioria dos produtores, especialmente para aumentar o número...

Resistência às pragas em híbridos de milho

Autora Patrícia de Oliveira Alvim Veiga Doutora em Fitotecnia, professora da Universidade Federal de Lavras e coordenadora do Curso de Agronomia do Ifsuldeminas Campus...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!