Go Coffee foca em expansão nacional e pretende atingir 350 lojas até o final de 2022

Com investimento inicial de R$ 170 mil, a Go Coffee se destaca por um negócio sem cobrança de royalties.

0
57
Divulgação

Com a alta demanda, microcafeterias ganharam força nas principais capitais do Brasil e, atualmente, estão se espalhando por todas as regiões, principalmente no modelo “to go”. A rede curitibana Go Coffee, grande referência e pioneira no segmento, nasceu na capital paranaense em 2017 e já conta com 240 unidades comercializadas e 112 lojas abertas em mais de 70 cidades brasileiras. A rede comercializa aproximadamente 2,5 toneladas de café por mês e, até o final de 2022, pretende aumentar este número ao atingir o marco de 350 lojas vendidas.

O Brasil é o maior produtor de café do mundo, com uma área de 2,3 milhões de hectares de produção do grão, totalizando aproximadamente 59 milhões de sacas de 60kg ao ano. Já quando o assunto é consumo, a região Sudeste do país é destaque neste quesito, sendo responsável por 45% do consumo nacional.

De acordo com o sócio fundador da Go Coffee, André Henning, o modelo de negócio da empresa segue bases internacionais, a partir de estudos de cafeterias americanas e europeias. “Quando a marca surgiu em Curitiba, não tínhamos um café 100% ‘to go’ na cidade, sem nada de louça ou qualquer incentivo para consumir no local”, conta. A primeira loja, localizada no bairro Batel, contou com um projeto de apenas 25m², com cardápio autoral de bebidas e ambiente instagramável, um formato pioneiro no país. “Nos concretizamos a cafeteria mais cool do Brasil”, comemora.

A expansão da marca teve início seis meses depois com a inauguração de duas novas lojas próprias, também na capital paranaense. Em seguida, foi dado início ao processo de franchising, já com possibilidade de lojas maiores, permitindo à marca oferecer também snacks e petiscos de criações licenciadas para acompanhar o café. “Não expandimos através de uma empresa terceira, mas sim de forma interna. Criamos um modelo de background que desse certo, para só depois dar início ao processo de franchising”, diz. “Nosso grande diferencial é, com certeza, a não cobrança de royalties”, complementa André.

LEIA TAMBÉM:

Clubes de assinatura de café se multiplicam

Uso de inoculantes: reflexos no crescimento do cafeeiro

Formato de negócio da Go Coffee

Na Go Coffee, o franqueado paga a taxa de franquia para ter o direito de uso de marca, mas não possui qualquer vínculo de mensalidade. A empresa funciona como uma fábrica distribuidora de insumos e produtos, com produção de doces e desenvolvimento de bases para bebidas. “Somos uma das únicas empresas do Brasil que desenvolveu os próprios xaropes e itens de consumo. E isso oferece segurança ao franqueado, porque ele sabe que do Rio Grande do Sul ao Ceará todos estarão com o mesmo muffin, o mesmo cookie e as mesmas bebidas padronizadas”, aponta.

Além disso, a Go Coffee se compromete em contrato a repassar aos franqueados mercadorias com valor inferior a praticada no mercado. “Comprando mais barato, a lucratividade do franqueado aumenta. E se ele vende mais, eu também vendo mais. Assim conseguimos fomentar uma rede sustentável e de economia circular”, explica André.

Entre os destaques do cardápio da Go Coffee estão os famosos frappes, com destaque para o Caramel, à base de creme ou café, bastante caramelo e finalizado com chantilly. Já na parte de bebidas quentes, a rede oferece diversas opções diferentes, que vão desde o tradicional Espresso até o Camelotto, preparado com espresso, leite vaporizado e calda de caramelo, e o Chocomallow, à base de chocolate quente cremoso e marshmallow maçaricado.

Para mais informações sobre a Go Coffee, confira o perfil oficial da rede no Instagram (@gocoffeebrasil) ou acesse o site.