Grafite e outros elementos lubrificantes

0
10

João Carlos Nunes
Engenheiro agrônomo e mestre em Ciência e Tecnologia de Sementes, especializado em Tratamento de Sementes (Tecnologia de aplicação, Qualidade e Controle químico e biológico) e consultor na STI Consultoria
sticonsultoria.ts@gmail.com

Neste artigo, abordo vários aspectos inerentes às substâncias lubrificantes sobre sementes tratadas no intuito de melhorar os processos de semeadura. Obviamente, sendo o grafite o principal insumo utilizado nesta fase, será o foco maior aqui apresentado.
Sabemos que com a adoção generalizada do tratamento de sementes (TS) com agroquímicos em vários cultivos, como soja, milho, algodão, arroz, trigo, etc., a plantabilidade original destas sementes é alterada.
Esta situação ocorre devido ao recobrimento das sementes, pois com a introdução desta tecnologia, as características da superfície das sementes são alteradas e, por consequência, a plantabilidade em geral é afetada em relação às mesmas sementes sem o tratamento. De maneira geral, o atrito entre sementes e os mecanismos dos dosadores de sementes do equipamento aumentam.
Como a origem de sementes duplas e falhas está, em sua maior parte, ligada ao dosador de sementes, é fundamental que a regulagem da semeadora seja realizada sempre com as sementes tratadas.

Cálculo da eficiência

O termo singulação nos leva ao indicador utilizado para avaliar a quantidade de sementes corretamente semeadas em uma lavoura. O cálculo da eficiência é realizado subtraindo-se o percentual de falhas e duplas de 100%. Quanto menores forem os números de falhas e duplas, mais próximos da eficiência máxima (100%) melhor.
No caso específico do milho, uma falha em um metro linear resultaria em uma perda de cerca de 15 a 20% no número de plantas por hectare. Já no caso de plantas duplas vamos ter uma disputa por luz, água e nutrientes, o que também prejudica a produtividade.
Em soja, onde algumas cultivares têm populações ideais bem baixas, as falhas e duplas também se mostram importantes na produtividade.
Na tentativa de minimizar estes inconvenientes causados pelo aumento de atrito, os agricultores passaram a utilizar um lubrificante simples e barato, o grafite. Muitas empresas produtoras de sementes incluem o uso do grafite em suas recomendações para plantio.
Além do grafite, existem ainda os pós de acabamento específicos para tratamento de sementes denominados pós secantes ou talco. Alguns pós utilizados como lubrificantes eventualmente contêm grafite ou carbono isento de ferro. Recentemente foi desenvolvido um produto que tem a soja como matéria-prima.

Segurança para as sementes

O grafite tem se mostrado um produto seguro para as sementes, não afetando a sua qualidade fisiológica e tem baixo custo. Estudo realizado por Augusto Goulart em 2000 demonstrou não haver efeito negativo do uso de grafite em TS sobre a emergência de sementes de soja e sobre a ação fungicida.
Roberto Jasper, em 2006, também constatou que o uso de grafite não prejudicou a germinação de sementes de milho. Da mesma forma, grande parte dos pós de acabamento utilizados com finalidade lubrificante têm se mostrado seguros em relação à qualidade fisiológica das sementes, de acordo com vários trabalhos disponíveis.
O uso de grafite em tratamento de sementes é antigo. No início de sua utilização, sua aplicação era feita quase que exclusivamente na caixa de sementes de cada fileira de semeadura.
Geralmente o grafite era colocado especificamente no fundo de cada caixa de sementes, diretamente sobre o mecanismo de distribuição de distribuição em semeadoras mecânicas com discos horizontais. Posteriormente, alguns agricultores passaram a colocar sobre a superfície das sementes já colocadas na caixa.
Desta forma, o grafite cairia por gravidade sobre as demais sementes durante a movimentação da máquina durante a semeadura. Esta forma de distribuição rudimentar é desuniforme e resulta em baixa eficiência.

A realidade

Na atualidade, é comum o uso de vários insumos na forma de tratamento de sementes. Além dos tradicionais fungicidas, inseticidas, nematicidas e inoculantes, muitas vezes o agricultor ou fornecedor de sementes utilizam produtos adicionais, como micronutrientes, bioestimulantes, produtos à base de algas, produtos de controle biológico, hormônios, substâncias protetoras de biológicos, etc.
Além disso, em regiões do Centro-Oeste brasileiro, especialmente no Mato Grosso e Goiás, muitos sementeiros passaram a adotar o uso de filmes de recobrimento (polímeros) e pós de acabamento (talco secante/lubrificante) e grafite no TS para facilitar a operação de semeadura.
O uso do grafite na caixa de sementes ainda ocorre de forma bem generalizada, sendo recomendação rotineira de vários sementeiros. Outro fator importante é que com a adoção de grandes equipamentos de semeadura, grande número de linhas de plantio e abastecimento das sementes tratadas a partir de uma ou mais caixas de grande capacidade (até 1,5 T), as dificuldades de transporte destas sementes até a linha de plantio surgiram.
Com isso, muitos agricultores passaram a utilizar a grafitação das sementes, ou seja, incorporar o grafite como revestimento das sementes.

Manejo

Quanto ao modo de aplicação, existe muita discussão sobre o melhor modo e momento. Alguns agricultores preferem colocar o grafite no momento da aplicação para agilizar a operação, sobre os agroquímicos e com as sementes úmidas.
Pereira e outros concluíram que no sistema de distribuição de sementes mecânico com discos horizontais, para o dosador convencional a adição do grafite durante o tratamento de sementes (junto com a calda de químicos) proporcionou um resultado de 57,24% dos espaçamentos aceitáveis, diferindo estatisticamente dos resultados apresentados com a adição do grafite após o tratamento, sendo 61,5% de espaçamentos aceitáveis.
O dosador Titanium com a tecnologia de disco Ramp Flow expressou resultados bem distintos. A adição de grafite durante o tratamento de semente, neste segundo caso, proporcionou o resultado de 79% de espaçamentos aceitáveis e a adição de grafite após o tratamento de sementes proporcionou 90,25% de espaçamentos aceitáveis.
Entretanto, é consenso a utilidade do grafite no recobrimento de sementes, daí sua popularidade entre os agricultores.
A dose de grafite para soja, algodão e milho, segundo várias fontes consultadas, varia de 2,0 – 6,0 gr/por kg de sementes. É importante salientar que a dose de grafite vai variar de acordo com o equipamento utilizado, seu porte, tipo de cultura, peneira e formato das sementes.

Atenção

Devemos nos atentar que, além dos pontos anteriormente citados, o conjunto dos tratamentos utilizados vai influenciar na dose de grafite. Não podemos generalizar uma dose para diversas situações.
O ideal é realizar o acerto da dose de grafite de acordo com o conjunto de produtos que serão utilizados em uma bancada simuladora de plantabilidade ou no próprio equipamento de semeadura na hora da regulagem de distribuição das sementes.
Por outro lado, muitos agricultores querem sentir o grafite saindo das sementes quando colocam as mãos nas sementes. Isso pode levar ao uso de doses excessivas de grafite que podem trazer alguns inconvenientes resultantes das perdas de cobertura por excesso, as quais acabam produzindo poeiras flutuantes que se espalham nos ambientes de realização de tratamento de sementes, sujando o equipamento, paredes e pisos, sendo de difícil limpeza.
A geração de poeiras flutuantes no ambiente de trabalho não é desejada. O acúmulo de poeiras de grafite sobre o piso da área de tratamento das sementes e ensaque pode torná-lo escorregadio, implicando em riscos de queda. Os operadores, em geral, não apreciam o uso de pós de acabamento pelo desconforto e pela sujeira aderida aos equipamentos e roupas.
Importante lembrar a necessidade de uso de equipamento de proteção individual, com ênfase para a proteção respiratória. Outro ponto a considerar são os riscos para os equipamentos elétricos, painéis eletroeletrônicos, etc., pois como o grafite tem algum conteúdo de ferro, a penetração nestes painéis e equipamentos poderia gerar curtos-circuitos.

Lançamentos

Além do grafite puro, recentemente os fabricantes de filmes de recobrimento (popularmente denominados polímeros) lançaram alguns pós de acabamento com grafite incluído na formulação. Este tipo de formulação auxilia na operação de tratamento de sementes, tanto no tratamento profissional de sementes nas indústrias produtoras de sementes como no tratamento de sementes realizado nas revendas ou na própria fazenda, neutralizando a umidade dos produtos aplicados e facilitando a plantabilidade. Existem produtos com diversas concentrações de grafite em sua fórmula.
Recentemente, foram desenvolvidas alternativas ao grafite e aos pós de acabamento grafitados na forma de pós secantes com propriedades lubrificantes, sendo um deles produzido com componentes oriundos da própria soja e outro que contém carbono sem presença de ferro.

Desafios

Alguns desafios para as companhias produtoras de sementes são a mudança do paradigma cor. Do ponto de vista da percepção dos agricultores, ainda existe uma ligação da cor à identificação da oferta de cada grande empresa de agroquímicos ou da própria sementeira.
Outro ponto é convencer os agricultores de que as alternativas ao grafite, os pós secantes contendo grafite ou com outras formulações, podem ser tão eficientes quanto o uso do grafite puro. De qualquer forma, a migração de cores vermelhas, azuis e verdes para a utilização de polímeros de cor preta e do grafite está ocorrendo de uma forma bem intensa nas regiões do centro-oeste, onde predominam grandes produtores e suas megamáquinas semeadoras de dezenas de linhas de plantio.
Assim, constatamos que o uso do grafite e pós contendo grafite se estabeleceu como de uso comum a todas as semeadoras, sejam elas pequenas ou grandes, mecânicas ou a vácuo. Especificamente no caso dos grandes equipamentos com sistemas de semeadura a ar e com grande número de linhas de plantio, estas tecnologias têm sido consideradas importantes para a lubrificação das sementes tratadas e para que o transporte das sementes da caixa central até a linha de plantio ocorra com a maior facilidade possível.