26.6 C
Uberlândia
sexta-feira, junho 14, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiGreening - Pesquisa de uma década comprova outro jeito para tratar

Greening – Pesquisa de uma década comprova outro jeito para tratar

Fotos Camilo Melina
Fotos Camilo Melina

Só em 2017, 32 milhões de árvores do parque citrícola de São Paulo e Minas Gerais (16,73%) já foram afetadas pelo greening (Huanglongbing/HLB), segundo levantamento do Fundecitrus divulgado em junho.

A doença afeta quase todas as regiões produtoras de citros do mundo e também coloca em risco a citricultura brasileira. Em busca de uma solução, um grupo de pesquisadores da Conplant, empresa focada em nutrição e fisiologia de plantas, em parceria com a Allplant, da área de fertilizantes, desenvolveram o manejo fisiológico do greening.

O MFG, como está sendo chamado, possibilita o controle do desenvolvimento do HLB ou amarelão, como também é conhecida a doença, bem como implantar novos pomares em áreas contaminadas.

O novo tratamento não evita o aparecimento da doença, mas “é um conjunto de ações baseado em nutrição, estimulantes vegetais e manejo de solo, que previne o desenvolvimento da severidade da doença e evita que ela cause grandes danos e prejuízos às plantas“, explica o engenheiro agrônomo, Camilo Lázaro Medina, pesquisador da Conplant e líder do desenvolvimento do MFG.

Pesquisa

Pesquisador Camilo Melina junto as plantas recuperadas que receberam  MFG e logo atrás planta com HLB sem manejo - Fotos Camilo Melina
Pesquisador Camilo Melina junto as plantas recuperadas que receberam MFG e logo atrás planta com HLB sem manejo – Fotos Camilo Melina

De acordo com o pesquisador e diretor da Conplat, OndinoCleante Bataglia, são mais de 10 anos de pesquisa para o desenvolvimento do tratamento à base de nutrientes e bioestimulantes. O MFG já está sendo aplicado com sucesso em pomares comercias nos Estados de São Paulo, Minas Gerais e Paraná.

O pesquisador Camilo Medina relata que “os pomares que recebem o tratamento, além do controle da doença,apresentam aumento da produtividade, pois o manejo, além de agir nas plantas sintomáticas, oferece nutrientes que também ajudam as plantas sadias“.

Os pesquisadores ressaltam que, mesmo com MFG, o combate ao inseto vetor da doença, o psilídeo, não pode ser interrompido. Além disso, é importante seguir as orientações dadas pelas legislações a respeito do greening.

Essa matéria você encontra na edição de janeiro 2018  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua.

ARTIGOS RELACIONADOS

Extrato de cebola como bioestimulante

O extrato de cebola e os resultados na germinação de escleródios de Botrytis squamosa.

Tecnologia para potencializar a nutrição vegetal e qualidade das lavouras

Sediada em Araxá (MG), a Satis é especializada em produtos de nutrição vegetal foliar que proporcionam melhor absorção de nutrientes e potencializam a capacidade...

Biolchim apresenta oportunidades para o segmento HF

A Biolchim participa da Hortitec desde 2009, um evento de grande importância para a empresa, onde há oportunidade de interagir e confraternizar com vários...

Como acertar na nutrição da beterraba?

Entender o funcionamento nutricional da cultura é fundamental para alcançar altas produtividades.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!