28.6 C
Uberlândia
sábado, abril 13, 2024
- Publicidade -
InícioDestaqueshEDGEpoint avalia impactos da estiagem nas lavouras gaúchas durante a safra 2022/2023

hEDGEpoint avalia impactos da estiagem nas lavouras gaúchas durante a safra 2022/2023

Safra de grãos no Rio Grande do Sul já estima perda de 50 a 60%.

Prejudicado pelo fenômeno La Niña durante o verão, período crucial para o desenvolvimento da soja, o agronegócio do Rio Grande do Sul ainda sofre os efeitos da seca e tem cerca de 200 municípios em situação de emergência. A hEDGEpoint Global Markets, companhia especializada em commodities e gestão de riscos e que tem um escritório recém-inaugurado em Passo Fundo (RS), lista os impactos do clima no setor rural gaúcho.

“O RS tem um importante papel no agronegócio brasileiro. A soja, o milho, o arroz e o trigo estão entre as principais commodities produzidas e exportadas pelo estado. Mas a estiagem no Rio Grande do Sul vem causando prejuízos aos agricultores”, observa Eduardo Três, Gerente sênior de Relacionamento da hEDGEpoint Global Markets.

Reprodução: hEDGEpoint Global Markets

Durante o verão, período crucial para o desenvolvimento da soja, o efeito La Niña prejudicou as plantações. Com clima quente e ausência de chuvas, os grãos semeados por volta de outubro e novembro de 2022 tiveram dificuldades para crescer e amadurecer até a época de colheitas, entre janeiro e abril. “Mesmo com chuvas no radar e já se manifestando em algumas regiões, ainda é difícil visualizar um bom cenário para os produtores”, indica.

Perdas e prejuízos estimados no RS

A mesma safra de grãos no Rio Grande do Sul já estima perda de 50 a 60%. Se a produtividade esperada do milho de verão, por exemplo, era de 5 a 6 milhões de toneladas, devem ser colhidas cerca de 3 milhões.

Na soja, a expectativa de 22 milhões caiu para 15 milhões. E atualmente, se esse número se mantiver será uma excelente notícia. Olhando para os prejuízos financeiros, estima-se perda de 6 a 7 bilhões para a economia gaúcha.

“Apesar de o principal impacto ser no bolso do agricultor, toda a cadeia econômica acaba sendo afetada. É um valor que deixa de chegar ao estado e circular no comércio, serviços e outros”, observa.

No Brasil, quatro estados são responsáveis por 70% da produção de grãos no país: Mato Grosso, Paraná, Rio Grande do Sul e Goiás. Entre eles, MT é o maior produtor e RS o quarto, no ranking nacional. Mesmo assim, a commodity é de grande importância para a economia do estado gaúcho.

Já são três anos seguidos de fenômeno La Niña no verão, período de crescimento da soja. Mas mesmo com a estiagem, as exportações de grãos do agronegócio brasileiro atingiram o maior valor da série histórica em 2022.

Isso porque houve queda no volume embarcado, mas aumento nos preços médios dos itens. A venda de trigo e o estoque de soja (da safra 20/21) compensaram a quebra de safra 21/22. Mas com a volta da seca no verão 22/23, já fica mais complicado ter estimativas de aumento, seja em volume ou em valores.

“Como a precificação da soja depende também de oferta e demanda, quando há pouca oferta o preço pode subir. E nesse caso, o Centro-Oeste deve suprir as demandas, pois lá o clima é mais previsível e já se consolida uma nova safra recorde em 22/23”, explica o especialista.

O que fazer para gerenciar os riscos no mercado agrícola?

No mercado de commodities, para minimizar os impactos é preciso fazer gestão de risco. Mas são diversos os tipos de riscos envolvidos, logo, existem diversas possibilidades de gerenciamento. “Uma prática muito comum no mercado de grãos é a realização de contratos a termo. Quando o produtor de soja investe em insumos para a próxima safra, ele vende parte dessa safra travando o preço futuro para obter na hora o valor que precisa”, diz.

O problema disso, segundo o especialista, é que há um compromisso com a entrega física do produto. E com as quebras de safra que vêm acontecendo, pode não haver produto suficiente para entregar a este comprador. No RS, já houve casos de um produtor precisar comprar soja de outro para poder entregar ao comprador.

“É aí que entra a estratégia de hedge como uma possível alternativa para reduzir prejuízos. Pois apesar de também travar um preço para a commodity, os contratos são realizados em bolsa”, conclui.

ARTIGOS RELACIONADOS

Plantações de Corymbia

A expansão das plantações de Corymbia promete revolucionar a produção de madeira no Brasil.

Dicas sobre como identificar e prevenir problemas comuns em plantações de soja

O produtor deve apostar em cultivares resistentes a condições adversas de clima, cisto e ferrugem asiática

O que altera o preço da soja?

O preço da soja está alto (embora nunca o suficiente para o agricultor), mas bem acima das suas médias históricas.

O impacto da pressão das lagartas na soja

Dia a dia do produtor agrícola, a observação do cultivar passou a ser questão de sucesso da plantação

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!