23.5 C
Uberlândia
quinta-feira, fevereiro 29, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosHortifrútiHérnia em repolho: E agora, o que fazer?

Hérnia em repolho: E agora, o que fazer?

Autora

Janaína Marianno de Marque
Engenheira agrônoma, doutora, professora de Fitopatologia e Entomologia – FESB – Bragança Paulista e proprietária do Laboratório Atena – Diagnóstico, Manejo e Rastreabilidade
contato@labatena.com.br
Fotos: Igor Pereira

Dentre as várias doenças que atacam a cultura do repolho, uma das principais e mais limitantes é  hérnia das crucíferas, causada por Plasmodiophora brassicae, um fungo falso, muito próximo taxonomicamente dos protozoários. É um parasita obrigatório, ou seja, depende das células vivas para se reproduzir e ataca exclusivamente a família das brássicas (Chaves et. al, 2018). As condições ideais para a ocorrência da doença são solos ácidos, encharcados e com temperaturas que variam entre 12 e 27ºC (Reis, 2009).

Sintomas

O patógeno coloniza o sistema radicular das plantas, causando engrossamento e deformação das raízes, muitas vezes confundidos com nematoides. Por isso, o diagnóstico correto é fundamental, para que não existam erros no manejo, o que aumentaria ainda mais os prejuízos causados pela doença.

Outros sintomas comumente observados são a formação de galhas, desenvolvimento atrasado e amarelecimento das plantas, já que as deformações nas raízes impedem a absorção correta de água e nutrientes. Se a infeção ocorrer em plantas muito novas elas podem morrer (Colombari et. al, 2018).

Perdas

As perdas causadas pela hérnia podem chegar a 100%. A presença do patógeno na área pode inviabilizar a produção de repolho, já que a hérnia pode sobreviver no solo por até 10 anos, mesmo sem hospedeiros suscetíveis (Reis, 2009). Mesmo que as plantas sobrevivam ao ataque, a queda da produção é muito severa, trazendo grandes prejuízos econômicos ao produtor (Vidal, 2012).

Porta de entrada

A entrada do patógeno na área pode acontecer de diversas formas, como: utilização de mudas contaminadas, movimentação de máquinas e implementos, escorrimento de água a partir de áreas infestadas e o próprio homem (Vidal, 2012).

Manejo integrado

O manejo integrado pode ser definido com a utilização de diversas técnicas diferentes de controle, a fim de minimizar os efeitos danosos da doença. No caso da hérnia das crucíferas, o manejo integrado consiste na utilização de técnicas de controle cultural, como ajuste do pH e rotação de culturas, controle físico, como a solarização, controle biológico, controle químico e genético, que é o uso de variedades resistentes.

Como não é possível erradicar o patógeno depois que ele se instala numa área, as medidas de manejo integrado são a única forma de conviver com a doença e minimizar seus prejuízos.

O controle cultural contempla as técnicas que visam os tratos culturais exigidos pela cultura, como adubação, irrigação e limpeza. As medidas de controle cultural que devem ser tomadas com relação a hérnia são as seguintes:

ð Evitar a movimentação de solo entre áreas contaminadas e áreas isentas. Isso significa limpar máquinas, implementos, ferramentas e sapatos das pessoas envolvidas no cultivo. As áreas contaminadas devem ser sempre as últimas a serem trabalhadas, evitando, assim, a circulação de solo aderido a máquinas e pessoas de áreas contaminadas para áreas isentas (Reis, 2009);

ð Produção de mudas em substratos com origem idônea, isentos de propágulos do patógeno (Vidal, 2012);

ð Correção do pH do solo para 6,5 (Vidal, 2012);

ð Rotação de culturas: consiste no plantio de plantas não hospedeiras por pelo menos quatro anos, sendo que o ideal seriam oito anos. O patógeno tem grande capacidade de sobreviver sem hospedeiro suscetível devido à produção de estruturas de resistência. Algumas culturas podem ser sugeridas, como espinafre, aveia, alfavaca e salsa (Reis, 2009; Vidal, 2012; Cruz, Fischer e Yamaguti, 2016).

Controles físico e biológico

O controle físico com a solarização consiste em cobrir o solo úmido com plástico transparente, por um período aproximado de 30 dias. Vidal (2012) relata alguns resultados interessantes com o uso da solarização para o controle da hérnia, que comprovam que a técnica pode reduzir a quantidade de inóculo no solo, diminuindo, consequentemente, os sintomas da doença no repolho cultivado logo após o tratamento.

Existem, também, resultados na diminuição da doença em plantas tratadas com controle biológico. Aplicações de Trichoderma e Bacillus subtilis de forma preventiva apresentam bons resultados (Vidal, 2012; Cruz, Fischer e Yamaguti, 2016).

O controle químico dessa doença é difícil e apresenta várias limitações. Exige um longo período de atuação no solo, doses altas e múltiplas aplicações (Vidal, 2012). Além disso, no Brasil existe apenas um princípio ativo registrado, a ciazofamida (Agrofit, 2020), o que limita o uso, já que pode gerar resistência do patógeno. No entanto, pesquisas demonstram boa eficiência da ciazofamida, quando aplicada preventivamente e diretamente no solo (Colombari et. al, 2018).

Melhoramento genético

O controle genético consiste no uso de variedades resistentes ou tolerantes. No caso da hérnia, essa medida é pouco eficiente, pois existem pouquíssimos materiais comerciais disponíveis, e como o patógeno apresenta grande variabilidade genética e um número grande de raças, essa resistência é quebrada facilmente (Reis, 2012).

A hérnia das crucíferas é um patógeno importante e limitante para o cultivo de repolho. Por isso, o diagnóstico correto, análises químicas do solo que será cultivado e a adoção de manejo integrado são as melhores ferramentas para conviver com essa doença, caso ela já esteja instalada na área.

ARTIGOS RELACIONADOS

Cebola híbrida – Alta população por hectare

  Luciano Brito Engenheiro agrônomo e gerente agrícola da Wehrmann luciano.brito@wehrmann.com.br As variedades OP são cultivadas, em geral, nasregiões sul e nordeste do Brasil, onde são bem adaptadas,...

Visitantes africanos e peruanos conhecem a Palinialves

A Palinialves, referência mundial em inovações na área de máquinas para o pós-colheita em café, recebeu nos últimos dias 12 e 15 de julho a...

Do amor à terra vem o sucesso

Sérgio Ricardo Donófrio é agricultor e proprietário da Calusne Farms, empresa agrícola localizada em Campinas (SP) que cultiva alfaces especiais, ervas finas, brotos, mini folhas, flores comestíveis e outras especialidades para a fina culinária brasileira. Entre as delícias que nascem por lá estão as alfaces frillice verde e roxa, chicória frisée, lollo rossa roxa e verde, mini romana e radicchio, todas elas comercializadas já higienizadas.

Soluções com foco na qualidade da aplicação, dosagem e redução de custos são destaques da Jacto na FEACOOP

Comemorando 70 anos de sua fundação em 2018 a Jacto reforça sua família de pulverizadores automotrizes com o novo Uniport 2030 e amplia a...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!