Híbridos de milho: alto potencial produtivo e resistências

0
378
Foto: Shutterstock

Ana Caroline Scoparo
Produtora rural e graduanda em Agronomia – Centro Universitário de Ourinhos (Unifio)
agroscoparo@gmail.com
Vinicius Alves dos Santos
Graduando em Agronomia – Unifio
vini_santos2008@hotmail.com
Adilson Pimentel Júnior
Engenheiro agrônomo, doutor em Agronomia e professor – Unifio
adilson_pimentel@outlook.com

Para tomar a decisão de escolher as sementes, o produtor deve ter em mente o seu próprio objetivo de produção, ou seja, se for silagem, deve priorizar por cultivares com alta produção de massa verde e elevada produtividade de grãos, um bom equilíbrio entre colmos, folhas e espigas, maior período útil de colheita (evitar cultivares hiper e superprecoces) e evitar populações de plantas muito elevadas, pois aumentam o teor de fibras, afetando a digestibilidade.
Se a produção de grãos for o objetivo, é importante escolher cultivares com alto potencial de rendimento de grãos e uma boa cobertura.
Em todos os casos, é indispensável o uso de sementes certificadas, que vão garantir uma maior qualidade e confiabilidade, resultando em plantas puras, livres de sementes indesejáveis, uma maior sanidade dos grãos, com alta geminação e alto vigor.

Saiba mais

Além desses fatores para uma boa tomada de decisão na escolha da semente, é essencial sabermos sobre as condições de solo e clima da região, se essa semente vai se desenvolver nestas devidas condições; a resistência sobre as principais pragas e doenças que incidem na região; o nível de tecnologia que essa semente exige, ou seja, insumos e implementos para irrigação, plantio e condução da lavoura, colheita, etc.
Mediante todos esses fatores mencionados, obteremos uma semente de boa qualidade que, consequentemente, irá resultar em altas produções.

Opções no mercado

Por meio de levantamentos feitos anualmente pela Embrapa, obtém-se que, para a safra 2021/22, 259 cultivares estarão disponíveis e na safra passada contamos com mais 98 novas cultivares disponibilizadas no mercado.
Dentre essas 259 cultivares, temos cultivares lançadas anos anteriores, com alto nível de tecnologia e de fácil aquisição nas regiões de cultivo ainda.
Até o presente momento contamos com alguns tipos de sementes, como os híbridos, podendo ser simples, duplo, triplo, simples modificado ou triplo modificado e temos também diversas variedades de milho que têm um potencial produtivo menor, quando comparado aos híbridos, porém, seu material genético é estável, garantindo uma multiplicação e produção por várias safras sem perda de produtividade. Encontramos também as sementes de milho transgênicas, que são agrupadas aos híbridos de milho.
Os híbridos simples são resultado do cruzamento de duas linhagens puras e apresentam maior potencial produtivo entre os tipos de híbridos responsáveis por 50,19% do mercado de milho no Brasil.
O híbrido duplo é oriundo do cruzamento de dois híbridos simples e é o que apresenta menor potencial produtivo, responsável por 1,16% do mercado de milho.
E o híbrido triplo é obtido por um híbrido simples com uma linhagem pura, tendo uma porcentagem de mercado de 1,93%. Além dessas duas categorias citadas, encontramos no mercado milhos de ciclo precoce que vêm dominando o mercado de sementes e os superprecoces e semiprecoces.
Essa característica vem se tornando fundamental em qualquer híbrido de milho com alto desempenho devido à necessidade de antecipação da janela de plantio.

Adaptação

A utilização de cultivares mais adaptadas pode proporcionar melhorias na produção de grãos de milho, principalmente nos sistemas de produção mais avançados, onde se nota o maior uso de tecnologia de produção.
Devemos ressaltar que encontramos vários fatores que vão nos dizer quais os materiais mais adaptáveis, como o clima da região, o solo, a finalidade de produção, comercialização, dentre outros.
E é por esses fatores que encontramos hoje no mercado diversas opções de milhos híbridos, cuja sua finalidade é ter um alto índice produtivo sob qualquer condição de desenvolvimento a que for submetido.
O milho híbrido de ciclo precoce continua sendo o mais cultivado e mais presente no mercado, em razão da maior demanda por este tipo de milho pelo produtor, principalmente na época de cultivo após a colheita da soja

Resistência às pragas

O milho pode ser atacado desde seu plantio até o amadurecimento. Tais ataques podem ser de importância primária ou secundária, variando de acordo com a frequência que o mesmo ocorre, do dano que causa e do seu potencial de ataque.
São várias as pragas que causam prejuízos ao milho no Brasil, como os corós, a larva-alfinete, a lagarta-do-cartucho, a lagarta-elasmo, a lagarta-rosca, a broca-da-cana, a cigarrinha, a mosca-branca e o percevejo barriga verde.
Hoje, no mercado, contamos com as seguintes tecnologias para combate: Bt, Herculex, YieldGard, Agrisure Viptera, Powercore, Leptra, YieldGardVTPro.

Custo-benefício

Dependendo do híbrido escolhido, exigirá do produtor um preparo adequado e correção de solo, adubação, aplicação de defensivos específicos, irrigação e época de plantio apropriada. De acordo com pesquisas e estudos, a utilização dos milhos transgênicos também resulta em redução de aplicações de defensivos e gastos com combustível, ainda assim entregando um alto potencial produtivo.

Há situações de probabilidade de ganhos positivos de 85% com adoção da semente de milho transgênico em comparação à semente de milho convencional, pois quanto maior a produtividade, maior a renda líquida.

Esse investimento vai gerar um bom resultado ao fim dessa produção, voltando ao bolso do produtor todo o gasto com semente de qualidade e preparo, que vai condicionar a planta de milho a expressar seu alto potencial produtivo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!