26.6 C
Uberlândia
segunda-feira, julho 22, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosHormônios revolucionam a agricultura

Hormônios revolucionam a agricultura

 

Jorge Celestino Verde dos Santos

Engenheiro agrônomo, produtor rural e consultor

verde.jorge@hotmail.com

Diogo de Almeida Verde

Engenheiro agrônomo e representante comercial

 

Crédito Shutterstock
Crédito Shutterstock

Os biorreguladores são compostos por uma combinação de reguladores vegetais que agem em conjunto, garantindo um adequado equilíbrio hormonal, estimulando a formação de plantas altamente eficientes e aptas a explorar o ambiente e demonstrar todo o seu potencial produtivo.

As culturas mais beneficiadas por eles são: soja, milho, algodão, feijão, sorgo, trigo, cana-de-açúcar, café, hortaliças e frutíferas.

Estímulo à agricultura

Os biorreguladores estimulam a formação de plantas altamente eficientes e aptas a explorar o ambiente radicular - Crédito Shutterstock
Os biorreguladores estimulam a formação de plantas altamente eficientes e aptas a explorar o ambiente radicular – Crédito Shutterstock
Raízes de plantas que receberam os bioativadores - Crédito Jorge Verde
Raízes de plantas que receberam os bioativadores – Crédito Jorge Verde
Raízes de plantas que receberam os bioativadores - Crédito Jorge Verde
Raízes de plantas que receberam os bioativadores – Crédito Jorge Verde
Àesquerda soja testemunha, e à direita, com bioativadores
Àesquerda soja testemunha, e à direita, com bioativadores ” Crédito Jorge Verde

 Todas as espécies vegetais têm seus processos regulados por hormônios. Sendo assim, o uso de biorreguladores que contêm os hormônios promotores de crescimento em doses adequadas melhoram a eficiência da planta em todos seus processos, fazendo com que ela tenha maior capacidade de demonstrar todo seu potencial produtivo.

Manejo

O manejo para a máxima eficiência dos produtos deve levar em conta cada espécie vegetal, incluindo a fase ideal para essa prática. Os biorreguladores têm por objetivo acelerar a germinação das sementes, favorecer o desenvolvimento das raízes, favorecer o equilíbrio no desenvolvimento da formação vegetativa das plantas, auxiliar as plantas no pegamento de estruturas reprodutivas e a carrear nutrientes para um maior peso específico de grãos e frutos.

Erros fatais

É importante evitar a aplicação dos biorreguladores em fases das plantas em que eles não são recomendados.

Opções

Os biorreguladores devem conter hormônios sintéticos em doses equilibradas de citocinina, giberilina e auxina, e serem registrados no Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA).

 As empresas que detêm essa tecnologia apresentam um posicionamento com embasamento científico, e recomendam sua utilização no tratamento de sementes e aplicações foliares nas fases vegetativas e/ou reprodutivas das plantas.

A aplicação no tratamento de sementes visa obter uma melhor germinação e melhor estabelecimento da lavoura. As aplicações foliares nos estádios vegetativos visam uma melhor arquitetura de planta, enquanto as aplicações no estádio reprodutivo têm por objetivo um maior pegamento de flores/vagens e também melhorar o enchimento dos frutos.

Custo

O uso dos biorreguladores mostra um excelente custo/benefício. A maioria dos trabalhos de pesquisa e de campo comprova isso, por meio de significativos ganhos em produtividades devido aos benefícios já descritos.

Inovações precisas

A agricultura moderna, atual e extensiva tem utilizado uma série de inovações tecnológicas que tem proporcionado novos estímulos fisiológicos, os quais vêm auxiliar as plantas a se tornarem mais eficientes e produtivas.

Não é admissível ao produtor que quiser se manter no sistema produtivo sustentável recusar a investir, e a proporcionar ações que vêm auxiliar as plantas a se tornarem mais eficientes ao estresse e às “adversidades climáticas” (períodos prolongados sem chuvas associados ao forte calor) e favorecer que ela possa ter raízes mais bem fixadas, com um estímulo especial na busca de água no perfil do solo (entre um a 1,5m para soja, feijão e trigo, e até dois à 3m de profundidade para o milho).

Essa matéria completa você encontra na edição de Novembro da revista Campo & Negócios Grãos. Clique aqui para adquirir já a sua.

ARTIGOS RELACIONADOS

Respostas fisiológicas da nutrição em cultivo hidropônico

Daniel Baron Engenheiro agrônomo, mestre, doutor em Fisiologia e Bioquímica de Plantas e professor adjunto - Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) - campus Lagoa...

Acacia mangium – Aproveitamento de 100% da árvore

Além do aproveitamento da madeira de desbaste, a Acacia Mangium oferece tanino, mel extraído das folhas e flores, própolis, cera, geleia real e forragem...

Nitrogênio – O nutriente a favor do milho

    Pedro Augusto Silva Fernandes Graduando em Engenharia Agronômica - Universidade Federal de São João Del-Rei " Campus Sete Lagoas Minas Gerais e vice-presidente do GEFIT...

Milho-doce orgânico – Sabor e lucratividade acentuados

Lucas Luís Faustino Doutorando em Produção Vegetal - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF) lucasfaustino1987@yahoo.com.br   O milho-doce é um produto de alto valor nutritivo e...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!