15.2 C
Uberlândia
domingo, julho 14, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiIBD Certificações - Garantia de qualidade e satisfação

IBD Certificações – Garantia de qualidade e satisfação

IBD na Hortitec 2015 - Créditos Luize Hess
IBD na Hortitec 2015 – Créditos Luize Hess

 

A IBD Certificações é uma empresa que trabalha com a certificação de produtos de origem agrícola, desde o alimento até o insumo utilizado pelo produtor. “Temos uma linha diversa de produtos que são certificados para atender a agricultura. A importância dessa certificação é a segurança e garantia de qualidade. O produto vai com a garantia de que pode ser usado na produção orgânica, o que para os produtores orgânicos é muito importante. Além disso, agrega-se um conceito de qualidade ao insumo, que envolve desde a produção, controle de compra de matéria-prima, até o controle de qualidade do processo em si“, aponta Álvaro Garcia, engenheiro agrônomo e gestor do Programa de Aprovação de Insumos da IBD Certificações.

A certificação dos insumos aborda a questão da produção orgânica (a possibilidade de uso do insumo), e também a qualidade que está relacionada ao processo produtivo. Assim o produtor fica assegurado, seja sobre o teor de NPK ou nutriente, seja para controle de determina espécie de praga, de que realmente terá o resultado esperado.

O processo

Primeiramente a IBD Certificações faz a auditoria documental, que compreende uma análise de todo o processo produtivo de controle de qualidade que a empresa tem, com análises de laudos laboratoriais prévios que ela possui, e das fichas técnicas das matérias-primas utilizadas. Outra segurança é a de o produto ter registro no Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA), no Ibama ou Anvisa.

A segunda etapa envolve a auditoria in loco, no processo produtivo do insumo, verificando como a empresa trabalha em relação à qualidade, a origem das matérias-primas utilizadas, se de fato o produto cumpre o que promete. Por fim, se houver necessidade, é realizada a coleta de amostra de insumo para fazer análise em laboratório.

Álvaro Garcia esclarece que, para ser utilizado na agricultura orgânica, o adubo deve atender às exigências legais e ter registro para a sua comercialização, ou seja,as matérias-primas utilizadas precisam ser permitidas para uso na agricultura orgânica. “Na linha de macronutrientes, por exemplo, é preciso que sejam de origem natural. A ureia, que é produzida a partir de reações químicas, não é permitida nesse sistema“, diz.

Álvaro Garcia, engenheiro agrônomo e gestor do Programa de Aprovação de Insumos da IBD Certificações Créditos Luize Hess
Álvaro Garcia, engenheiro agrônomo e gestor do Programa de Aprovação de Insumos da IBD Certificações Créditos Luize Hess

Normas seguidas

Os principais produtores orgânicos brasileiros exportam para o mundo inteiro, mas Álvaro Garcia lembra que cada país tem sua norma de produção orgânica, o que deve ser seguido à risca, e certificado, processo oferecido pela IBD Certificações.

Já para o produtor convencional, a questão que fica agregada ao selo do IBD é a qualidade de processo. “Temos a preocupação de avaliar o processo produtivo e o controle de qualidade da empresa, como o monitoramento da característica química do produto, verificar se as garantias mínimas realmente atendem ao que é estabelecido no registro do Ministério da Agricultura, controle de metais pesados e de microrganismos contaminantes“, detalha o gestor da empresa.

Clientes

O IBD já conta com 60 empresas certificadas e em processo de certificação, entre elas a Vale, Oxiquímica, Dow AgroSciences e Sumitomo, até pequenas empresas fabricantes de insumos. “Temos uma gama diversa de empresas, e além do Brasil, certificamos empresas no Peru e Chile. As empresas que trazem insumos para atender o mercado brasileiro procuram a IBD como forma de dar entrada no mercado“, finaliza Álvaro Garcia.

Essa matéria você encontra na edição de julho da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira a sua.

 

ARTIGOS RELACIONADOS

Agrotêxtil é alternativa para produção protegida de repolhos

Antonia Mirian Nogueira de Moura Guerra Professora de Olericultura da Universidade Federal do Oeste da Bahia (UFOB campus Barra) mirianagronoma@hotmail.com   O repolho (Brassica oleraceavar. capitata), integrante da...

Nova aposta: Gengibre para exportação

O Espírito Santo apresentou um crescimento de 253% nas exportações de gengibre, atingindo 9.067 toneladas. A receita dobrou, para US$ 10,2 milhões e o Estado respondeu por 59% das exportações do País

Tecnologia digital – O futuro chega ao campo

Estamos vivendo uma nova revolução de valores e de requisitos para a sustentabilidade. O Agro 4.0 já é realidade nos ecossistemas de inovação e em parte do agronegócio, com franca expansão no Brasil. Neste cenário, a tecnologia digital é essencial, tanto para o monitoramento no campo como no aproveitamento das informações (Big Data) para a tomada de decisões com suporte em ampla base de conhecimento (data analysis), no funcionamento de equipamentos e implementos inteligentes (IoT + IA) e no tratamento de imagens coletadas e transmitidas em tempo real (5G).

Híbridos de cebola – Sempre à frente

    Jean de Oliveira Souza Engenheiro agrônomo, doutor e pós-doutorando em Melhoramento Vegetal - Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba (CCA/UFPB) jsoliveira1@hotmail.com   A cebola (Allium...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!