25.6 C
Uberlândia
terça-feira, junho 18, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioDestaquesIncidência de greening em citros aumenta 56% e pesquisadores buscam encontrar uma...

Incidência de greening em citros aumenta 56% e pesquisadores buscam encontrar uma solução

Há registros de contaminação de árvores em mais 130 países em diversas partes do mundo; governo dos EUA já desembolsou mais de US$ 2 bilhões para tentar frear a enfermidade

Greening aumenta e atinge 19,02% das laranjeiras
Imagem de arquivo

A história da agricultura está repleta de relatos sobre doenças que assolaram plantações e desencadearam crises econômicas e humanitárias. Entre elas, poucas foram tão devastadoras quanto o greening, também conhecido como Huanglongbing (HLB), uma doença que afeta os citros e representa uma ameaça existencial para a citricultura mundial.

Segundo o Fundo de Defesa da Citricultura (Fundecitrus), no ano passado, a incidência média de laranjeiras com sintomas de greening no cinturão citrícola de São Paulo e Triângulo/Sudoeste de Minas Gerais foi de 38,06%, o que corresponde a aproximadamente 77,22 milhões de árvores doentes do total de 202,88 milhões de laranjeiras do cinturão citrícola. Esse índice foi 56% maior do que o de 2022, estimado em 24,42%. Embora seja o sexto ano consecutivo de crescimento da incidência da doença no cinturão citrícola, foi o maior aumento em pontos percentuais de toda a série histórica desde 2008.

“O HLB é disseminado por um pequeno inseto, o psilídeo asiático Diaphorina citri, e tem sido um desafio para os citricultores em todo o mundo. Ao contrário de muitas outras doenças de plantas, o HLB apresenta uma complexa dinâmica epidemiológica, tornando seu controle ainda mais difícil. Enquanto em culturas anuais existe a possibilidade de reiniciar os cultivos a cada safra, nos citros, uma vez que uma árvore é infectada, pouco pode ser feito para salvá-la”, conta Antonio Coutinho, Diretor de Projetos na BRANDT BRASIL, empresa de inovação tecnológica focada em fisiologia, nutrição vegetal, biossoluções e tecnologia de aplicação.

Além do Brasil, há registros em mais 130 países, de várias partes do mundo, com exceção da Europa, onde a enfermidade ainda não se estabeleceu. Para tentar conter seu avanço, o governo norte-americano já desembolsou mais de US$ 2 bilhões. Em meio a esse contexto desafiador, para aprender com os esforços de contenção na Flórida (EUA), maior competidor do Brasil no cultivo de laranjas e produção de suco, a BRANDT Brasil organizou uma viagem para que técnicos e citricultores brasileiros pudessem se beneficiar das pesquisas e práticas adotadas pelos especialistas locais. Durante a visita, foram exploradas várias abordagens, desde injeções no tronco com antibióticos até o uso de telas para proteger as árvores do vetor do HLB.

Explorando Estratégias de Contenção na Flórida

A Dra. Ute Albrecht, da Universidade da Flórida, tem conduzido testes com injeções no tronco utilizando o antibiótico oxitetraciclina (OTC). Resultados preliminares demonstram melhorias significativas na produtividade e na qualidade dos frutos em árvores tratadas, oferecendo uma esperança tangível na batalha contra o HLB.

Outra frente de batalha é a proteção das plantas por meio de telas IPCs e a aplicação de Brassinosteróides. Pesquisas conduzidas pelo professor Fernando Alferez indicam que o uso de telas antiafídeos resultou em árvores mais saudáveis, com frutos de tamanho e qualidade superiores. Além disso, o Dr. Lukasz Stelinski e sua equipe têm explorado a modificação genética de plantas para controlar o vetor do HLB, apresentando resultados promissores com a introdução de genes específicos em plantas cítricas transgênicas.

Lucas Manfrin, Gerente Comercial na BRANDT BRASIL, conta que novas abordagens estão sendo exploradas, incluindo o uso de reguladores vegetais e precursores de hormônios vegetais. Essas estratégias, embora promissoras, exigem um posicionamento assertivo e um acompanhamento para garantir resultados sustentáveis a longo prazo.

“A batalha contra o HLB é uma luta contínua e global. Todos esses anos de batalha no território americano nos ensinam que não podemos negligenciar o fato de que ele está presente em nossos pomares e, dentro do nosso contexto, ainda podemos ter sucesso nessa luta. À medida que enfrentamos esse desafio, é fundamental que a indústria citrícola continue a colaborar e a inovar, compartilhando conhecimentos e desenvolvendo novas estratégias para proteger nossos laranjais e garantir um futuro sustentável para a citricultura. No entanto, os desafios persistem. A erradicação de plantas infectadas e o controle do vetor são tarefas complexas e contínuas. Até lá, a pesquisa continua em busca de soluções mais eficazes e sustentáveis”, finaliza.

ARTIGOS RELACIONADOS

Controle de doença dos citros em MG

O agricultor que se dedica ao cultivo de plantas cítricas enfrenta grandes desafios, como a ameaça ....

Prazo para relatório Cancro/HLB acaba em 15 de janeiro

Com a publicação da Portaria MAPA nº 317, de 21 de maio de 2021, que institui o Programa Nacional de Prevenção e Controle ao HLB (PNCHLB), a eliminação de plantas sintomáticas passou a ser obrigatória apenas para pomares com idade inferior a oito anos.

Corteva Agriscience apresenta ferramentas contra o greening

Linha Citrus conta com tecnologias que integram o manejo recomendado pelo Fundecitrus; os inseticidas Delegate® e Verter® SC pertencem aos grupos químicos das espinosinas e sulfoxaminas, que não possuem resistência ao psilídeo.

Microbiologia do solo: como usá-la a favor dos citros

A microbiologia do solo é uma aliada poderosa no cultivo de citros, proporcionando nutrientes e proteção às plantas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!