Inoculante Rhizobium

0
641

Júlio César RibeiroEngenheiro agrônomo e doutor em Agronomia/Ciência do Solo pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ).jcragronomo@gmail.com

Andreia Laurindo de Almeida GomesDiscente de Engenheira Agronômica pela UFRRJ.andreialaur12@gmail.com

Eucalipto – Crédito: Fibria

Uma das formas de impulsionar o desenvolvimento das plantas foi a criação de inoculantes com a presença de microrganismos vivos capazes de auxiliar na fixação biológica de nutrientes.

O inoculante Rhizobium é um produto desenvolvido à base de bactérias do gênero Rhizobium (denominadas rizóbios) que em simbiose com as plantas formam nódulos em suas raízes capazes de absorver o nitrogênio presente na atmosfera, podendo ele ser utilizado pelo vegetal, processo esse conhecido como fixação biológica de nitrogênio (FBN).  No entanto, nem todas as plantas fixam nitrogênio biologicamente em simbiose com os rizóbios, sendo a simbiose restrita às plantas leguminosas. Contudo, não só as plantas leguminosas são beneficiadas pela FBN. Outras espécies de bactérias fixadoras de nitrogênio atmosférico também são capazes de associar-se às plantas gramíneas, porém não ocorre a formação de nódulos em suas raízes, sendo menor a quantidade de nitrogênio fixada.

Benefícios

            Em sistemas florestais o inoculante Rhizobium é comumente utilizado em plantios de leguminosas arbóreas, ou na adubação verde antes do plantio das espécies florestais de interesse econômico.

            A adubação verde é uma técnica agrícola que tem como principal objetivo melhorar as condições químicas, físicas e biológicas do solo por meio de determinadas plantas, como por exemplo, a crotalária, o feijão de porco, o feijão guandu e o sorgo volumoso. Dentre esses, o sorgo volumo e a crotalária são os mais utilizados pelos silvicultores por apresentarem alto desempenho na fixação de nitrogênio no solo, o que pode ser potencializado com a utilização do inoculante Rhizobium. O sorgo volumoso apresenta ainda, como vantagem raízes longas capazes de fixar nutrientes em profundidade, onde as raízes das árvores estarão quando adultas, além de levada produção de biomassa, que pode corresponder entre 50 a 100 toneladas de massa vegetal por ano.

O fornecimento de nitrogênio por meio da simbiose dos rizóbios com as plantas leguminosas proporciona diversos benefícios, não só no desenvolvimento das mesmas, como também na redução dos impactos ambientais, pela diminuição do uso de fertilizantes nitrogenados, resultando ainda em economia para o produtor.

Além de assimilar nitrogênio, os rizóbios promovem aumento da resistência a estiagens, maior eficiência na absorção de água e outros nutrientes essenciais; efeito positivo na produção de fitohormônios capazes de modificar a taxa de crescimento das raízes, melhorando o desenvolvimento das plantas; além do incremento da associação com outras bactérias encontradas naturalmente nos solos que promovem o crescimento das plantas.

Como implantar a técnica

Geralmente, os inoculantes são comercializados na forma líquida ou sólida (turfosa), tendo como principais técnicas de uso o tratamento de sementes ou pulverização via sulco de semeadura. Inoculantes na forma líquida, habitualmente são aplicados via sementes ou via sulco, enquanto o inoculante turfoso comumente é aplicado via sementes. No caso do inoculante Rhizobium, a técnica mais utilizada é a aplicação diretamente na semente, antes de realizar o plantio.

Para potencializar o efeito do inoculante, as recomendações de dosagem e de aplicação fornecidas pelo fabricante do produto devem ser sempre seguidas, levando em conta algumas orientações gerais:

• Efetuar a inoculação em horários mais frescos do dia ou da noite, para que ocorra uma maior ação do produto.

• Inocular as sementes em ambientes sombreados e realizar a semeadura preferencialmente logo após a inoculação, ou máximo no tempo de 24 horas, exceto para produtos direcionados para a pré-inoculação (“vida longa”) de sementes.

• Não misturar o inoculante com fungicidas ou micronutrientes para ser aplicado nas sementes, evitando redução de ação dos microrganismos.

E a produtividade?

Para ler o restante deste artigo você tem que estar logado. Se você já tem uma conta, digite seu nome de usuário e senha. Se ainda não tem uma conta, cadastre-se e aguarde a liberação do seu acesso.