Investimento do setor florestal chega a R$ 35,5 bilhões até 2023

0
455

O setor representado institucionalmente pela Indústria Brasileira de Árvores (Ibá), que reúne empresas que têm nas árvores cultivadas a base da sua produção, oferecendo bioprodutos e biomateriais para o mercado nacional e internacional, prevê investimentos em expansão de R$ 35,5 bilhões até 2023, destinado para florestas, novas fábricas, expansões, tecnologia e ciência. Esse investimento é praticamente o dobro do registrado nos quatro anos anteriores, entre 2016 e 2019, quando foram realizados investimentos de R$ 18,0 bilhões para a construção de diversas novas unidades.

Esse alto nível de investimento demonstra a confiança do segmento no crescimento da economia verde, na opção dos consumidores por produtos com rastreabilidade, originados em fontes renováveis, recicláveis, muitos deles, biodegradáveis, e que, por sua base em árvores plantadas, absorvem e estocam CO2.

O correto manejo de recursos naturais, o auxílio ao combate das mudanças climáticas, aliando produção com preservação, e o diálogo com as comunidades vizinhas, gerando valor compartilhado fazem com que esse segmento salte aos olhos do investidor que busca projetos ESG. 

“Rastreabilidade é um imperativo para esta cadeia, que há mais de duas décadas opera dentro de níveis de excelência, não somente cumprindo, mas indo além do que certificadores como FSC e, até mesmo, a legislação ambiental nacional exigem. 100% da matéria-prima vinda da indústria tem origem em florestas cultivadas. O desmatamento ilegal é repudiado pelas companhias do setor, que inclusive se destacam como as que mais conservam áreas naturais no País”, afirma Paulo Hartung, presidente da Indústria Brasileira de Árvores (Ibá).

O setor de árvores plantadas atua há anos com produção sustentável, provendo inúmeros produtos de origem renovável, essenciais para o dia a dia das pessoas como móveis, livros, pisos, papéis higiênicos e embalagens. A Indústria Brasileira de Árvores (Ibá), associação que reúne empresas do setor, lança seu novo estudo revelando os avanços ambientais, sociais, econômicos, além de revelar o olhar para o futuro desta cadeia.

Além de prover o hoje, essa indústria também está de olho no futuro, investindo em pesquisa e inovação para oferecer cada vez mais biodprodutos e biomateriais da economia circular, biodegradáveis e recicláveis, como mais opções para tecidos verdes, como a celulose solúvel, usada na viscose, e a microfibrilada em fase de desenvolvimento

Em 2019, o valor aplicado em inovação cresceu para cerca de 2% de todos os investimentos do segmento. São roadmaps no sentido de produtos e matérias-primas como óleos, bio-óleos, lignina, nanofibra, nanocelulose e nanocristais que podem ser empregados nas cadeias alimentícia, automobilística, de cosméticos e medicamentos.

Segundo o relatório, pela primeira vez o setor atingiu uma receita bruta total na casa de R$ 100 bilhões. A contribuição na balança comercial foi de US$ 10,3 bilhões em 2019, o segundo melhor resultado dos últimos 10 anos. Essa cadeia industrial representa 1,2% do PIB Nacional. Além de atuar de forma sustentável, é um importante gerador de riqueza compartilhada. Em 2019, foram 1,3 milhão de postos de trabalho, na cadeia de árvores plantadas, somando oportunidades para 3,75 milhões de brasileiros em todo o País. Com os investimentos de expansão devem ser criados mais 36 mil novos postos de trabalho.

Com uma área total de árvores cultivadas de 9 milhões de hectares  e outros 5,9 milhões de hectares destinados para Áreas de Preservação Permanente (APPs), Reserva Legal (RL) e Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPN), uma área maior que o Estado do Rio de Janeiro.

O potencial de estoque das suas áreas tanto de plantação, quanto de conservação, soma 4,48 bilhões de toneladas de CO2eq. Além de uma relevante taxa de reciclagem de papel (66,9%), o setor também se destaca pela alta participação (90%) de energia renovável em sua matriz.

A celulose nacional chega às mãos de milhões de pessoas em todo o planeta em diversos produtos. O Brasil tem motivos para comemorar seus diferenciais trazidos por essa indústria, com 100% da celulose e do papel brasileiro provenientes de árvores cultivadas para fins industriais, não havendo relação com o desmatamento ilegal.

Todas as empresas exportadoras de papel e celulose brasileiras adotam voluntariamente programas de certificação que asseguram a rastreabilidade e a origem responsável dos seus produtos, com sistemas reconhecidos internacionalmente, como Forest Stewardship Council (FSC), Programme for the Endorsement of Forest Certification (PEFC) e International Organization for Standardization (ISO).  Segundo os novos dados da Ibá são 7,4 milhões de hectares certificados atualmente, um crescimento frente ao ano anterior. A soma da área certificada pelo setor é maior do que a área da Bélgica, Dinamarca ou Suíça, por exemplo.

As associadas da Ibá investiram R$ 828 milhões em ações socioambientais, beneficiando 6,9 milhões de pessoas com projetos que buscam ajudar no desenvolvimento econômico e melhoria da qualidade de vida e prosperidade das comunidades onde o setor está inserido. Estes são números e fatos, que demonstram que o setor de árvores cultivadas trabalha no País com responsabilidade social, compromisso com o meio ambiente há anos, e segue buscando formas de atingir melhores níveis ambientais,  econômicos e sociais, buscando parcerias com entidades, vizinhos, poder público e outras indústrias.

Paulo Hartung, presidente da Ibá, reforça que esta é uma indústria que cuida do hoje e do futuro, sendo um dos grandes aliados para a mitigação dos efeitos das mudanças climáticas.

Além das remoções e estoques de carbono nas florestas, o setor também contribui evitando emissões por meio do uso de produtos de origem florestal, ao invés de fontes não renováveis, a exemplo da geração de energia limpa. O estoque de carbono nos produtos varia conforme o tipo. Produtos de papel como embalagem longa vida e livros estocam aproximadamente 45% de carbono, piso laminado e mesa de madeira 47% e o carvão vegetal de florestas plantadas 85%.“À medida que ocorrer a transição de uma economia de alta emissão de carbono para baixa emissão e bioeconomia, incluindo aquela baseada em florestas plantadas, o estoque de carbono e as remoções de carbono aumentam, ou seja, o setor consegue ampliar seu beneficio climático para o planeta”, disse.

Os dados do integram o Relatório Anual da Ibá 2020, referentes 2019, lançado hoje o e produzido pela primeira vez em parceria com Instituto Brasileiro de Economia (IBRE), da Fundação Getulio Vargas (FGV).

Acesse o novo relatório anual aqui

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!