25.8 C
Uberlândia
segunda-feira, julho 15, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosLagarta Spodoptera reduz oferta de milho

Lagarta Spodoptera reduz oferta de milho

A ausência de manejo do percevejo e da cigarrinha podem diminuir em 17,4% e 6,6% a produção

Com o início do plantio da segunda safra de milho na região Centro-Sul, os produtores se voltam para os tratos culturais e manejos necessários para garantir a produtividade do cereal. Além dos cuidados com a qualidade das sementes e do solo, é iniciado o planejamento do controle de pragas e doenças, que vai garantir um bom desenvolvimento das lavouras. De acordo com um levantamento do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, o não controle da lagarta Spodoptera poderia reduzir a produção nacional em 40% no primeiro ano de convívio, do percevejo diminuiria a oferta em 17,4%, e da cigarrinha-do-milho causaria a redução na produção de 6,6%, em um ano.

Para um controle efetivo das pragas e doenças que afetam o milho e outras culturas, é necessária a utilização de ferramentas de monitoramento como as disponibilizadas pelo Farmbox, software de gestão de propriedade rurais que possibilita um acompanhamento detalhado de cada talhão e o planejamento e controle das aplicações. “Com o Farmbox, o produtor vai ter o controle de todas as atividades de manejo de pragas e doenças, inclusive com comparativos de infestações e custos das safras anteriores”, explica o CEO da Checkplant/Farmbox, André Guerreiro Cantarelli.

O Farmbox compila dados e informações de campo e estoques como: mapas de infestação de pragas; frequência de monitoramento de cada talhão; agenda de aplicações; estoque de insumos; previsão de colheita e de custos de produção, de produtividade e rentabilidade total ou por talhão, entre outros, para o planejamento completo de cada safra.

Ainda segundo o estudo do Cepea, a redução da oferta resultaria num aumento do preço do milho, de 13,6% no caso da lagarta, de 5,9% com o não controle do percevejo e de 2,2% para a cigarrinha. “Vale destacar, que o aumento do preço não compensa as perdas de produção e os produtores passam a ter prejuízos consideráveis se não fizerem o controle efetivo das pragas e doenças”, orienta Cantarelli.

Além dos prejuízos aos produtores, as perdas agrícolas causadas pelo não tratamento de pragas e doenças na cultura do milho trariam impactos relevantes nos aumentos dos preços disponíveis aos consumidores, penalizando toda a sociedade com maiores taxas de inflação de alimentos. De acordo com os dados do Cepea, aumentaria em 5% o preço do fubá e em 4,4% o preço do leite, por exemplo, no caso da falta de manejo da lagarta. Os choques de preços do cereal tendem a impactar de forma mais expressiva, no varejo, os valores do fubá, leite, farinha de milho, carnes de suínos e de frangos e ovos.

O CEO afirma que o controle efetivo das pragas e doenças do campo, com ferramentas digitais que permitem um monitoramento efetivo, beneficiam todos os elos da cadeia produtiva e consumidora dos produtos agropecuários.

ARTIGOS RELACIONADOS

Híbridos de milho: alto potencial produtivo e resistências

As opções no mercado, a adaptação e a resistência às pragas.

O que o produtor ainda pode fazer para garantir os ganhos com milho?

Custos de insumos, instabilidade climática e a produtividade da safrinha do milho

Plantas geneticamente modificadas não afetam a microbiota

Acompanhamento e análise de solo demonstram que plantas geneticamente modificadas não afetam a microbiota

Com milho como protagonista, Brasil deverá bater recorde na produção de grãos

Para o milho, a produção estimada é de 114,7 milhões de toneladas. Os números completos e as regiões que mais produziram na matéria em nosso site.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!