Limão agradece aplicação de bioestimulantes

0
388

Os bioestimulantes atuam sobre o crescimento de raiz e da parte aérea, proporcionam maior produção de clorofila, resistência a estresse abióticos, melhoria da qualidade dos frutos colhidos, além da redução na incidência de doenças

Fernando Simoni BacilieriEngenheiro agrônomo e doutor em Produção Vegetal – Universidade Federal de Uberlândia (ICIAG-UFU)ferbacilieri@zipmail.com.br

Diferente dos fertilizantes convencionais, adubos foliares com nutrientes para suplementação, prevenção ou correção de carências nutricionais, novos compostos têm sido identificados, sintetizados e aplicados às culturas com o objetivo de solucionar problemas fisiológicos tratam-se dos bioestimulantes.

O conceito de bioestimulantes tem mudado ao longo dos anos em função da diversidade de compostos novos que apresentam efeitos sobre o crescimento, desenvolvimento, metabolismo e a produtividade das culturas.

Uma definição mais recente considera os bioestimulantes como produtos que contenham substâncias e/ ou microrganismos cuja ação, quando aplicados às plantas ou à rizosfera, sejam capazes de estimular os processos fisiológicos naturais para aumentar a absorção e eficiência, e no uso de nutrientes, proporcionar tolerância a estresses abióticos com maior qualidade das colheitas.

Podem ser incluídos na categoria de bioestimulantes os microrganismos, ácidos húmicos e fúlvicos, aminoácidos e os extratos de algas, entre outros.

Atuação

Alguns microrganismos são capazes de promover o crescimento das plantas por meio do aumento da disponibilidade de nutrientes, da biomassa radicular ou área de raiz, e da capacidade de absorção de nutrientes. Por isso, seus efeitos passam a ser considerados como bioestimulantes.

Embora os mecanismos da ação destes agentes biológicos ainda não estejam completamente esclarecidos, a promoção de crescimento pode ocorrer pela produção ou indução pela planta de fitormônios como auxinas, citocininas e giberelinas, ou ainda por inibição da síntese de etileno. Estes microrganismos podem ser utilizados para complementar, e não substituir a adubação com os fertilizantes minerais.

Classes

As substâncias húmicas que englobam os chamados ácidos húmicos e ácidos fúlvicos são outra classe de compostos com efeito bioestimulante, podendo ser encontrados naturalmente em solos, turfas, oceanos e águas doces.

O efeito da parcela ativa das substâncias húmicas sobre o crescimento e o desenvolvimento das plantas está relacionado com  a atividade hormonal. Estudos reportaram que os ácidos fúlvicos apresentaram atividade dos hormônios vegetais citocininas, auxinas e giberelinas.

Já os ácidos húmicos não possuem atividade auxínica, mas inibem a enzima IAA-oxidase, protegendo o ácido indol acético da degradação. São matérias-primas versáteis que permitem ser aplicados via solo e/ou via folhas.

Para ler o restante deste artigo você tem que estar logado. Se você já tem uma conta, digite seu nome de usuário e senha. Se ainda não tem uma conta, cadastre-se e aguarde a liberação do seu acesso.