21 C
Uberlândia
sábado, julho 13, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioEventosLondrina recebe 32º Congresso Brasileiro de Nematologia

Londrina recebe 32º Congresso Brasileiro de Nematologia

1 Logo CongressoGrupos de discussão e mesas-redondas abordarão o tema no evento, além de estudos sobre nova molécula nematicida

Acontece de 15 a 19 de junho no Hotel Sumatra, em Londrina (PR), o 32º Congresso Brasileiro de Nematologia, que conta com patrocínio da Adama (leia-se Adamá), empresa global do setor de agroquímicos. O tema deste ano trará à tona problemas atuais e emergentes da nematologia, além de perspectivas para a agricultura, com o objetivo de buscar novas abordagens metodológicas e estatísticas para os prejuízos causados por estas pragas nas lavouras.

Durante o evento, a Adama apresentará aos participantes – autoridades políticas, pesquisadores, professores, consultores, representantes de empresas do agronegócio e estudantes – resultados de anos de estudos dedicados a auxiliar os agricultores no controle dos nematoides. Após seu desenvolvimento, a nova molécula exclusiva da Adama está em fase de registro. Gerson Dalla Corte, engenheiro agrônomo de Desenvolvimento de Produtos da companhia, será o palestrante a explicar as características do ativo, modo de ação, grupo químico e suas características ambientais e toxicológicas, demonstrando que esta nova molécula será muito eficiente.

“A incidência de nematoides tem aumentado cada vez mais ano a ano e os agricultores continuam com poucas opções de manejo para controlar esses ataques. As variedades disponíveis não oferecem resistência completa e os nematicidas existentes hoje só protegem a raiz da planta em sua fase inicial, não bloqueando a multiplicação dos nematoides que sobreviveram no solo“, esclarece Andressa Machado, pesquisadora do Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR). Segundo Andressa, a aprovação do princípio ativo viria em um momento importante para a agricultura. “A liberação do ativo é imprescindível para o cenário atual, pois ele age na forma de pulverização no solo e permite pleno controle de nematoides em áreas de maior abrangência“.

Para a professora e responsável pela área de Nematologia da Universidade Estadual de Londrina (UEL), Débora Santiago, a chegada de novas moléculas possuem outro objetivo de suma relevância: diminuir a toxicidade de produtos dessa natureza. “Os agricultores permaneceram por muito tempo trabalhando com moléculas extremamente tóxicas que significavam alto risco de contaminação para o meio ambiente. Hoje as empresas estão mais rigorosas a isso e buscam desenvolver soluções mais sustentáveis do ponto de vista ecológico e qualitativo para a vida de quem tem contato direto com esses materiais“.

Também será apresentada por Romeu Stanguerlin, Diretor de Marketing, a trajetória da Adama e sua atuação no Brasil e no exterior. Além disso, a empresa terá um estande dentro do congresso onde os visitantes poderão observar plantas com raízes infestadas por nematoides, conhecer as soluções agrodigitais “Adama Wings“, “Adama Alvo“ e “Adama Clima“ e tirar dúvidas gerais sobre nematologia agrícola.

O evento também contará com mesas-redondas, grupos de discussão, estudos de caso e palestras de especialistas no assunto. Os participantes poderão acompanhar debates sobre nematoides na agricultura brasileira, legislação e ferramentas biológicas, culturais e químicas aplicadas à Nematologia, manejo de nematoides no sistema produtivo, assim como outras discussões.

As inscrições variam de R$ 250 a R$ 1.000 e podem ser feitas no local do evento das 8h às 8h45, antes da abertura oficial da programação.

Fitonematoides ” O que são?

Fitonematoides são patógenos, em sua grande maioria, não visíveis a olho nu que vivem no solo e se alimentam dos nutrientes nas raízes das plantas. Tornaram-se motivo de grande preocupação para os produtores rurais brasileiros nas últimas décadas, devido à sua extensa distribuição geográfica e por atacarem as principais culturas cultivadas em território nacional. Mundialmente são identificadas mais de 15 mil espécies, sendo que destas no Brasil, as que causam mais problemas para o agronegócio são as dos gêneros Meloidogyne, Pratylenchus e Heterodera.

Em termos de impactos econômicos gerados por nematoides na agricultura mundial, considerando apenas hortaliças, as perdas de produção giram em torno de 12% a 15% ou US$ 100 bilhões em valores monetários. No Brasil, ao levar em conta diversas culturas, o prejuízo estimado é de 10% a 30%, correspondendo a aproximadamente R$ 16,5 bilhões.

Recentes análises da Embrapa e da Aprosoja mostram que a presença de nematoides nas lavouras de soja soma danos anuais de mais de R$ 35 milhões, enquanto que algumas das principais pragas e doenças das culturas brasileiras, como a Helicoverpa armigera e a ferrugem asiática da soja, representam R$ 8 milhões e R$ 4,7 milhões, respectivamente.

32º Congresso Brasileiro de Nematologia em Londrina (PR)

Data: 15 a 19 de junho

Horário: 15/6 (08h45 ” 22h); 16/6 (08h30 ” 18h); 17/6 (08h30 ” 00h); 18/6 (08h30 ” 18h30); 19/6 (11h30 ” 18h)

Local: Hotel Sumatra ” Rua Senador Souza Naves, 803, Centro.

Site: www.cbn2015.com.br

 

ARTIGOS RELACIONADOS

Isla Sementes lança tomates de alta performance

Enzo e Pietro: excelente tamanho e uniformidade dos frutos   De acordo com dados do Ministério da Saúde, o consumo regular de frutas e hortaliças aumentou no...

Wiser – Soluções eficientes para cada situação

Para Luís Roberto Belém Silveira Lopes, diretor comercial da Wiser, é importante participar do Congresso de Pesquisas Cafeeiras para apresentar os trabalhos da empresa...

Organominerais estimulam a proliferação de microrganismos em HF

Carla Verônica Corrêa Doutoranda em Agronomia/Fisiologia Vegetal e Metabolismo Mineral " UNESP cvcorrea1509@gmail.com Luís Paulo Benetti Mantoan Doutorando em Ciências Biológicas/Fisiologia Vegetal - UNESP Os fertilizantes organominerais são...

Inoculante para fixação biológica de nitrogênio na cana

Nitrospirillum amazonense é uma espécie de bactéria encontrada na natureza que possui a propriedade de fixar nitrogênio do ar. Embora 78% do ar seja composto de nitrogênio, sua composição na forma de N2 é indisponível para as plantas. As bactérias que possuem um complexo enzimático denominado de nitrogenase transformam este N2 gasoso em NH3, por meio de um processo redutor.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!