18.1 C
São Paulo
segunda-feira, agosto 8, 2022
-Publicidade-
Inicio Revistas Grãos Manejo da adubação fosfatada para cana no cerrado

Manejo da adubação fosfatada para cana no cerrado

 

Sandro Roberto Brancalião

Pesquisador científico VI, Centro de Cana do Instituto Agronômico/Manejo de Solos

brancaliao@iac.sp.gov.br

 

Crédito Ana Maria Diniz
Crédito Ana Maria Diniz

A cana-de-açúcar requer, como qualquer cultura comercial e industrial, cuidados no manejo da adubação, desde o campo até a indústria, sendo importante ter um equilíbrio entre os macro e micronutrientes, com o intuito de prover à planta o melhor ambiente de produção possível, face ao já pré-estabelecido pela pedologia. Só assim poderemos fazer um manejo adequado para cada época de plantio, variedade e necessidades em termos de reposição de macro e microelementos que possam verdadeiramente incrementar a produção da cultura.

O fósforo é um macronutriente primário, acompanhado do nitrogênio e potássio, sendo importantíssimo no plantio. Entretanto, o fósforo, dentre estescitados, é o que a planta requer em menor quantidade, exercendo função-chave no metabolismo da planta, particularmente na formação de proteínas e na síntese de ATP e ADP.

O fósforo também é parte constituinte de moléculas de DNA e RNA, participa do processo de divisão celular, fotossíntese, armazenamento de energia, desdobramento de açúcares, respiração, fornecimento de energia a partir de ATP e formação de sacarose.

Devido à escassez do fósforo na maioria dos nossos solos, este elemento é de substancial importância para elevar a produtividade de áreas de cana-de-açúcar.

Manejo

A adubação da cana-de-açúcar pode variar em função da fase da cultura, se é cana-planta ou soqueira, visto que a formação e diferenciação, tendo como evolução os seus perfilhos, ocorre em diferentes fases da cultura, existindo também um grande sinergismo e um ganho com aumento da relação N/P no solo.

No sulco de plantio é utilizada para suprir a exigência de fósforo ao longo do ciclo da cultura.Com o aumento da fosfatagem, elevamos os teores de P disponíveis, mas também elevamos a adsorção de fósforo nos coloides do solo.

A adubação deve ser realizada em função da análise de P e K, seguindo as formulações de N-P-K, tendo baixa quantidade de N e alta de P2O5 e K2O.Pensando em fosfatagem, esta prática objetiva elevar o teor de fósforo, potencializando a adubação de P no plantio, promovendo o desenvolvimento radicular. Ainda, devido à melhor compatibilização N/P, a prática da fosfatagem auxilia na melhor absorção do N, tanto em cana-planta como em soqueira.

Dose recomendada

As doses em cana-planta a serem praticadas são 100-150 kg de P2O5.Em alguns ambientes pode-se chegar a 180 kg/ha de P2O5, dependendo da responsividade das variedades empregadas.

Todavia, em soqueira é realizada em função do nitrogênio. A dose de N a ser aplicada geralmente segue a proporção de 1 kg N/t de colmo esperada. A relação nitrogênio/potássio para soqueira varia de 1:1 a 1:1,5 e, dependendo da forma de colheita, pode variar com a diminuição do N na proporção.

Será necessário adubar o solo com saturação de bases maior que 50 e teores abaixo de 15 mg/dm-3.

O uso de micronutrientes, especialmente zinco (Zn), boro (B) e molibdênio (Mo), especialmente em solos de textura média para arenosa, fica abaixo do nível de suficiência para o cultivo da cana-de-açúcar. Por isso, fique atento e conte com acompanhamento profissional para suprir desses elementos o solo.

Essa matéria você encontra na edição de outubro 2017 da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira já a sua.

Inicio Revistas Grãos Manejo da adubação fosfatada para cana no cerrado