17.6 C
Uberlândia
terça-feira, maio 28, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioDestaquesManejo da lagarta no milho contribui com o sucesso da lavoura

Manejo da lagarta no milho contribui com o sucesso da lavoura

Milho – Foto: Shutterstock

Lagarta-do-cartucho continua sendo a praga chave do milho. Segundo o pesquisador e entomologista Ivênio Rubens de Oliveira, da Embrapa Milho e Sorgo, doze anos com milho Bt no campo foram suficientes para não ter quase nenhum evento funcionando mais devido ao mau manejo. “Com o advento do Bt, da segunda safra, voltamos a ter problemas com percevejos. Hoje não tem uma praga chave tão salientada. São pragas chaves dentro do sistema de produção”, salientou.

Como fazer o controle quando se tem gerações sobrepostas e efetivar o controle? Oliveira disse que se não conhecer o problema da paisagem como um todo, todos os esforços para controlar as pragas não surtirão efeito.

Desafios

Um dos problemas apontados é que a Spodoptera fugiperda tem feito o papel de lagarta rosca, levando a um estrago nas plantas. “De V4 até V5 tem sido comum que a planta de milho esteja secando o ponteiro. [O produtor ou técnico] Acha que é lagarta elasmo e não é. Na fase de espiga, a Spodoptera tomou o lugar da Helicoverpa zea”.

Entre os motivos dessa forma de atuação do inseto é que ela é estrategista e possui capacidade ampla de adaptação. Ataca todos os órgãos da planta com muita facilidade: folhas do cartucho, colmo tenro, pendão floral e espiga.

Braquiárias, milheto, plantas daninhas tolerantes a herbicidas são outros hospedeiros. Oliveira aposta na crotalária para rotação que a Spodoptera não usa como hospedeira. “No caso do consórcio do milho com braquiária, ela não é praga da pastagem. Ela só a usa como hospedeiro”, aponta. 

O uso do milho Bt ainda é uma das principais estratégias para o manejo da lagarta do cartucho. São 196 cultivares disponíveis na safra 2019/2020, sendo 66,8% (131) – eventos transgênicos e 33,2% (65) – cultivares convencionais. “A maioria de cultivares é transgênica, mas tem aumentado a quantidade de cultivares convencionais, e seu manejo é o mesmo”.

Mas ele faz uma ressalva: “A tecnologia embarcada nas cultivares não é só de genética Bt, mas de produtividade. Porém, não se pode pensar em adotar a tecnologia Bt como estratégia exclusiva de MIP.  Mesmo com o uso da tecnologia Bt é importante manter o monitoramento periódico e adotar medidas de controle assim que os níveis de ação recomendados para cada tecnologia seja atingido”.

De olho na lavoura

O monitoramento periódico é uma estratégia fundamental para tomada de decisão de controlar ou não. A forma de se fazer isso é com armadilhas ou visualmente; número de amostras/de armadilhas, antes do plantio. “Os olhos têm que estar mais atentos para verificar em diferentes estruturas da planta”, alerta o pesquisador.

Oliveira chama a atenção para o monitoramento da lavoura que deve ser realizado o tempo todo. “Com mais rigor a partir da emergência das plantas, tecnologia Bt e tratamento de sementes protegem nas duas primeiras semanas”.

As lagartas maiores sobreviventes na área (são mais de 100 hospedeiros potenciais, incluindo milho tiguera e braquiária). No controle, será feita a cobertura da área: calda, bicos, regulagens. “A ocorrência de lagartas maiores sobreviventes na área que precisam ser controladas desde os estádios de desenvolvimento iniciais das plantas. Medidas de controle tem foco nas lagartas menores e dificilmente são eficientes para as lagartas acima de 1,5 cm”, alerta.

O monitoramento é importante em plantas até V8-V9, vistoriando sempre as folhas do cartucho da planta. A nota de injúria de até 3 significa que as lagartas ainda estão pequenas e o controle será mais efetivo.

Estratégias

As estratégias para controle de Spodoptera frugiperda com armadilhas é adotar medidas de controle quando forem capturadas três mariposas, utilizando parasitoides, bioinseticidas, inseticidas químicos, nessa ordem. “Precisamos conhecer os grupos químicos para saber o posicionamento adequado.”

Sobre controle biológico, Oliveira disse que existem mais de 200 produtos registrados junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (AGROFIT) para o controle de S. frugiperda em milho, entre eles os bioinseticidas à base de Bt e baculovírus. “O momento certo da aplicação (liberação) é fundamental.

O Trichogramma liberado quando nas armadilhas de feromônio indicarem a captura de três adultos de S. frugiperda/armadilha. É necessário focar na fase de ovos. E os bioinseticidas não tem efeito de Knock down, ou seja, as lagartas não morrem imediatamente”, explica.

Segundo o pesquisador, “produtos biológicos à base de Bt e Bv devem ser tratados de maneira diferente durante o processo de aplicação e avaliação de sua eficiência no campo. Eles atuam por ingestão e não por contato”, salienta.

Sobre a tecnologia BT, Oliveira fala que o “Bt sempre mata mais eficientemente lagartas recém-nascidas, no máximo entre três e quatro dias de idade, segundo instar, dependendo da espécie.”

Ele salientou o fato que quando as lagartas são mortas pelos Baculovírus em gramíneas, como o milho, “nem todas as lagartas sobem para a parte superior das plantas como em leguminosas (soja), em que este fator é mais facilmente observado.”

Quanto à tecnologia para aplicação de bioinseticidas, são utilizados os mesmos equipamentos convencionais usados para os inseticidas químicos. “Mas quando for o caso da lagarta do cartucho usar bico tipo leque e regulagem cuidadosa. Levar em consideração o tamanho (idade) das plantas e área que está sendo coberta”, explica. A aplicação também pode ser feita via água de irrigação.

Assistência

O pesquisador deixou um último recado: “Devemos intensificar a assistência agronômica em todas as lavouras, com profissionais competentes e com ótima qualidade em seus serviços. É integrar os trabalhos de instituições de pesquisa e de ensino, empresas, produtor rural, extensionistas, consultores, cooperativas, associações e todos os envolvidos na cadeia produtiva”.

ARTIGOS RELACIONADOS

Controle preventivo da cigarrinha automatizado

Detecção automatizada de pragas é a nova aliada no controle preventivo da cigarrinha do milho

Cresce o uso de inseticidas biológicos na agricultura

Geraldo Papa gpapa@bio.feis.unesp.br Fernando Juari Celoto Professores doutores da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho " Campus Ilha Solteira O histórico do Manejo Integrado de Pragas...

Novo sistema de produção de milho

O Antecipe é um sistema inédito de produção de grãos, em que é possível semear mecanicamente a cultura do milho nas entrelinhas da soja antes da colheita desta leguminosa. Para que isso se tornasse possível, 13 anos de pesquisa foram dedicados para geração de conhecimento para permitir que o produtor saiba como e o momento certo de utilizar a tecnologia, além do desenvolvimento de uma semeadora-adubadora que possa trabalhar neste novo modelo sem provocar danos às plantas de soja.

Cobre é fundamental para assegurar a rentabilidade do milho

Esteja atento aos sintomas de deficiência de cobre nas plantas, como clorose, má formação de espigas e enrolamento das folhas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!