Inicio Destaques Manejo da podridão do colo do jiloeiro

Manejo da podridão do colo do jiloeiro

0
69

Daniele Maria do Nascimento Engenheira agrônoma, doutora em Proteção de Plantas e professora – Universidade Federal de Lavras (UFLA)danielenascimento@ufla.br

Marcos Roberto Ribeiro Junior Engenheiro agrônomo e doutorando em Proteção de Plantas – UNESPmarcos.ribeiro@unesp.br

Adriana Zanin Kronka

Engenheira agrônoma, doutora em Fitopatologia e professora – UNESPadriana.kronka@unesp.br

Jiló – Foto: Luize Hess

O jiló, pertencente à família das solanáceas, a mesma do tomate e da berinjela, vem aumentando sua produção no cenário agrícola brasileiro. Com isso, alguns cuidados a serem tomados com essa cultura, principalmente em relação ao controle de patógenos, devem ser ressaltados.

Geralmente, essa solanácea é cultivada na primavera-verão, uma época que favorece a ocorrência de doenças e também de insetos que podem vir a comprometer sua produtividade. Alguns patógenos têm ainda a capacidade de atacar diferentes hospedeiros, o que contribui para sua permanência na área, mesmo que outras culturas venham a ser instaladas posteriormente.

Doenças que causam podridão de colo e raízes

Patógenos pertencentes aos gêneros Fusarium, Pythium, Phytophthora e Rhizoctonia são os responsáveis por uma das doenças mais temidas pelos produtores: a podridão de colo e raízes, que ocorre na fase inicial da cultura, ainda na sementeira ou já no viveiro. Todos esses gêneros citados são adaptados ao solo, atacando o sistema radicular da planta e, para alguns, isso ocorre principalmente, em condições de alta umidade.

A região do coleto (onde ocorre a transição da raiz para o caule) da planta atacada apresenta-se inicialmente encharcada e, posteriormente, a planta murcha e necrosa essa região, o que a leva à morte. Também é comum observar um afinamento nessa região, que causa o tombamento (damping-off) da planta. Se a planta sobreviver, o seu crescimento será reduzido de forma significativa.

Condições que favorecem os patógenos

Todos esses patógenos sobrevivem em restos culturais que ficam presentes na área de cultivo. A disseminação, dentro da área e para outras áreas adjacentes, ocorre principalmente através da água de enxurradas e irrigações no sulco.

Implementos agrícolas que transitam entre áreas infestadas e áreas ainda livre da ocorrência dessa doença, podem estar introduzindo esses patógenos em novas áreas.

A umidade do solo também é fator determinante. Solos encharcados favorecem as espécies do gênero Pythium e Phytophthora, ao passo que desfavorecem R. solani. Esse último, apesar de não tolerar solos com alta umidade, também não se desenvolve em solos muito secos.

Manejo

Para ler o restante deste artigo você tem que estar logado. Se você já tem uma conta, digite seu nome de usuário e senha. Se ainda não tem uma conta, cadastre-se e aguarde a liberação do seu acesso.

SEM COMENTÁRIO