18.6 C
Uberlândia
quinta-feira, junho 13, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiManejo de produção da couve-manteiga

Manejo de produção da couve-manteiga

Autores

Leticia Rodrigues de Oliveiraleticiaoliveira.agro@gmail.com

Antônio Gabriel Feliciano Santosantoniogabriel219@gmail.com

Graduandos em Agronomia – Centro Universitário das Faculdades Integradas de Ourinhos (UNIFIO)

Adilson Pimentel JuniorEngenheiro agrônomo, mestre em Agronomia e professor – UNIFIOadilson_pimentel@outlook.com

Aline Mendes de Sousa GouveiaEngenheira agrônoma, doutora e professora – UNIFIOalinemendesgouveia@gmail.com

Couve – Crédito: Ana Maria Diniz

A couve-manteiga (Brassica oleracea L. acephala) traz um bom retorno econômico ao produtor rural e até mesmo para aqueles que têm pouca experiência com plantios, pois pode ser cultivada em hortas caseiras ou vasos/jardineiras, pela fácil condução e manejo, assim como baixo custo para a instalação.

Detalhes do manejo

A couve de folha pode ser propagada por sementes ou por mudas, dependendo da cultivar. Um dos métodos preferidos pelos agricultores é a propagação vegetativa, com a formação de mudas a partir de brotos que surgem nas axilas das folhas, na maioria das cultivares. As couves híbridas não produzem brotos, sendo a propagação desta feita via sementes.

Para implantação da cultura, recomendam-se canteiros com 20 a 30 cm de altura e solos descompactados, para o bom desenvolvimento radicular. Este solo deve possuir boa drenagem, de modo que não haja encharcamento.

O espaçamento recomendado em plantios comerciais de couve é de 80 a 100 cm entrelinhas por 50 a 70 cm entre plantas. Apesar de haver preferência de alguns produtores para o cultivo em linhas simples, em algumas regiões podemos encontrar o sistema de cultivo em linhas duplas, com espaçamento de 80 a 100 cm entrelinhas duplas e 40 a 50 cm entrelinhas simples.

Com relação à nutrição mineral, calagem e adubação, é de extrema importância ter em mãos a análise de solo, e de acordo com seu resultado fazer o manejo adequado. Caso haja a necessidade de correções, recomenda-se fazer antes do plantio a incorporação de calcário (30 a 90 dias), elevando a saturação por bases para 80%, o teor de magnésio a um mínimo de 9 mmolc dm-3, e ajustando o pH na faixa de 5,5 a 6.

Para a adubação de plantio recomendam-se adubos orgânicos como 2,0 a 4,0 kg de esterco bovino por m² ou 1 kg por m² de esterco de galinha ou cama de frango, todos bem curtidos, 30 dias antes do plantio.

Para a adubação de cobertura, de acordo com resultados da análise de solo, recomendam-se de 20 a 40 kg ha-1 de N, 5 a 10 kg ha-1 de P2O5 e 10 a 20 kg ha-1 de K2O, porém, parcelar a dose do fertilizante a cada 15 ou 20 dias.

Critérios para um plantio de sucesso

O produtor deve estar sempre atento às condições climáticas e necessidade hídrica da cultura. A falta de água (déficit hídrico) provoca o murchamento das plantas e, juntamente com a insolação, podem acarretar queimaduras nas folhas e nos brotos, causando sua morte. Por outro lado, o excesso de umidade pode causar podridão das raízes e favorecer a incidência de doenças.

Em relação à irrigação da cultura, deve-se levar em consideração fatores como: período de cultivo no ano, ciclo da cultura, tipo de solo, declividade do terreno, capacidade de drenagem e/ou retenção de água e insolação diária.

É necessário realizar periodicamente o monitoramento da cultura a fim de identificar ataque de insetos-praga e a presença de doenças. Para o controle, deve-se utilizar produtos registrados para a cultura, dando muita atenção ao período de carência. Da mesma forma, o controle químico pode ser usado a fim de eliminar plantas daninhas, porém, o mais usual e econômico é a catação manual ou com o uso de ferramentas.

Vem crescendo a área plantada com couve sob cultivo protegido, com maior adensamento entre plantas e a utilização de materiais híbridos. Dessa forma, é realizada a rotação com hortaliças de outras espécies, como pepino, pimentão ou tomate, para evitar ou diminuir a incidência da traça-das-crucíferas, praga que pode causar prejuízos consideráveis para a couve, quando cultivada nestas condições.

Colheita

[rml_read_more]

O ciclo da cultura varia entre seis a oito meses, tendo como produtividade de 3,0 a 5,0 kg de folhas por planta durante todo o ciclo. A primeira colheita da couve começa por volta de dois a três meses após o transplante das mudas.

De acordo com o manejo adotado, poderá encurtar ou prolongar o ciclo da cultura. Se o produtor retardar um pouco a primeira colheita, o sistema radicular e foliar da cultura se desenvolverá bem, possibilitando escalonar as colheitas futuras por mais tempo.

Esse escalonamento da colheita é feito a cada sete a 10 dias na mesma planta, retirando as folhas maiores que já estão no padrão de comercialização. É necessária a retirada dos ramos ladrões que brotam nas axilas das folhas (estes ramos podem ser usados para produzir mudas).

A produtividade varia de acordo com a propagação, mas as couves produzem entre 4,0 e 5,0 kg de folhas por planta anualmente, cerca de 125 mil maços de 400 gramas por hectare em áreas comerciais.

Comercialização

A comercialização da couve-manteiga poderá ser feita na forma de maços com 400 gramas ou no sistema semi-processado, onde as folhas são picadas, higienizadas e acondicionadas em bandejas de polipropileno expandido envoltas por filme PVC ou em sacos plásticos de polipropileno (PP) ou poliestireno de baixa densidade (PEBD), o que agrega maior valor ao produto.

Custo

O custo de produção da couve, em 2018, foi de aproximadamente R$ 24.900,00 por hectare. Consideramos espaçamento em fileiras duplas de 1,2 m x 0,5 m x 0,5 m, totalizando 23.000 plantas por hectare e rendimento de colheita com 1.200 maços por dia/homem.

A maior participação neste custo é representada pela mão de obra, com 27,5% do total. O custo dos insumos agrícolas representou o segundo maior valor, com 23,3% do montante total, sendo um exemplo o custo com sementes que varia de R$ 19, o equivalente a 10 gramas de uma variedade, com cerca de 3 mil unidades, a R$ 25 o milheiro de um híbrido.

O preparo do solo e os tratos culturais, como a irrigação, compõem o terceiro grupo mais importante do custo de produção da couve, com 20% do total. Finalmente, o custo com a formação de mudas e de oportunidade complementam o total dos custos de produção com 29,2%. Custo de comercialização unitária do maço: R$ 0,20.

Rentabilidade

Será boa a rentabilidade no cultivo de couve-manteiga, se empregadas as boas técnicas de manejo e em seu pré-processamento, tanto na comercialização na forma de maços como picada e embalada.

Verifica-se que a melhor maneira de comercialização das folhas é picada e embalada. Claro que é mais trabalhoso e exigente de boas práticas de higienização, contudo, a venda de um saco de 250 gramas no varejo é de R$ 2,50. O retorno será compatível com as técnicas de manejo e investimentos realizados, o que reflete no volume de colheita e sua periodicidade.

ARTIGOS RELACIONADOS

Plantio da safra de soja está acima da média dos últimos 5 anos

Segundo a SAFRAS & Mercado, a área total atingiu 32,4%.

Qual o panorama nacional da produção de repolho?

Autores Raphael Augusto de Castro e Melo Pesquisador da Embrapa Hortaliças raphael.melo@embrapa.br A receita global do mercado de repolho totalizou US$ 39,4 bilhões em 2018,...

Manejo da adubação nitrogenada via fertirrigação em cafeeiros

A aplicação de fertilizantes via irrigação é conhecida como fertirrigação, uma prática já há muitos anos utilizada pelos produtores, consagrada pelos seus benefícios às lavouras, como redução dos custos de aplicação dos nutrientes, aproveitando-se da estrutura de irrigação para, junto com a água, fornecer os nutrientes necessários às plantas; independência de chuvas para aplicação dos fertilizantes, uma vez que os mesmos são dissolvidos em água no processo; rápida incorporação ao solo, inibindo perdas, além da possibilidade de maior parcelamento das adubações, conseguindo sincronizar de forma mais eficiente a quantidade fornecida com os períodos de maior demanda pela planta.

Como potencializar a fixação biológica de nitrogênio na soja?

A soja é uma planta da família da Fabaceae, que possui a característica de ser uma leguminosa nodulífera, uma vez que suas raízes podem estabelecer uma...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!